POVO NEGRO, POVO MARCADO

10 05 2009

1. Foram 350 anos de trabalho forçado, humilhação, de fugas, mas também de resistências, assimilações e trocas culturais ;
2. A maior leva de negros/negras escravizados de toda a América do Sul; Somos o 2º maior País negro do Planeta atrás apenas da Nigéria ;
3. A última abolição a ser declarada e oficializada no mundo dito “moderno” e em plena Revolução Industrial e posteriormente abandonados pelos que levantaram a bandeira da “liberdade”;
4. Um dos países mais racistas do planeta em face da desigualdade entre seus semelhantes e em especial, entre os oriundos da raça negra;
5. São infindáveis os mecanismos de discriminação e aviltamento da pessoa humana cometidos até hoje contra o povo negro em terras brasileiras, a contar pelos que morrem primeiro, pelos mais suspeitos, pelos que estão fora das universidades e superlotam as penitenciarias;
6. Os índices sociais e econômicos apontam para um sofrimento e um apartheid ainda fortemente presentes entre aqueles ligados a Mãe África ou os afrodescendentes;
7. O Brasil se apresenta para o mundo como uma democracia racial e talvez, por isso, seja uma das formas mais sorrateiras e maldosas de se punir os herdeiros da escravidão pela sua “liberdade” forçada pela Revolução Industrial e pelas lutas desde a colonização dos quilombolas e posteriormente abolicionistas.

O 13 de maio não é uma data comemorativa para o povo negro e seus descendentes, é verdade. Mas não podemos deixá-la passar, sem reflexão, sem discussão, sem análise da realidade presente e principalmente sem o vislumbro do que poderemos ser de melhor como fruto de nossas ações.

Como singela contribuição apresentamos uma sólida análise do Prof. Dr. Ubiratan Castro de Araújo, que a partir da realidade baiana, traça uma panorâmica dos efeitos da escravidão do ponto de vista histórico em terras brasileiras e aponta-nos alguns caminhos de reparação necessários àqueles que sofreram/sofrem um dos maiores atentados aos direitos humanos da civilização moderna e pós-moderna.

PARA LER O EXCELENTE ARTIGO DO HISTORIADOR UBIRATAN CASTRO DE ARAÚJO, CLIQUE AQUI.

negrosnegros inegros ii

O TRÁFICO DE SERES HUMANOS HOJE. CLIQUE AQUI.

OPINIÃO DO LEITOR

Olá,boa tarde, fico feliz em ver espaços como estes, de temas tao relevantes em especial ao Povo Negro Povo marcado,onde faz brilhatimente referencia academica de um grande Dr .Ubiratan Castro de Araujo.
Aproveito o tema sem me aproveitar, de forma particular,mas se faz nessesario lucidar a ocorrencia do que esta acontecendo ,com referencia ao 13 de maio eo sentido da data em especial ao Bembé do mercado em Santo Amaro,que corre o risco de perder o sentido memorial do evento socioreligioso,para folclorizaçao e comercializaçao. de costumes.
Cidadão.compositor,negro e candomblecista.
Agradecemos também a D.Zilda Paim,Maria Mutti,Ana Rita Araújo ,D.Canô e Ubiratan Castro Araújo, que enriquecem de forma oral ou acadêmica, a memória na resistência da cultura respeitando as tradições.
Ass;
Josenilson Aragão Cerqueira Ney Didan

