13 DE MAIO?

7 05 2009

escravidão
Há um bom tempo que o Movimento Negro no Brasil vem desconstruindo a imagem de “salvadora dos negros” da Princesa Isabel. Aquela mesmo que assinou a famosa Lei Áurea. A grande experiência que serve de modelo de luta por libertação das agruras impostas pela escravidão negra foi o Quilombo dos Palmares, e Zumbi, é a figura mais emblemática dessa passagem histórica.
Nas proximidades de comemoração do 13 de maio (o renegado) e da Princesa Isabel como a mãe do acontecimento – reinterpretado e revisto por diversos olhares e especialistas -, publicamos a matéria abaixo e colocamos ao seu dispor um link que lhe guiará à diversas outras fontes de pesquisa sobre o tema.

Zumbi, esse desconhecido

Ninguém sabe detalhes da vida do último e mais importante líder do Quilombo dos Palmares

por Reportagem Reinaldo Lopes

O nome dele era Zumbi, mas talvez o certo fosse Zambi. Ele pode ter nascido na África e ter sido trazido para cá à força, mas há quem diga que ele era brasileiro e livre. Nem temos certeza de que ele era filho de africanos – se ele nasceu no Brasil, é possível que seu pai fosse africano e sua mãe, índia. Sua morte também é envolta em mistério. Só não existem dúvidas a respeito de uma coisa: até seus adversários o definiam como um homem forte, orgulhoso, inconformado com sua condição social, que resolveu enfrentar seus algozes e libertar seu povo. E ele foi longe nesse objetivo. O Quilombo dos Palmares deu trabalho ao governo de Portugal.
O quilombo foi construído na serra da Barriga, uma área que hoje faz parte do estado de Alagoas. O terreno era uma espécie de fortaleza natural: tinha barrancos que dificultavam o acesso e palmeiras fazendo uma espécie de muralha. Palmares surgiu por volta de 1580, quando escravos que fugiam de Pernambuco e da Bahia construíram uma pequena vila fortificada, onde eles podiam ser livres e estavam protegidos dos soldados que capturavam e matavam os fugitivos dos engenhos de cana-de-açúcar do litoral. No auge da ocupação, em 1670, o quilombo teria chegado a 30 mil moradores – talvez esse número seja um exagero. Mesmo depois da morte de Ganga-Zumba e de Zumbi, seus dois maiores líderes, os escravos ainda resistiram até o ano de 1710.
Se os criadores do quilombo realmente vieram de um engenho, a grande maioria deveria ser homem, pois as fazendas abrigavam poucas mulheres. Talvez por isso, já nos primeiros anos de organização, o aglomerado de fugitivos virou uma pedra no sapato dos portugueses. Volta e meia, os habitantes de Palmares invadiam engenhos para libertar escravos, roubar comida e armas e, principalmente, raptar mulheres. Em 1602, o governador-geral do Brasil, Diogo Botelho, mandou uma expedição contra eles. Foi a primeira das mais de 40 missões de ataque. Era difícil vencer os escravos porque, quando as tropas chegavam, eles abandonavam a cidade e se escondiam no mato.
Quando os holandeses invadiram o Nordeste, os engenhos de açúcar perderam o controle sobre seus escravos e as fugas aumentaram. Palmares recebeu milhares de novos moradores e, em 1654, quando os holandeses foram expulsos, a vila tinha virado uma potência formada por vários aglomerados populacionais, que vendiam e compravam produtos das cidades vizinhas. Nessa fase, pode ser que até brancos tenham vivido dentro do quilombo. E com certeza havia índios morando lá dentro ou por perto. Escavações arqueológicas têm encontrado cerâmica indígena, provavelmente da mesma época de Zumbi.
Crescimento
Essa confederação de povoados escolheu como chefe um guerreiro conhecido como Ganga-Zumba, que morava em Macaco, a principal vila do refúgio. Não se sabe se “Ganga-Zumba” seria nome próprio ou um título dado ao líder. “A palavra ganga significava ‘poder’ ou ‘sacerdote’ em várias sociedades da África central”, diz o historiador Flávio Gomes, professor do Departamento de História da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Para a maioria dos especialistas, foi nessa época de relativa calmaria que Zumbi teria crescido em Palmares. Um dos motivos para sustentar que o líder nasceu ali mesmo e não chegou depois, fugindo da escravidão, é o fato de que ele seria sobrinho de Ganga-Zumba. Mas o parentesco também não é garantido, já que a palavra “sobrinho” podia ter um sentido simbólico.
Não há relatos confiáveis sobre a juventude de Zumbi. É em um relatório do comando militar da capitania de Pernambuco, escrito por volta de 1670, que seu nome aparece citado pela primeira vez. Ele seria o homem de confiança do chefe Ganga-Zumba, uma espécie de general dos exércitos de Palmares. Outros documentos da mesma época destacam a capacidade militar de Zumbi. Um deles diz que, ao enfrentar uma expedição liderada por Manuel Lopes Galvão, Zumbi levou um tiro na perna que o teria deixado manco, mas ele continuou lutando mesmo assim.
Missões de ataque
Por volta de 1670, matar Ganga-Zumba e Zumbi virou questão de honra para o governo português. Mas, em 1678, a raiva já tinha passado um pouco. Cansado das derrotas seguidas, o governador-geral propôs um acordo de paz. Ganga-Zumba aceitou, e deixou Palmares com algumas centenas de seguidores. Ele morreu pouco tempo depois, e há quem diga que foi Zumbi que mandou envenená-lo por ter abandonado seu povo. O novo líder do quilombo não quis saber de trégua. Em 1690, o governo enviou o bandeirante Domingos Jorge Velho para atacar a região. Apanhou na primeira tentativa, mas voltou em 1692, com 9 mil homens e alguns canhões. Depois de semanas de luta, os bandeirantes invadiram a capital de Palmares. Zumbi fugiu. Ele só viveria mais um ano, até ser traído e morto por um companheiro, Antônio Soares. Os bandeirantes deram ao corpo de Zumbi o destino de várias outras pessoas que na época eram consideradas traidoras da pátria. Seus olhos foram arrancados, sua mão direita foi cortada e seu pênis foi decepado e enfiado em sua própria boca. Já a cabeça foi salgada e levada para Recife, onde apodreceu em praça pública.

