A FORÇA DOS NATIVOS

28 11 2009


O retorno dos incas

Depois de quase cinco séculos, os índios voltam a ganhar espaço na vida política da América Latina
por Fred Linardi

No ano 1533, o assassinato do rei Atahualpa marcou a queda do Império Inca, que havia surgido no século 13 e rapidamente alcançado o posto de maior território unificado da América pré-colombiana, com 1,8 milhão de quilômetros quadrados de extensão. Depois que os espanhóis dominaram a região, passaram-se quase 500 anos sem que os nativos tivessem espaço na política da América Latina. E, de fato, ainda hoje vários países de grande população indígena têm poucos representantes no governo – entre eles, o Peru, onde fica Cuzco, a antiga capital dos incas. Nos últimos anos, essa situação começou a mudar, pelo menos em um local: a Bolívia.

“Antes, os indígenas bolivianos só trabalhavam como carregadores em supermecados ou como empregados domésticos. Agora é possível encontrá-los diante de uma mesa de escritório”, afirma Vivian Urquidi, professora do Observatório de Políticas Públicas da Universidade de São Paulo. Essas alterações começaram em outubro de 2005, quando o descendente de índios Evo Morales foi eleito presidente. Além de declarar como oficiais as 36 línguas faladas em território nacional, ele levou os nativos a cargos políticos de grande responsabilidade. A ministra da Justiça, Casimira Rodríguez, que era líder sindical da etnia quíchua, é um desses casos. A vereadora Gumercinda Quisbert, o ministro da Água, Abel Mamani, e o deputado Ricardo Díaz são outros nomes locais situados em importantes gabinetes.

Mas não é só a eleição de Morales que explica essa mudança. “O contingente indígena da Bolívia é bem mais politizado que em outros países vizinhos. Há décadas essas pessoas se organizam em sindicatos”, diz a professora Vivian. Desde que o país se tornou uma república independente, em 1825, a população índia, que hoje soma 85% do total, organiza protestos contra a política de distribuição de terras, que, segundo os manifestantes, é discriminatória. Em meados do século 20, os nativos chegaram a ocupar o poder por poucos anos. Foi em 1952, quando uma revolução levou o Movimento Nacionalista Revolucionário (MNR) ao governo. O grupo nacionalizou as minas bolivianas, iniciou uma reforma agrária e instituiu o voto universal – até então, mulheres e índios não votavam. Também nessa época surgiram os movimentos campesinos, formados por plantadores de coca, uma planta muito consumida por etnias locais, que a usam para fazer chá ou mastigar sua folha. A grande importância cultural dos “cocaleros” deu força política à Federação do Trópico de Cochabamba. Em 1997, a entidade levou seu presidente, Morales, a conquistar uma vaga no Congresso. Como mandatário do país, em 2007 ele elaborou uma nova Constituição. Entre as leis que encontram mais resistência estão a que obriga todo presidente boliviano a falar pelo menos um dialeto indígena e a que cria tribunais locais com juízes nascidos na região onde atuam. A Carta precisa ser aprovada em plebiscito.

FORÇA NATIVA
A situação dos índios no continente

EQUADOR
População indígena: 25%
Situação: Lideram uma grande entidade social, a “Confederación de Nacionalidades Indígenas del Ecuador”. Em 1990, paralisaram o país com confllitos por terra. Em 1997, ajudaram a derrubar o presidente Abdalá Bucaram

PERU
População indígena: 40%
Situação: Na terra de Cuzco e Machu Picchu, os poucos índios que alcançam cargos políticos evitam assumir publicamente a condição de mestiços

CHILE
População indígena: 5%
Situação: No início deste ano, o assassinato de um estudante de ascendência mapuche causou forte pressão contra o governo, que reagiu criando às pressas uma coordenadoria de políticas indígenas.

GUATEMALA
População indígena: 40%
Situação: Depois de forte repressão nos anos 70 e 80, hoje o país conta com quase 20 deputados indígenas e uma ministra descendente de maias.

BRASIL
População indígena: 0,2%
Situação: Em 2005, o índio José Nunes se tornou o primeiro prefeito a governar um município brasileiro. O local é São João das Missões, aldeia ao norte de Minas Gerais, que também passou a ter dois vereadores descendentes.





CARLOS MARIGHELLA

3 11 2009

Este homem não pode cair no esquecimento.
Nas escolas praticamente não se ouve falar dele. Saiba que este Brasileiro morreu pelo seu País, e principalmente por uma causa ainda maior, pela emancipação do nosso povo.
clique aqui e saiba tudo sobre a vida e a obra de Carlos Marighella.
mariguella








Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 100 outros seguidores