Santo Amaro, Ba.Faz Historia no 13 de maio de 1889 no Bembé do Mercado, quando a cidade foi palco, relevante, das primeiras expressões de manifestações apos a abolição, de cunho sociocultural e religioso no Brasil,evento este proferido liturgicamente em praça publica. Ao longo dos anos o sentido real da festa,se perdeu,em alguns períodos, ficando mais no imaginário popular de forma oral aos que praticavam,e os que ouviam falar,e sem registros oficiais,provavelmente pela resistência imposta por toda uma classe social, que ainda inseridas no contesto da cidade “NAQUELA ÉPOCA “ obvio pelas elites, os brancos e capitães mestiços do mato,que não aceitavam os abolidos,como gente cidadã, marginalizando excluindo da sociedade e evidenciando o não interesse por coisa de preto, em todos segmentos,mesmo porque, ate os pro pios,brancos e negros militantes abolicionistas,da bahia não fizeram referencia da festa,como marco,exaltando o sentido da grandeza minuciosa deste
evento.Por tanto, 13 de maio de 2009 foi o dia `D´ da reflexão ou do inicio de uma nova abolição, de idéias,impostas e encravadas na memória dos afro-descendentes,culturalmente colonizados, que nada sabe ainda da avalia do seu povo, e que esse evento, saibamos diagnosticar lucidamente os interesses e motivos reais de sua evidencia hoje na sociedade, depois de 120 anos, sendo reconhecida pela sociedade, que antes oprimida e esquivada o nosso Bembé,que mts anos foi sucumbida,pela historia da Bahia, á sua notoriedade e sua grandeza na historiografia brasileira,tenhamos cuidado para que a festa não se transforme nada mais, de um canal de interesses avessos ao do sentido real, e seja desviado para interesses políticos,interesses financeiros,etc.e assim seja apenas fonte de promoção para uma pequena parcela da sociedade dominante que se beneficie mais uma vez da coisas de preto,e novamente provocar-mos, equívocos históricos,perdendo nossas referencias do que á nos é de
direito,a nossa cultura a nossa crença,a nossa fé,e erroneamente poderemos criar o folclore do Bembé do Mercado,pra turista ver!!! Já é chegado a hora do povo mudar, e façamos dos nossos saberes armas, contra a exclusão de nossa historia,que não deixemos folclorizar a memória á fé, do nosso povo tão sofrido mais vibrantemente cheios de axé!.Assim o tema pautado no 13 de maio 2009 foi“Qual o sentido real da Festa do Bembé“ á tão genuína e relevante,festa do Bembé do Mercado,abordado em mesa redonda,compreendida por convidados especiais,expuseram assim suas interpretações sobre a festa de 120 anos.
Veja o vídeos da festa,que revela dois entendimentos e discurso da festa.O poeta e compositor Caetano Veloso.fala do Bembé.

O discurso dos demais convidados exibidos pelo Mosaico Baiano.
,em especial Ana Rita Araújo Machado,historiadora,negra cidadã, santamarensse ,que pesquisou o Bembé.

E viva “O candomblé do Mercado“Viva o Bembé!!
Viva todos aqueles que fizeram e faz desta festa a continuidade da historia, para toda posteridade, mostrando a tradição de Fé cultura e resistência do negro de ontem do negro ao hoje
Cidadãos genuinamente brasileiros.
Em especial damos Viva tds ORIXAS,viva a mãe OXUM a YEMANJA,que espiraram aos idealizadores voduncis q fez fé com tradições cidadania
VIVA.Ao Zé de Obá !Ao Tidu do Pilar!!Ao Nôca de Jacó.!
E agradecimentos dos afrodecendentes,aos mantenedores da tradição.
A Ya mãe Donalia!A Ya mãe Belinha!A Ya mãe Lídia!Ao Pai Poty José Raimundo,Agradecendo também a todos os 30 Terreiros que participaram MaesYas,Ogans,Equedis,Yaos,apreciadores.Viva ao povo negro.
Agradecemos também a D.Zilda Paim,Maria Mutti,Ana Rita Araújo ,D.Canô e Ubiratan Castro Araújo, que enriquecem de forma oral ou acadêmica, a memória na resistência da cultura respeitando as tradições históricas.

Ass;
Josenilson Aragão Cerqueira Ney Didan,
Cidadão.compositor,negro e candomblecista.

Anúncios

Ações

Information

5 responses

19 05 2009
Cecilia

Olá, tudo bem? Sou a Cecília e trabalho na Edelman, que é a agência de comunicação da Jorge Zahar Editor. Excelente blog, com bastante informação irrelevante. Muitos dos temas dos posts têm sincronia com a linha editorial da Zahar. No livro “Escravidão e abolição no Brasil”, os autores fazem uma revisão completa sobre diversas obras publicadas sobre o assunto. Pode ser de interesse – http://www.zahar.com.br/catalogo_detalhe.asp?id=0138&ORDEM=A
Abraços!

27 05 2009
Ney Didan

Olá,boa tarde, fico feliz em ver espaços como estes, de temas tao relevantes em especial ao Povo Negro Povo marcado,onde faz brilhatimente referencia academica de um grande Dr .Ubiratan Castro de Araujo.
Aproveito o tema sem me aproveitar, de forma particular,mas se faz nessesario lucidar a ocorrencia do que esta acontecendo ,com referencia ao 13 de maio eo sentido da data em especial ao Bembé do mercado em Santo Amaro,que corre o risco de perder o sentido memorial do evento socioreligioso,para folclorizaçao e comercializaçao. de costumes.
Cidadão.compositor,negro e candomblecista.
Agradecemos também a D.Zilda Paim,Maria Mutti,Ana Rita Araújo ,D.Canô e Ubiratan Castro Araújo, que enriquecem de forma oral ou acadêmica, a memória na resistência da cultura respeitando as tradições.
Ass;
Josenilson Aragão Cerqueira Ney Didan
Santo Amaro, Ba.Faz Historia no 13 de maio de 1889 no Bembé do Mercado, quando a cidade foi palco, relevante, das primeiras expressões de manifestações apos a abolição, de cunho sociocultural e religioso no Brasil,evento este proferido liturgicamente em praça publica. Ao longo dos anos o sentido real da festa,se perdeu,em alguns períodos, ficando mais no imaginário popular de forma oral aos que praticavam,e os que ouviam falar,e sem registros oficiais,provavelmente pela resistência imposta por toda uma classe social, que ainda inseridas no contesto da cidade “NAQUELA ÉPOCA “ obvio pelas elites, os brancos e capitães mestiços do mato,que não aceitavam os abolidos,como gente cidadã, marginalizando excluindo da sociedade e evidenciando o não interesse por coisa de preto, em todos segmentos,mesmo porque, ate os pro pios,brancos e negros militantes abolicionistas,da bahia não fizeram referencia da festa,como marco,exaltando o sentido da grandeza minuciosa deste evento.Por tanto, 13 de maio de 2009 foi o dia `D´ da reflexão ou do inicio de uma nova abolição, de idéias,impostas e encravadas na memória dos afro-descendentes,culturalmente colonizados, que nada sabe ainda da avalia do seu povo, e que esse evento, saibamos diagnosticar lucidamente os interesses e motivos reais de sua evidencia hoje na sociedade, depois de 120 anos, sendo reconhecida pela sociedade, que antes oprimida e esquivada o nosso Bembé,que mts anos foi sucumbida,pela historia da Bahia, á sua notoriedade e sua grandeza na historiografia brasileira,tenhamos cuidado para que a festa não se transforme nada mais, de um canal de interesses avessos ao do sentido real, e seja desviado para interesses políticos,interesses financeiros,etc.e assim seja apenas fonte de promoção para uma pequena parcela da sociedade dominante que se beneficie mais uma vez da coisas de preto,e novamente provocar-mos, equívocos históricos,perdendo nossas referencias do que á nos é de direito,a nossa cultura a nossa crença,a nossa fé,e erroneamente poderemos criar o folclore do Bembé do Mercado,pra turista ver!!! Já é chegado a hora do povo mudar, e façamos dos nossos saberes armas, contra a exclusão de nossa historia,que não deixemos folclorizar a memória á fé, do nosso povo tão sofrido mais vibrantemente cheios de axé!.Assim o tema pautado no 13 de maio 2009 foi“Qual o sentido real da Festa do Bembé“ á tão genuína e relevante,festa do Bembé do Mercado,abordado em mesa redonda,compreendida por convidados especiais,expuseram assim suas interpretações sobre a festa de 120 anos.
Veja o vídeos da festa,que revela dois entendimentos e discurso da festa.O poeta e compositor Caetano Veloso.fala do Bembé.

O discurso dos demais convidados exibidos pelo Mosaico Baiano.
,em especial Ana Rita Araújo Machado,historiadora,negra cidadã, santamarensse ,que pesquisou o Bembé.

E viva “O candomblé do Mercado“Viva o Bembé!!
Viva todos aqueles que fizeram e faz desta festa a continuidade da historia, para toda posteridade, mostrando a tradição de Fé cultura e resistência do negro de ontem do negro ao hoje
Cidadãos genuinamente brasileiros.
Em especial damos Viva tds ORIXAS,viva a mãe OXUM a YEMANJA,que espiraram aos idealizadores voduncis q fez fé com tradições cidadania
VIVA.Ao Zé de Obá !Ao Tidu do Pilar!!Ao Nôca de Jacó.!
E agradecimentos dos afrodecendentes,aos mantenedores da tradição.
A Ya mãe Donalia!A Ya mãe Belinha!A Ya mãe Lídia!Ao Pai Poty José Raimundo,Agradecendo também a todos os 30 Terreiros que participaram MaesYas,Ogans,Equedis,Yaos,apreciadores.Viva ao povo negro.
Agradecemos também a D.Zilda Paim,Maria Mutti,Ana Rita Araújo ,D.Canô e Ubiratan Castro Araújo, que enriquecem de forma oral ou acadêmica, a memória na resistência da cultura respeitando as tradições historicas.
Ass;
Josenilson Aragão Cerqueira Ney Didan,
Cidadão.compositor,negro e candomblecista.

27 05 2009
Ney Didan

Olá,boa tarde, fico feliz em ver espaços como estes, de temas tao relevantes em especial ao Povo Negro Povo marcado,onde faz brilhatimente referencia academica de um grande Dr .Ubiratan Castro de Araujo.
Aproveito o tema sem me aproveitar, de forma particular,mas se faz nessesario lucidar a ocorrencia do que esta acontecendo ,com referencia ao 13 de maio eo sentido da data em especial ao Bembé do mercado em Santo Amaro,que corre o risco de perder o sentido memorial do evento socioreligioso,para folclorizaçao e comercializaçao dos costumes.

Faz Historia no 13 de maio de 1889 no Bembé do Mercado, quando a cidade foi palco, relevante, das primeiras expressões de manifestações apos a abolição, de cunho sociocultural e religioso no Brasil,evento este proferido liturgicamente em praça publica. Ao longo dos anos o sentido real da festa,se perdeu,em alguns períodos, ficando mais no imaginário popular de forma oral aos que praticavam,e os que ouviam falar,e sem registros oficiais,provavelmente pela resistência imposta por toda uma classe social, que ainda inseridas no contesto da cidade “NAQUELA ÉPOCA “ obvio pelas elites, os brancos e capitães mestiços do mato,que não aceitavam os abolidos,como gente cidadã, marginalizando excluindo da sociedade e evidenciando o não interesse por coisa de preto, em todos segmentos,mesmo porque, ate os pro pios,brancos e negros militantes abolicionistas,da bahia não fizeram referencia da festa,como marco,exaltando o sentido da grandeza minuciosa deste evento.Por tanto, 13 de maio de 2009 foi o dia `D´ da reflexão ou do inicio de uma nova abolição, de idéias,impostas e encravadas na memória dos afro-descendentes,culturalmente colonizados, que nada sabe ainda da avalia do seu povo, e que esse evento, saibamos diagnosticar lucidamente os interesses e motivos reais de sua evidencia hoje na sociedade, depois de 120 anos, sendo reconhecida pela sociedade, que antes oprimida e esquivada o nosso Bembé,que mts anos foi sucumbida,pela historia da Bahia, á sua notoriedade e sua grandeza na historiografia brasileira,tenhamos cuidado para que a festa não se transforme nada mais, de um canal de interesses avessos ao do sentido real, e seja desviado para interesses políticos,interesses financeiros,etc.e assim seja apenas fonte de promoção para uma pequena parcela da sociedade dominante que se beneficie mais uma vez da coisas de preto,e novamente provocar-mos, equívocos históricos,perdendo nossas referencias do que á nos é de direito,a nossa cultura a nossa crença,a nossa fé,e erroneamente poderemos criar o folclore do Bembé do Mercado,pra turista ver!!! Já é chegado a hora do povo mudar, e façamos dos nossos saberes armas, contra a exclusão de nossa historia,que não deixemos folclorizar a memória á fé, do nosso povo tão sofrido mais vibrantemente cheios de axé!.Assim o tema pautado no 13 de maio 2009 foi“Qual o sentido real da Festa do Bembé“ á tão genuína e relevante,festa do Bembé do Mercado,abordado em mesa redonda,compreendida por convidados especiais,expuseram assim suas interpretações sobre a festa de 120 anos.
Veja o vídeos da festa,que revela dois entendimentos e discurso da festa.O poeta e compositor Caetano Veloso.fala do Bembé.

O discurso dos demais convidados exibidos pelo Mosaico Baiano.
,em especial Ana Rita Araújo Machado,historiadora,negra cidadã, santamarensse ,que pesquisou o Bembé.

E viva “O candomblé do Mercado“Viva o Bembé!!
Viva todos aqueles que fizeram e faz desta festa a continuidade da historia, para toda posteridade, mostrando a tradição de Fé cultura e resistência do negro de ontem do negro ao hoje
Cidadãos genuinamente brasileiros.
Em especial damos Viva tds ORIXAS,viva a mãe OXUM a YEMANJA,que espiraram aos idealizadores voduncis q fez fé com tradições cidadania
VIVA.Ao Zé de Obá !Ao Tidu do Pilar!!Ao Nôca de Jacó.!
E agradecimentos dos afrodecendentes,aos mantenedores da tradição.
A Ya mãe Donalia!A Ya mãe Belinha!A Ya mãe Lídia!Ao Pai Poty José Raimundo,Agradecendo também a todos os 30 Terreiros que participaram MaesYas,Ogans,Equedis,Yaos,apreciadores.Viva ao povo negro.
Agradecemos também a D.Zilda Paim,Maria Mutti,Ana Rita Araújo ,D.Canô e Ubiratan Castro Araújo, que enriquecem de forma oral ou acadêmica, a memória na resistência da cultura respeitando as tradições historicas.
Ass;
Josenilson Aragão Cerqueira Ney Didan,
Cidadão.compositor,negro e candomblecista.

28 06 2009
José Higino

Deixo o link de um interessantissimo blog do professor Ubiratan.

ubiratangeo.blogspot.com

16 03 2010
Maria Aparecida

Parabéns pela iniciativa de deixar aberto um espaço tão importante como este.

Viva a Cultura Negra no Brasil X Mãe Africa, Salve o Povo Brasileiro

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: