Os movimentos sociais da América Latina são os mais originais

20 11 2007

Ramonet: Os movimentos sociais da América Latina são os mais originais
Por Brunna Rosa

O jornalista Ignácio Ramonet, editor do Le Monde Diplomatique e um dos expoentes do Fórum Social Mundial desde sua primeira edição, discutiu, com militantes de movimentos sociais latino-americanos, o cenário político da região. A palestra ocorreu na quinta-feira, 15, na Escola Nacional Florestan Fernandes (ENFF), em Guararema, a 70 quilometros da capital paulista. Recém-chegado da 17º Cúpula dos povos Ibero-Americanos, realizada na semana passada em Santiago no Chile, Ramonet visitou a ENFF, construída por brigadas de militantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Os militantes de movimentos sociais da América Latina estão há quatro meses em curso de teoria política sobre a região. Assuntos como Fórum Social Mundial, América Latina e Che Guevara foram abordados, mas o principal ponto comentado por Ramonet foi Fidel Castro. Tema do mais recente livro do francês, Fidel Castro, uma biografia a duas vozes, o dirigente cubano gravou 100 horas de entrevistas com Ramonet. No Brasil o livro foi publicado pela editora Boitempo. Segundo ele, Fidel Castro, no decorrer da sua vida, deu apenas 15 entrevistas importantes “Desde 1992 Fidel Castro não dava uma grande entrevista. Entrevistei-o em 2003, o que seguiu até 2005. No total foram 100 horas. Ele nunca tinha dado uma entrevista tão longa”, afimou. Ramonet declarou estar contente por se encontrar junto a uma variedade de militantes latino-americanos. “Vocês estão construindo algo novo na América Latina, com solidariedade e praticando a integração intelectual. Sem dúvida os movimentos sociais da América Latina são os mais originais”, avaliou. Confira os principais momentos da conversa. Entrevista Estava em Havana, em fevereiro de 2002, para uma conferência na Feira do Livro. Vinha do Fórum Social Mundial (FSM) e conversava sobre os debates e palestras que tinha acompanhado. Lembro-me que Fidel ficou muito interessado sobre o FSM e elogiou o processo do movimento altermundista. Eu também tinha acabado de lançar um livro de conversas com o Subcomandante Marcos e sabia que Fidel o tinha lido. Então propus que fizéssemos o mesmo, só que com maior amplitude. Seria uma espécie de biografia a duas vozes. Iniciamos a entrevista no começo de 2003. Em setembro de 2004, retornei a Havana e complementei alguns temas e, por fim, em 2005, voltei mais uma vez a conversar horas com ele. O resultado são 100 horas de conversa com Fidel Castro e uma biografia lançada em inúmeros paises. Fidel Fidel Castro é um homem fisicamente imponente, mas é calmo, tímido e austero, além de passar um sentimento de seguridade. Vive em plena simplicidade e tem uma alimentação macrobiótica. Ele tem uma capacidade de ficar horas falando Guerrilha Não havia o espectro da guerrilha na América Latina. Fidel Castro se inspirou em outros países e articulou a guerrilha que derrubou o ditador (Fulgêncio) Batista. A América Latina desconhecia a revolução por meio da guerrilha, Fidel a trouxe e posteriormente exportou. Ele construiu uma guerrilha com concepção política e não militar, criou um código de ética de comportamento do exercito revolucionário cubano. América Latina Fidel avalia que os partidos políticos não estão mais representando toda a vitalidade, energia e diversidade de riquezas das reivindicações do povo latino e os movimentos sociais estão se articulando e lutando pelos seus direitos. A América Latina vive momento histórico, com presidentes progressistas e uma população mais consciente de seus direitos. Che Guevara Desde que Guevara foi morto, não há nenhum parceiro intelectual a sua altura para acompanhar Fidel Castro. Muito se fala sobre o rompimento de Fidel e Che, principalmente devido às divergências de Che quanto à política econômica adotada em Cuba, mas não houve. Vocês me perguntam se era possível não compactuar com a União Soviética naquele período e eu respondo que não. Era necessário. Cuba Quando perguntado a Fidel se a Revolução Cubana começou no assaltado ao quartel de Moncada, em 26 de julho de 1953, Fidel respondeu que a Revolução começou em 1868, durante a primeira guerra pela libertação cubana da colonização espanhola. O que a revolução fez foi latinoamericanizar Cuba. Sobre Moncada, Fidel Castro afirmou que se o famoso episódio da tentativa de tomada do quartel de Moncada concretizasse, Batista teria caído em 1953. E que o único erro foi a inexperiência dos combatentes.

Brunna Rosa

Anúncios




Vergonha Nacional

20 11 2007

Adolescente fica presa em cela com 20 homens por um mês

Caso foi denunciado pelo Conselho Tutelar de Abaetetuba, no Pará.Adolescente teria dito que recebeu ameaça de policiais para deixar a cidade.
Do G1

O Conselho Tutelar de Abaetetuba (PA) denunciou nesta segunda-feira (19) ao Ministério Público e ao Juizado da Infância e da Adolescência o caso de uma garota de 15 anos que ficou presa na delegacia do município com cerca de 20 homens durante um mês.
A adolescente disse ao Conselho Tutelar que teria sido obrigada a deixar a cidade. Segundo a conselheira tutelar Maria Imaculada dos Santos, a estudante contou que foi retirada da cela por um policial e abandonada no cais da cidade. Também teria recebido ameaça para deixar a cidade.

Segundo o Conselho Tutelar, no dia que seria entregue à família, a polícia informou que ela havia fugido da delegacia. A estudante ficou desaparecida por três dias e só foi localizada sábado (17), no cais da cidade.
Na manhã desta segunda-feira, a adolescente foi submetida a exame para verificar se foi vítima de violência sexual. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) pediu a punição dos policiais envolvidos no caso.
De acordo com a Polícia Civil, em Abaetetuba não há carceragem feminina e o procedimento de colocar homens e mulheres na mesma cela seria “normal”. Mesmo tendo passado um mês, a polícia justificou a prisão da adolescente – acusada de furto – por ela não estar com a carteira de identidade para comprovar a idade.

A assessoria de comunicação da Polícia Civil informou que a idade da menor está sendo investigada e que um inquérito policial também será aberto para apurar se a adolescente foi vítima de violência sexual durante o perído em que ficou presa.

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da OAB-PA, Mary Cohen, disse que ficou chocada com a denúncia. “Mesmo sendo maior, ela não poderia estar em uma cela masculina, sob hipótese nenhuma”, afirmou Mary.
A Superintendência do Sistema Penitenciário do Pará, responsável pelos presos no estado, ainda não se pronunciou sobre o assunto.





O Reitor Palhaço

20 11 2007


Esta semana eu remocei: voltei às galerias da Assembléia Legislativa de Pernambuco, qual nos bons tempos de estudante do Instituto de Teologia do Recife. Não fui para lutar no grito por uma causa libertária, porém, mas para aplaudir uma das poucas coisas que restaram e frutificaram das nossas utopias de moleque sonhador: a experiência da educação popular.

Neste 22 de outubro os senhores deputados tiveram as suas cadeiras (quase sempre vazias mesmo) ocupadas por crianças, indígenas, deficientes, negros, idosos, pais-de-santo, pastores e reverendos. Uma platéia de Organizações Humanitárias e variegadas religiões prorromperam no Palácio Joaquim Nabuco para vivenciar a quinta aula aberta da Universidade Popular do Nordeste, que reinventa a educação como consciência do processo de humanizar e emancipar essa nossa vidinha.

Com o tema “Planeta Terra, a Casa da Gente”, desfilaram na tribuna doutores e brincantes, uma bandinha entoou clássicos universais e um balé atacou com o frevo recifense no pé. Foram momentos emocionantes de partilha de cultura popular e erudição engajada, da cosmovisão afro-brasileira e do socialismo de Politzer, tudo regado à educação libertadora de Paulo Freire.

Pois esses são os princípios encarnados por essa Universidade fundada há cinco anos no bairro popular do Curado III, arrebaldes de Jaboatão, que trabalha com empregadas domésticas, biscateiros e faxineiros – essa gente que sai da lama e diz que ama, que ensaia alquimia e transforma lixo em luxo. História geral e do Brasil, oratória, medicina natural e iniciação musical estão entre os cursos oferecidos pela Universidade.

Aliás, dois doutores que ocuparam as Folhas esta semana bem podiam se matricular nessa Universidade daqui da periferia: um foi o grande cientista James Watson nos Estados Unidos, que, depois de invocar recursos da manipulação genética para resolver os “problemas” dos homossexuais, dos obesos e das “mulheres feias”, disse que os negros são “menos inteligentes”. Ele é considerado pai da biologia molecular, muito em voga, mas tem muito mais a ver é com o “pai da mentira”, né?!
Outro, igualmente fundamentalista, mas pelo lado da religião, foi o juiz mineiro Edilson Rodrigues, que considerou “diabólica” a lei de proteção a mulheres violentadas, recusando-se a aplicá-la em seu tribunal. “Ora, a desgraça humana começou no Éden: por causa da mulher, todos nós sabemos (…). O mundo é masculino! A idéia que temos de Deus é masculina! Jesus foi homem!”, disse o “purpurado”. Quanta gente não precisa criticar a sua pretensa ciência e interpretar a sua presumida religiosidade!

As aulas abertas da UNIPOP, então, fazem parte da campanha “Pelo fim da Intolerância”, que será realizada até o ano de dois mil e dez – e, pelo visto, talvez devesse ser prorrogada! Desta feita, foram homenageadas a ex-presidente do Sindicato das Empregadas Domésticas, Lenira Carvalho; Zenilda Araújo, mãe do povo Xucuru de Pesqueira; e o jovem paraibano Linaldo Constantino, pelo exemplo de superação na vida d-eficiente… Esse pessoal deu uma aula de sapiência no cuidado por todo mundo, como se fosse “de casa”, sem precisar muitas palavras!

Para mim, aliás, bastava, para essa aula ter valido a caminhada à Assembléia, a abertura perpetrada pelo reitor da UNIPOP, o também pastor de “igreja livre”, Jardson Gregório – que nem precisa de graduação formal para ser sábio quem nem é. Pois esse reitor e pastor, cheio de espirituosidade, entrou no meio de crianças, vestido de palhaço e pintado a rigor, distribuindo flores e provocando o riso no templo dos Legisladores de Pernambuco! Confesso que chorei, também, com essa lição, até de teologia.
Sim, pois o estilo da teologia devia ser o do riso: sacramento que faz com que crianças e palhaços andem de mãos dadas, enchendo o mundo de Espírito. O riso de palhaço desenha bigodes no rosto solene dos poderosos e coloca cravos cheirosos no cano dos fuzis, proclamando que as coisas podem ser diferentes. O riso das crianças é aquele que exulta na sua própria nudez, que nada tem do que se envergonhar. O riso dos palhaços amedronta os demônios e o riso das crianças – bem o sabia Jesus – é o riso do corpo que, livre dos demônios, pode voar e se encantar com tudo, até com o planeta.

Prof: Gil Braz.





Repercutindo: Leitora do Blog diz que Meirelles(presidente do Banco Central) será presidente do Brasil

20 11 2007

Por Alda Inácio

Meu amigo, você esqueceu do nome do futuro presidente do Brasil na sua enquete, por favor ! Não pode cometer uma gafe destas. O Meirelles vai ganhar e não será com o meu voto não ! Mas que vai ganhar vai!

Abraço Alda





O Fórum Pela Ética estará presente no lançamento da campanha em Pernambuco

18 11 2007

Combate à Corrupção: OAB-ES convida para lançar Comitês

Com o lema “Voto não tem preço, tem conseqüências”, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) lançará na segunda-feira sua campanha para as eleições municipais de 2008. O lançamento terá como sede o Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), em Brasília, e acontecerá simultaneamente e em todas as 27 unidades estaduais da Ordem, entidade parceira do Movimento. No Espírito Santo, o evento ocorrerá na sede da OAB-ES, em Vitória, e, em seguida, os presentes ao encontro e representantes da Seccional irão planejar as ações de conscientização e mobilização popular para o combate à corrupção nas eleições do ano que vem. O presidente da OAB-ES, Antônio Augusto Genelhu, está à frente dos trabalhos. No Estado, são parceiras do movimento, além da OAB-ES, a Comissão de Justiça e Paz e a Cáritas Arquidiocesana de Vitória. Também foram convidados para o evento o governador capixaba, Paulo Hartung, o presidente do Tribunal de Justiça do Estado, Jorge Goes Coutinho, e o presidente da Assembléia Legislativa, Guerino Zanon, além de juízes e a bancada federal capixaba.Pela primeira vez, o MCCE lança sua campanha um ano antes das eleições. A intenção é iniciar o combate à corrupção eleitoral com o máximo de antecedência para fiscalizar, inclusive, o cadastramento eleitoral, que em 2008 irá até o dia 7 de maio.No planejamento, folderes e cartazes serão distribuídos em todo o Brasil. O material inclui a cartilha “Lei 9.840: vamos combater a corrupção eleitoral” e o novo folder do MCCE, que contém dados sobre o movimento e políticos cassados por corrupção eleitoral em todo o país. Criado em 2002, o movimento é formado por entidades da sociedade, movimentos, organizações sociais e religiosas que visam garantir a aplicação da Lei 9.840, de combate à corrupção eleitoral.





Juíza Paraibana se acha acima dos "mortais", pode!?

18 11 2007

O juiz é superior a qualquer ser material, diz juíza

Advogados costumam dizer que há juízes que pensam que são deuses e juízes que têm certeza. É o caso da juíza Adriana Sette da Rocha Raposo, titular da Vara do Trabalho de Santa Rita, na Paraíba. Nas palavras da juíza: “A liberdade de decisão e a consciência interior situam o juiz dentro do mundo, em um lugar especial que o converte em um ser absoluto e incomparavelmente superior a qualquer outro ser material”.A consideração sobre a “superioridade” natural dos membros da magistratura faz parte de uma das decisões da juíza. Ela negou pedido de um trabalhador rural por considerar que seus direitos trabalhistas já estavam prescritos. O trabalhador largou o emprego em 1982 e só foi reclamar seus direito em agosto de 2007.Adriana aproveitou a ocasião de decidir tão magna questão para ressaltar, em poucas palavras, toda a magnificência da profissão dos juízes. O trabalhador, além de perder a causa, teve de ouvir coisas como esta: “Ele [o juiz] é alguém em frente aos demais e em frente à natureza; é, portanto, um sujeito capaz, por si mesmo, de perceber, julgar e resolver acerca de si em relação com tudo o que o rodeia”.A juíza de Santa Rita é uma atuante servidora da Justiça do Trabalho na Paraíba. Na próxima quinta-feira (22/11) ela promove em sua cidade, o projeto Conciliar e Arrematar. Pela manhã, haverá audiências de conciliação dos processos cujas partes já foram notificadas. À tarde, os processos que não foram resolvidos através de conciliação terão os bens ofertados em leilão.É a primeira vez que uma experiência como essa é feita na área do Tribunal Regional do Trabalho da 13ª Região (Paraíba). Segundo Adriana o objetivo da mudança é agilizar a finalização do processo. “A idéia é solucionar os processos, seja pela conciliação, seja pela arrematação dos bens para o pagamento das dívidas trabalhistas”.Qualidades e defeitosA Consultor Jurídico tentou ouvir a opinião da Associação Nacional dos Magistrados da Justiça do Trabalho, mas seu presidente, Cláudio José Montesso, não quis comentar a decisão.Marcos Salles, presidente da Associação dos Magistrados da Paraíba, que representa os juízes da Justiça estadual paraibana, afirmou não ter lido a decisão de Adriana. Mas ouviu comentários sobre ela entre seus colegas. “Não conheço o contexto da afirmação, mas não concordo. O juiz é um ser como qualquer outro, com qualidades e defeitos.”Segundo ele, seus colegas comentaram que Adriana mostrou acreditar que o juiz é um profissional melhor do que os outros. “Não acho isso. Estamos em uma república. Igualdade é a primeira regra que devemos seguir.”O presidente nacional da OAB, Cezar Britto, também comentou as palavras de Adriana. “A grandeza da magistratura é poder julgar homens sendo absolutamente um homem. É a idéia da Justiça se auto-julgando”, disse Britto. “O juiz não é melhor nem pior do que qualquer ser humano. Pensar diferente é não compreender a função da Justiça”.A sentença de Adriana foi parar no site do Centro Acadêmico de Direito da Universidade Estadual da Paraíba, junto com o seguinte comentário: “Causou estranheza a sentença proferida pela Juíza da Vara do Trabalho de Santa Rita-PB. No bojo de sua decisão, juíza afirmou que a liberdade do juiz o fazia um ser superior aos outros e que gozava ele de uma dignidade especialíssima. A soberba e arrogância dos argumentos fica visível quando a mesma afirma que o juiz é um ser absoluto e incomparavelmente superior aos demais.As palavras da juíza Adriana, no entanto, não espantaram um representante de classe da magistratura, que preferiu não se identificar. Ele apenas comentou que considera o que a juíza disse “normal”.





Perdemos um guerreiro: Chapéu de Couro para muitos e Zé Alves para outros

18 11 2007

Quem der uma olhada nesta nota lerá uma homenagem a um anônimo…talvez!

Estamos noticiando o falecimento de um homem simples.

Um bom pai, que deixa inconsolável dois herdeiros pequenos, bonitos, ativos, que deverão seguir-lhe o exemplo.

Um marido ou companheiro que demonstrava cotidianamente estar presente de verdade.

Um filho amoroso que chorou a morte de sua mãe em público certa ocasião, e que dava assistência constante ao velho Pai.

Um irmão decente, que não abriu mão de assumir a responsabilidade de tomar conta de seu irmão mais velho, hoje adoecido.

Um homem do campo. Que labutava e depositava suas energias e esperanças na terra. E extraia dela também, o sustento de sua família. Era uma troca na verdade!

Perdemos um cidadão, um militante e amigo, partidário de causas importantes, em um acidente trágico.

Foi-se um anônimo(para muitos) e cidadão do mundo(ao mesmo tempo) pelas causas que viveu.

Não era um homem extraordinário no sentido do destaque. Era um homem “formiga”, no sentido de não abrir mão, todo santo dia, de dar sua contribuição para um mundo melhor!

Esta é uma simples homenagem daqueles que fazem o Fórum Permanente Pela Ética na Política ao Companheiro Zé Alves, conhecido carinhosamente como “Chapéu de Couro”.