A lenda do suicídio coletivo
Logo depois de se aproximar de Zumbi e cumprimentá-lo, o traidor Antônio Soares o matou com uma punhalada. É assim que os historiadores acreditam que o líder dos Palmares foi assassinado. Mas, antigamente, existia uma outra explicação, bem mais dramática. “Até o início dos anos 60, os historiadores diziam que Zumbi e seus seguidores tinham cometido suicídio ao se atirar dos penhascos da serra da Barriga”, diz o historiador Flávio Gomes. Não é verdade, mas essa lenda pode ter surgido por causa de uma das últimas batalhas da guerra de resistência. O bandeirante Jorge Velho construiu uma muralha de apoio, em diagonal, para levar seus canhões para perto do quilombo. A única forma de atacá-la era subir por um barranco. Alguns quilombolas tentaram usar essa estratégia para fazer um ataque-surpresa contra o bandeirante. Quem era baleado rolava pelo barranco, o que pode ter dado a falsa impressão de suicídio.
Saiba mais
• A Hidra e os Pântanos, Flávio Gomes, Unesp, 2005. Compara os quilombos do Brasil com outros grupos de rebeldes em outros países do continente
• Palmares, Ontem e Hoje, Pedro Paulo Funari e Aline V. de Carvalho, Jorge Zahar, 2005. Ótima introdução à história do quilombo. O professor Funari trabalhou nas primeiras escavações feitas no local

Fonte: Aventuras na História.
Para saber mais, disponibilizamos pra você um endereço com diversos outros links de acesso. Clique aqui.

OPINIÃO DO LEITOR

Olá,boa tarde, fico feliz em ver espaços como estes, de temas tao relevantes em especial ao Povo Negro Povo marcado,onde faz brilhatimente referencia academica de um grande Dr .Ubiratan Castro de Araujo.
Aproveito o tema sem me aproveitar, de forma particular,mas se faz nessesario lucidar a ocorrencia do que esta acontecendo ,com referencia ao 13 de maio eo sentido da data em especial ao Bembé do mercado em Santo Amaro,que corre o risco de perder o sentido memorial do evento socioreligioso,para folclorizaçao e comercializaçao. de costumes.
Cidadão.compositor,negro e candomblecista.
Agradecemos também a D.Zilda Paim,Maria Mutti,Ana Rita Araújo ,D.Canô e Ubiratan Castro Araújo, que enriquecem de forma oral ou acadêmica, a memória na resistência da cultura respeitando as tradições.
Ass;
Josenilson Aragão Cerqueira Ney Didan

Santo Amaro, Ba.

Faz Historia no 13 de maio de 1889 no Bembé do Mercado, quando a cidade foi palco, relevante, das primeiras expressões de manifestações apos a abolição, de cunho sociocultural e religioso no Brasil,evento este proferido liturgicamente em praça publica. Ao longo dos anos o sentido real da festa,se perdeu,em alguns períodos, ficando mais no imaginário popular de forma oral aos que praticavam,e os que ouviam falar,e sem registros oficiais,provavelmente pela resistência imposta por toda uma classe social, que ainda inseridas no contesto da cidade “NAQUELA ÉPOCA “ obvio pelas elites, os brancos e capitães mestiços do mato,que não aceitavam os abolidos,como gente cidadã, marginalizando excluindo da sociedade e evidenciando o não interesse por coisa de preto, em todos segmentos,mesmo porque, ate os pro pios,brancos e negros militantes abolicionistas,da bahia não fizeram referencia da festa,como marco,exaltando o sentido da grandeza minuciosa deste
evento.Por tanto, 13 de maio de 2009 foi o dia `D´ da reflexão ou do inicio de uma nova abolição, de idéias,impostas e encravadas na memória dos afro-descendentes,culturalmente colonizados, que nada sabe ainda da avalia do seu povo, e que esse evento, saibamos diagnosticar lucidamente os interesses e motivos reais de sua evidencia hoje na sociedade, depois de 120 anos, sendo reconhecida pela sociedade, que antes oprimida e esquivada o nosso Bembé,que mts anos foi sucumbida,pela historia da Bahia, á sua notoriedade e sua grandeza na historiografia brasileira,tenhamos cuidado para que a festa não se transforme nada mais, de um canal de interesses avessos ao do sentido real, e seja desviado para interesses políticos,interesses financeiros,etc.e assim seja apenas fonte de promoção para uma pequena parcela da sociedade dominante que se beneficie mais uma vez da coisas de preto,e novamente provocar-mos, equívocos históricos,perdendo nossas referencias do que á nos é de
direito,a nossa cultura a nossa crença,a nossa fé,e erroneamente poderemos criar o folclore do Bembé do Mercado,pra turista ver!!! Já é chegado a hora do povo mudar, e façamos dos nossos saberes armas, contra a exclusão de nossa historia,que não deixemos folclorizar a memória á fé, do nosso povo tão sofrido mais vibrantemente cheios de axé!.Assim o tema pautado no 13 de maio 2009 foi“Qual o sentido real da Festa do Bembé“ á tão genuína e relevante,festa do Bembé do Mercado,abordado em mesa redonda,compreendida por convidados especiais,expuseram assim suas interpretações sobre a festa de 120 anos.
Veja o vídeos da festa,que revela dois entendimentos e discurso da festa.O poeta e compositor Caetano Veloso.fala do Bembé.

O discurso dos demais convidados exibidos pelo Mosaico Baiano.
,em especial Ana Rita Araújo Machado,historiadora,negra cidadã, santamarensse ,que pesquisou o Bembé.

E viva “O candomblé do Mercado“Viva o Bembé!!
Viva todos aqueles que fizeram e faz desta festa a continuidade da historia, para toda posteridade, mostrando a tradição de Fé cultura e resistência do negro de ontem do negro ao hoje
Cidadãos genuinamente brasileiros.
Em especial damos Viva tds ORIXAS,viva a mãe OXUM a YEMANJA,que espiraram aos idealizadores voduncis q fez fé com tradições cidadania
VIVA.Ao Zé de Obá !Ao Tidu do Pilar!!Ao Nôca de Jacó.!
E agradecimentos dos afrodecendentes,aos mantenedores da tradição.
A Ya mãe Donalia!A Ya mãe Belinha!A Ya mãe Lídia!Ao Pai Poty José Raimundo,Agradecendo também a todos os 30 Terreiros que participaram MaesYas,Ogans,Equedis,Yaos,apreciadores.Viva ao povo negro.
Agradecemos também a D.Zilda Paim,Maria Mutti,Ana Rita Araújo ,D.Canô e Ubiratan Castro Araújo, que enriquecem de forma oral ou acadêmica, a memória na resistência da cultura respeitando as tradições historicas.

Ass;
Josenilson Aragão Cerqueira Ney Didan,
Cidadão.compositor,negro e candomblecista.

Anúncios

Ações

Information

One response

27 05 2009
Ney Didan

Olá,boa tarde, fico feliz em ver espaços como estes, de temas tao relevantes em especial ao Povo Negro Povo marcado,onde faz brilhatimente referencia academica de um grande Dr .Ubiratan Castro de Araujo.
Aproveito o tema sem me aproveitar, de forma particular,mas se faz nessesario lucidar a ocorrencia do que esta acontecendo ,com referencia ao 13 de maio eo sentido da data em especial ao Bembé do mercado em Santo Amaro,que corre o risco de perder o sentido memorial do evento socioreligioso,para folclorizaçao e comercializaçao. de costumes.

Santo Amaro, Ba.Faz Historia no 13 de maio de 1889 no Bembé do Mercado, quando a cidade foi palco, relevante, das primeiras expressões de manifestações apos a abolição, de cunho sociocultural e religioso no Brasil,evento este proferido liturgicamente em praça publica. Ao longo dos anos o sentido real da festa,se perdeu,em alguns períodos, ficando mais no imaginário popular de forma oral aos que praticavam,e os que ouviam falar,e sem registros oficiais,provavelmente pela resistência imposta por toda uma classe social, que ainda inseridas no contesto da cidade “NAQUELA ÉPOCA “ obvio pelas elites, os brancos e capitães mestiços do mato,que não aceitavam os abolidos,como gente cidadã, marginalizando excluindo da sociedade e evidenciando o não interesse por coisa de preto, em todos segmentos,mesmo porque, ate os pro pios,brancos e negros militantes abolicionistas,da bahia não fizeram referencia da festa,como marco,exaltando o sentido da grandeza minuciosa deste evento.Por tanto, 13 de maio de 2009 foi o dia `D´ da reflexão ou do inicio de uma nova abolição, de idéias,impostas e encravadas na memória dos afro-descendentes,culturalmente colonizados, que nada sabe ainda da avalia do seu povo, e que esse evento, saibamos diagnosticar lucidamente os interesses e motivos reais de sua evidencia hoje na sociedade, depois de 120 anos, sendo reconhecida pela sociedade, que antes oprimida e esquivada o nosso Bembé,que mts anos foi sucumbida,pela historia da Bahia, á sua notoriedade e sua grandeza na historiografia brasileira,tenhamos cuidado para que a festa não se transforme nada mais, de um canal de interesses avessos ao do sentido real, e seja desviado para interesses políticos,interesses financeiros,etc.e assim seja apenas fonte de promoção para uma pequena parcela da sociedade dominante que se beneficie mais uma vez da coisas de preto,e novamente provocar-mos, equívocos históricos,perdendo nossas referencias do que á nos é de direito,a nossa cultura a nossa crença,a nossa fé,e erroneamente poderemos criar o folclore do Bembé do Mercado,pra turista ver!!! Já é chegado a hora do povo mudar, e façamos dos nossos saberes armas, contra a exclusão de nossa historia,que não deixemos folclorizar a memória á fé, do nosso povo tão sofrido mais vibrantemente cheios de axé!.Assim o tema pautado no 13 de maio 2009 foi“Qual o sentido real da Festa do Bembé“ á tão genuína e relevante,festa do Bembé do Mercado,abordado em mesa redonda,compreendida por convidados especiais,expuseram assim suas interpretações sobre a festa de 120 anos.
Veja o vídeos da festa,que revela dois entendimentos e discurso da festa.O poeta e compositor Caetano Veloso.fala do Bembé.

O discurso dos demais convidados exibidos pelo Mosaico Baiano.
,em especial Ana Rita Araújo Machado,historiadora,negra cidadã, santamarensse ,que pesquisou o Bembé.

E viva “O candomblé do Mercado“Viva o Bembé!!
Viva todos aqueles que fizeram e faz desta festa a continuidade da historia, para toda posteridade, mostrando a tradição de Fé cultura e resistência do negro de ontem do negro ao hoje
Cidadãos genuinamente brasileiros.
Em especial damos Viva tds ORIXAS,viva a mãe OXUM a YEMANJA,que espiraram aos idealizadores voduncis q fez fé com tradições cidadania
VIVA.Ao Zé de Obá !Ao Tidu do Pilar!!Ao Nôca de Jacó.!
E agradecimentos dos afrodecendentes,aos mantenedores da tradição.
A Ya mãe Donalia!A Ya mãe Belinha!A Ya mãe Lídia!Ao Pai Poty José Raimundo,Agradecendo também a todos os 30 Terreiros que participaram MaesYas,Ogans,Equedis,Yaos,apreciadores.Viva ao povo negro.
Agradecemos também a D.Zilda Paim,Maria Mutti,Ana Rita Araújo ,D.Canô e Ubiratan Castro Araújo, que enriquecem de forma oral ou acadêmica, a memória na resistência da cultura respeitando as tradições historicas.
Ass;
Josenilson Aragão Cerqueira Ney Didan,
Cidadão.compositor,negro e candomblecista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: