COMO SE CRIA UM DEUS ÚNICO

moises10mandamentos
MOISÉS RECEBE OS DEZ MANDAMENTOS DE JAVÉ

Javé: A invenção de Deus

Há aproximadamente 4 mil anos, a idéia de um Deus único e poderoso mudou a história do mundo. Saiba, enfim, como foi criada a idéia do criador
por Rodrigo Cavalcante
O todo-poderoso deus do Sol Amon-Rá, um dos criadores do mundo no antigo Egito, não passa hoje de mera curiosidade arqueológica. O mesmo fim levaram outros deuses egípcios, como Osíris e sua mulher Ísis. Tiamat e Apsu, deuses da criação na Mesopotâmia, também foram relegados ao ostracismo. Zurvan, o deus do tempo na Pérsia antiga, não conseguiu acompanhar o passar dos séculos com a mesma força. E os grandes deuses gregos e romanos, como Zeus (Júpiter, para os romanos), Afrodite (Vênus) e Apolo (Marte), apesar de gozarem ainda de status literário e mitológico no Ocidente, não são levados mais a sério como divindades – a não ser em episódios de desenhos animados como Os Superamigos, onde ainda são invocados por personagens como o Super-Homem, a Mulher-Maravilha e outros membros da Sala de Justiça.
Esse, definitivamente, não é o caso de Javé. O deus bíblico criador do céu e da terra segundo o Gênesis continua reinando absoluto para mais de 3 bilhões de judeus, cristãos e muçulmanos (ainda que estes últimos o chamem de Alá). Mesmo que você seja ateu, Javé continua moldando boa parte de sua vida. Afinal, a imagem de um ser todo-poderoso, masculino, onipotente, pai, permeia a cultura, o comportamento e a ética do Ocidente. Mas como a idéia de um único deus, cultuado inicialmente por pequenas tribos do Oriente Médio, viria a mudar a história do planeta? Como Javé superou os deuses dos maiores impérios da Antiguidade?
Deuses e Deus
Apesar de ninguém saber ao certo o momento em que os homens passaram a cultuar deuses, a maioria dos arqueólogos e antropólogos concorda que esse é um traço comum de todas as civilizações. Como escreveu a historiadora das religiões Karen Armstrong em seu livro Uma História de Deus, “parece que criar deuses é uma coisa que os seres humanos sempre fizeram. E, quando uma idéia religiosa deixa de funcionar para eles, simplesmente a substituem”.
As primeiras imagens de deuses esculpidas em pedras há mais de 10 mil anos na Europa, no Oriente Médio e na Índia em nada se parecem, contudo, com o velho barbudo e musculoso dos afrescos que Michelangelo pintou na Renascença. São imagens de mulheres nuas, gordas, grávidas e de seios fartos que simbolizavam a fertilidade – algo natural, segundo os arqueólogos, numa época em que a agricultura estava se desenvolvendo. Com o tempo, essa deusa mãe da fertilidade ganharia vários nomes: Inana na antiga Suméria, Ishtar na Babilônia, Anat em Canaã, Ísis no Egito e Afrodite na Grécia. E quase sempre dividia lugar com outros deuses.
Na Grécia antiga, espécie de matriz do mundo ocidental, mais de uma dezena de deuses eram cultuados pelos cidadãos. Nenhum deles, contudo – incluindo o poderoso Zeus – era tão gigante, distante e sobrenatural como o deus da Bíblia. Para os gregos, os deuses não eram figuras imaculadas e perfeitas, mas apenas uma das “três raças” que habitavam o mundo, ao lado dos animais e dos homens. “Eles eram espécies de super-homens com qualidades e defeitos bem semelhantes aos nossos. Com a diferença, é claro, de que eram imortais”, diz o historiador e arqueólogo Pedro Paulo Funari, da Universidade Estadual de Campinas. Até mesmo a morada deles em nada se assemelha ao céu sobrenatural do deus bíblico. Para os gregos, ao menos 12 desses deuses viviam no monte Olimpo, uma montanha de verdade localizada na Grécia, com quase 3 mil metros de altitude.
E, por estarem mais próximos dos homens, a relação dos gregos com os deuses era semelhante à relação de alguns católicos com seus santos de preferência. Cada um deles tinha um papel bem definido e as oferendas seguiam a lógica das promessas: em troca de ofertas ao seu deus predileto, os devotos esperavam que sua parte no pacto fosse cumprida. Quando isso não acontecia, era comum que os deuses fossem criticados abertamente – assim como um empregado critica seu patrão por não ter retribuído seu esforço.
Adotados pelos romanos com outros nomes, esses deuses da Grécia logo se tornaram parte do ritual cívico do novo império que não parava de se expandir. Como os deuses não eram entidades imaculadas – e sim um tipo de homens superpotentes –, era comum atribuir a alguns imperadores (as pessoas mais poderosas à época) uma origem divina. Na prática, os rituais da administração pública costumavam se mesclar às cerimônias religiosas.
Mas, desde que os povos dominados pelos romanos que seguissem outras religiões pagassem seus impostos e não desafiassem o comando romano, seus cidadãos tinham o direito de seguir os deuses de sua preferência. Quando os romanos conquistaram a região que hoje faz parte de Israel, no século 1 a.C., eles inicialmente não fizeram muito caso com o culto dos judeus a um deus único no Templo de Jerusalém. Naquele tempo, ninguém podia ainda imaginar que o deus dos judeus seria levado, quatro séculos depois, para o centro do maior império do Ocidente.
Mas que deus era esse?
Deus tribal
Segundo as Escrituras, o pacto entre os judeus e Javé teria começado com um homem chamado Abraão, há cerca de 4 mil anos. Conta a tradição que ele foi chamado por Deus para deixar a cidade de Ur, na Mesopotâmia (atual Iraque), para fundar uma nova nação em uma terra desconhecida. Mais tarde, essa terra prometida seria chamada de Canaã. Ao obedecer e firmar uma aliança com esse deus único, Abraão recebeu a promessa de que sua “semente” iria prosperar por toda a Terra.
O deus que aparecera para Abraão é completamente diferente dos deuses gregos e romanos. Ele não compartilhava da condição humana e se colocava na posição onipotente de poder fazer qualquer exigência que quisesse. Qualquer uma mesmo. No caso de Abraão, por exemplo, Javé ordenou que seu filho Isaac fosse sacrificado pelo próprio pai como prova de sua fé. O resto da história é conhecida: no momento em que Abraão já estava com a faca em punho, Javé recuou do pedido e disse que tudo não passara de um teste.
Por isso mesmo, quem lê o Antigo Testamento (o Pentateuco, para os judeus) sabe que Javé não guarda semelhanças com o pai dócil ou amoroso que mais tarde o cristianismo iria propagar. “É um deus brutal, parcial e assassino: um deus de guerra, que seria conhecido como Javé Sabaoth, Deus dos Exércitos”, escreveu a historiadora Karen Armstrong. “É passionalmente partidário, tem pouca misericórdia pelos não favoritos, uma simples divindade tribal.”
Prova disso seriam as passagens como a que Javé manda pragas aos egípcios. Em outras, Javé se mostra até arrependido de sua criação, como quando ordenou a morte por afogamento de toda a humanidade por meio do dilúvio do qual só escapou a família de Noé e os animais que ele pôs em sua arca – isso antes ainda da aliança feita com Abraão.
Durante essa fase, Javé parece mais preocupado em ameaçar a raça humana para que ela não se desvie de suas instruções. Talvez seja por isso que o pacto de Abraão precisou ser reforçado por outros patriarcas. Caso de Moisés, para quem Deus preferiu escrever diretamente seus mandamentos nas tábuas do profeta, não deixando dúvidas sobre suas intenções.
O fato é que, quando os romanos chegaram a Israel, o deus do Templo de Jerusalém parecia muito mais rigoroso e cheio de exigências que os deuses gregos. Mesmo para os romanos, que admiravam a tradição judaica pela consistência de suas escrituras, a conversão àquele deus era uma tarefa nada fácil. “Como era necessário seguir uma série de regras, que iam da alimentação à circuncisão, poucos romanos eram atraídos para o judaísmo”, afirma o historiador André Chevitarese, professor de História Antiga da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Até que, no século 1, o advento de uma nova seita dentro do judaísmo iria tornar Javé popular muito além das fronteiras de Israel.
Deus cristão
A nova corrente judaica defendia que Jesus de Nazaré, o galileu que acabara de ser crucificado pelos romanos, era o messias enviado por Javé para cumprir as profecias das escrituras. Não seria exagero dizer que, inicialmente, o cristianismo não passava de uma corrente judaica – ou melhor, uma ala do judaísmo, assim como um partido político tem alas que nem sempre estão afinadas com a presidência. É então que surge uma questão decisiva para o futuro de Jesus e do deus Javé. A pergunta-chave era: os convertidos ao cristianismo que não seguiam os tradicionais rituais judaicos (como a circuncisão) poderiam ser salvos?
Esse foi um dos principais temas discutidos pelos cristãos numa assembléia realizada por volta do ano 49 d.C., mais tarde conhecida pelo nome de Concílio de Jerusalém. Como diz o historiador Paul Johnson em seu livro História do Cristianismo, o tal concílio foi o primeiro ato político da história da Igreja. É aí que surge uma figura decisiva para a expansão do cristianismo e, por tabela, da crença do deus único Javé.
O nome dele era Paulo de Tarso, um homem cosmopolita recém-convertido, para quem os traços judaicos do cristianismo estavam arruinando seu trabalho de arrebanhamento de novos cristãos. Como provavelmente falava grego muito bem e era um dos poucos cristãos que conheciam diversas províncias do Império Romano, ele devia ter consciência das dificuldades que seu trabalho teria caso tivesse que obrigar os gentios a seguirem as práticas judaicas, principalmente a circuncisão. Para a maioria dos historiadores da religião, se as idéias de Paulo fossem censuradas no Concílio de Jerusalém, talvez o cristianismo permanecesse apenas como mais uma seita judaica, sem conseguir jamais a autonomia responsável pela sua expansão.
Mas a idéia central de Paulo, resumida na frase de que o verdadeiro cristão se justifica pela fé “e não pelos trabalhos da lei”, prevaleceu. Os gentios podiam agora se converter sem tantos empecilhos e o cristianismo ganhou novas fronteiras. “Paulo ajudou a tirar de Jesus a imagem de um messias para o povo hebreu, transformando-o num salvador de todos os povos”, diz Chevitarese. Com isso, o deus Javé também deixou de ser um fenômeno regional, ligado apenas ao povo hebreu, para ganhar caráter universal.
Quando, no ano 313, o imperador romano Constantino instruiu os governadores das províncias dominadas por Roma a dar completa tolerância aos cristãos, revogando todos os decretos anticristãos do passado, o cristianismo deu um passo decisivo para se tornar, em seguida, o credo oficial do império.
Com a expansão da nova fé, o deus “carrancudo” ganhou uma face completamente diferente, ao menos para os cristãos. De certa forma, a crucificação de Jesus foi vista como o momento em que Javé sentiu na pele o que é ser humano. Se, no passado, foi Deus que pediu a Abraão que sacrificasse seu filho como prova de sua fé, o cristianismo invertia essa lógica: agora era o próprio Javé que tivera o filho sacrificado como prova de amor. Mesmo as mensagens atribuídas a Jesus nos Evangelhos parecem ressaltar mais o amor divino que a lei divina. “Apesar de não ser correta a idéia de que o cristianismo promovera um rompimento total com a tradição judaica, é inegável que a figura de Cristo passa a imagem de um deus bem mais marcadamente amoroso que no passado”, diz Luiz Felipe Pondé, filósofo e professor de Teologia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. “Na tradição judaica, em que Jesus viveu, estava muito claro que o homem devia temer a Deus acima de tudo. Com Jesus, a mensagem passa a ser amar a Deus acima de tudo.”
Deus do Islã
Para os muçulmanos, o acordo firmado entre Javé e Abraão renovou-se e foi ampliado no século 7, quando o mercador Muhammad (em português, Maomé) teria recebido as revelações de Deus (agora, Alá) por meio do anjo Gabriel (para eles, Jibril) – desta feita, em língua árabe. Mais tarde, as revelações foram reunidas no livro sagrado do Islã: o Alcorão (ou recitação, em árabe).
A nova revelação do deus dos judeus e dos cristãos vinha preencher um vazio religioso que há muito perturbava os povos da Arábia. Até então, a região também era um centro de santuários de culto a diversas divindades. O mais importante desses locais sagrados, em Meca, era a Caaba (que significa “cubo”), e seu objeto especial de veneração era uma pedra preta, fragmento de um meteoro. “Pedras desse tipo eram adoradas pelos árabes nesse tempo em diversas regiões”, escreveu o francês Maxime Rodinson na biografia Mahomet, ainda sem tradução no Brasil. Ao lado da pedra, havia representações de diversas deusas, e o santuário era uma espécie de parada obrigatória entre os mercadores da região.
Mesmo assim, como escreveu a historiadora Karen Armstrong na biografia Maomé, boa parte dos árabes sentia-se um tanto renegada por nunca ter recebido uma mensagem direta e explícita de um único deus, como as revelações contidas nas sofisticadas escrituras judaicas e nos evangelhos. Por conhecerem as tradições tanto do judaísmo quanto do cristianismo, eles acreditavam que já era hora de Deus enviar um profeta com uma revelação exclusiva para os árabes. As mensagens recebidas por Maomé foram vistas como o momento em que isso aconteceu.
Para os muçulmanos, as mensagens de Deus contidas no Antigo e no Novo Testamento foram revistas e ampliadas com o Alcorão, que deve ser consultado no lugar das revelações anteriores. No livro sagrado do Islã, o deus de Abraão volta a ser bem mais específico nos seus mandamentos que as parábolas atribuídas a Jesus nos evangelhos. Nesse quesito, Alá se torna bem mais próximo do deus da Lei do Antigo Testamento (a Torá dos judeus). Entre os 6326 versículos do Alcorão, há desde instruções para o casamento até regras sobre como o governante deve agir na cobrança de impostos.
É provável que esse grau de detalhamento das instruções de Deus seja fruto do momento em que Maomé recebera as revelações. Alá, afinal, transmitiu seus novos mandamentos na época em que o profeta erguia um estado em Meca. A nova palavra de Deus, contudo, foi tão forte que os seguidores do Islã terminaram construindo um império. Pouco mais de 100 anos após a morte do profeta, seus seguidores levaram a mensagem do deus único para a África e para locais distantes no Oriente, como o Afeganistão e o Paquistão.
A expansão do Islã no último milênio – assim como a do cristianismo – fez com que o deus de Abraão não apenas vencesse a batalha com os outros deuses como também sobrevivesse a um poderoso inimigo: o mundo científico contemporâneo. Em um tempo em que a narrativa da criação está mais para a explosão caótica do Big Bang do que para o relato do Gênesis, ser ateu continua tão impopular que, como diz o cientista britânico (e ateu) Richard Dawkings, autor de Deus, um Delírio, os homossexuais parecem ter bem mais facilidade para “sair do armário” que os ateus. Quatro mil anos depois, o velho Javé continua em forma.
“Vou enviar o dilúvio, as águas, sobre a Terra, para exterminar de debaixo do céu toda carne que tiver sopro de vida, tudo o que há na terra deve parecer”
(Antigo testamento, Gênisis 6:2)
“Toma teu filho, teu único que amas, Isaac, e vai a terra de Moriá, e lá o oferecerás em holocausto sobre uma montanha que eu te indicarei”
(Toma, Gênisis 22:2)
“Pois Deus amou tanto o mundo, que entregou seu filho único, para que todo o que nele crê não pareça, mas tenha vida eterna.”
(Novo Testamento, João 3:16)
“Todos que crêem em Allah, no Dia do Juízo final e praticam o bem receberão a sua recompensa do seu Senhor.”
(Alcorão, Sura 2:16)

Tudo ou nada
Para os hindus, há vários deuses. Para os budistas, eles são mortais
Por muito tempo, a passagem do politeísmo (culto a vários deuses) para o monoteísmo (a idéia de um único deus) foi vista por filósofos e historiadores como uma espécie de evolução, um marco na transição de sociedades mais primitivas para outras mais avançadas. Hoje, os pesquisadores reconhecem que há uma boa dose de preconceito nessa concepção, já que não há como provar que a crença em vários deuses antecedeu a crença em um único. Até porque ainda hoje muitas religiões no mundo permanecem cultuando diversos deuses. Caso do hinduísmo, que conta com centenas de divindades e é seguido por mais de 745 milhões de pessoas no mundo, a maioria na Índia. Na mesma Índia, nasceu outra religião no século 4 a.C. que ganhou o mundo sem pregar que a salvação da alma depende do culto a um ou mais deuses: o budismo. De acordo com os ensinamentos de Sidarta Gautama, o jovem rico que abandonou sua casa e teria atingido a iluminação, tornando-se o Buda, a libertação de todo o sofrimento não está garantida nem mesmo para os deuses e semideuses, categorias superiores à dos humanos. Segundo o budismo, qualquer um pode, desde que tenha mérito espiritual, entrar no mundo dos deuses. Mas o conforto lá em cima não seria eterno, já que os próprios deuses também estariam submetidos ao ciclo de renascimento e morte do samsara, espécie de roda viva que aprisiona todos os seres. Para atingir a iluminação e se libertar do samsara, o budismo prega que seus seguidores orem não a um deus específico, e sim aos guias espirituais, os bodisatvas – seres que já atingiram a iluminação e retornaram ao samsara apenas para ajudar outros a se libertarem das obstruções para chegar lá.
Homem solteiro, velho e poderoso
Por que Deus é sempre visto dessa forma?
Sua feição e os cabelos grisalhos revelam que ele deve ter mais de 60 anos. Seu corpo, apesar de robusto, preserva os músculos de um homem que o usou para trabalhar, seja construindo algo, seja lutando como um guerreiro. Embora não tenha uma esposa, quase nunca está só. Vive cercado de anjos que o acompanham como executivos seguindo o diretor numa visita à filial da empresa. Apesar de forte, consegue o que quer com o mínimo de esforço físico. Um simples levantar de dedo ou uma mudança de semblante pode decidir o destino do mundo. Sem dúvida, ele tem muito poder. O deus pintado por Michelangelo no teto da Capela Sistina, no Vaticano, não é popular por acaso. Seu gênio artístico revela toda a força, poder, onipotência e masculinidade do Javé bíblico. Mas por que Javé é sempre representado como um homem? “Mesmo que os monoteístas insistissem que seu deus transcendia o gênero sexual, ele iria permanecer essencialmente masculino”, escreveu a historiadora das religiões Karen Armstrong. “Em parte, isso se devia às origens dele com um deus da guerra tribal.” Há cerca de 4 mil anos, quando a figura de Javé foi ganhando suas feições, as mulheres começariam a ser vistas nos impérios da Antiguidade como pessoas de segunda classe. O advento das cidades, assim, fez com que a força marcial e física superasse as qualidades femininas. Como resultado, as antigas deusas da fertilidade veneradas por milhares de anos na Europa e no Oriente foram desbancadas pela força bruta de Javé. Desde então, masculinidade e poder andam juntos.
Saiba mais
Livros
• Uma História de Deus, Karen Armstrong, Companhia das Letras, 1994
Trajetória de quatro milênios de Deus sob a ótica do judaísmo, do cristianismo e do islamismo.
• História da Vida Privada 1, org. Philippe Áries e Georges Duby, Companhia das Letras, 1993
Um belo panorama sobre o papel da religião e dos deuses no cotidiano da Roma antiga.
• Mitologia e Religião na Grécia Antiga, Jean-Pierre Vernant, Martins Fontes, 2006
Breve e clássico ensaio sobre o papel dos deuses na Grécia.
• Deus, Uma Biografia, Jack Miles, Companhia das Letras, 2002
Uma das melhores análises de Deus do ponto de vista da literatura.

Fonte: Aventuras na História. Clique aqui.

8 responses

25 10 2009
28 12 2011
RICARDO DA SILVA

Me desulpe, pela minha observação! Mas essa tese levantada sobre Deus está me parecendo mais uma briga Cientifica e de genero. Se Deus é uma figura inventada, porque vc se sente diminuida pelo fato de Deus ser Homem e ter dado ao Homem toda prioridade e preferencia !?

Talvez se Deus fosse mulher e desse prioridade a mulher, vc acreditaria não??

28 12 2011
Valberto Silva

Acreditar ou deixar de acreditar em um deus so pelo fato dele ser macho ou femea não tem nada haver, ate pq essa feiçoes são caracteristicas meramente socio-culturais…

27 01 2012
Viliano Lopes

eu creio. se vc n quiser, td bem. mas deus existe. seja masculino ou feminino

21 03 2012
Vinicius

Gostei, mas poderia ter sido um pouco mais detalhista e tal, acho que ficou muito resumido, mesmo para uma introdução ao assunto.
O que me revolta é que vc escreceu um texto que deve ter dado bastante trabalho para ser feito e no final as pessoas não lêem nada, só falam como se o seu argumento se resumisse a questão homem e mulher…
Putz é por isso que parei de tentar argumentar com crentes(detodasasreligiões).

7 10 2012
Jair Da Silva

Gostei muito. Entendo, porém, que certas aparições de Javé deveriam ser correlacionada com os Astronautas do Passado, haja vista que ele sempre apareceu e morou em lugares, que mais pareciam um lugar de pouso de naves, bem como pelo fato de sua imortalidade. Não aparece, O Deus Javé, se não for como apareceu para Moisés ou de forma semelhante.

3 01 2013
juraci santos

Muito interessante esta tese,mas para mim o unico DEUS é o criador de tudo, os demais deuses desde os antigos como Moisés, Davi, Maomé, Budas, Jesus , etc não passa de invençao criada pelo próprio homem ..

26 01 2014
ALBERTO BRAYNER - RECIFE - PE.

O DEUS ÚNICO, UMA INVENÇÃO HUMANA TÃO SOMENTE A EXPLICAR FENÔMENOS DA NATUREZA NA ÉPOCA INEXPLICÁVEIS.CONTINUAMOS A NOMEAR SANTOS E DEUSES, CREIAM. A LUTA DOS SACERDOTES NA ANTIGUIDADE PELO PODER A DEFENDER CADA DEUS.”FICOU MAIS BARATO ACEITAR UM ÚNICO DEUS” E MENOS CONFLITOS, CESSARAM LUTAS INGLÓRIAS. – A “CRIATURA CRIOU O CRIADOR”. CLARO! O INICIO DE TUDO É O POLITEÍSMO E DEPOIS AMENOPHIS IV – EGITO SENTENCIOU UM ÚNICO DEUS.”ATON” (SOL) PRIMEIRO E DEPOIS “AMON” (RIO NILO). OS DEMAIS DEUSES FORAM REDUZIDOS OU EXTINTOS AOS POUCOS, MAS… RESISTEM ATÉ HOJE NA ERA MODERNA. – DEUS EXISTE? SIM! É UMA ENERGIA, O IMPONDERÁVEL E PONTO DE INTERROGAÇÕES E CONSULTAS DO HUMANO SEM OU COM CULTURA E DESVIADO DO PODER MENTAL QUE TODOS POSSUEM. – DEUS EXISTE, SIM! O BÍBLICO ESTÁ EM FASE TERMINAL PARA UM ENTENDIMENTO SUPERIOR. BASTA DE ASNEIRAS E HISTÓRIAS MAU CONTADAS QUANDO A CIÊNCIA AVANÇA. NO BRASIL AS IGREJAS ME DÁ UM DINHEIRO AI, ENCHEM OS BOLSOS… ILUDINDO INCAUTOS, MAS AO MESMO TEMPO CONFORTANDO OS ILETRADOS. – SOMOS SERES AUTOCRATAS E O ÚNICO ANIMAL PROVIDO DE INTELECTO.- DO OUTRO LADO… UM DEUS QUE INVENTOU O DIABO? ENTÃO, “ESTAVA MUITO MAU INTENCIONADO”. BANALIDADES QUE AGORA TENDEM A SER ESCLARECIDAS. UM DEUS QUE METE MEDOS? SOMOS BIPOLARES, “CERTO/ERRADO” – “NEGATIVO-POSITIVO”…UM DEUS QUE DEIXOU SEU FILHO MORRER? UM DEUS QUE DEIXA UMA CRIANCINHA NASCER CANCEROSA, MUTILADA? TUDO INVENCIONICE HUMANA.TUDO DE BOM É ELE, O DEUS ÚNICO! QUE O MAU É DA PESSOA OU DE CRENTES “NELE” A PERPETRAR O MAU TAMBÉM TEM ESSES E SÃO ACOLHIDOS? ORA… ORA! . GUERRAS, MATANÇAS, E ATÉ FURACÕES, BASTA.DE ASNEIRAS.. – BASTA!. ENTREMOS NOUTRA ÉPOCA DE UM MELHOR ENTENDIMENTO E EDUCAÇÃO ESPIRITUAL. DEUS EXISTE SIM! POLITEÍSTA, MONOTEÍSTA. SEJA VOCÊ O BOM, O DIGNO E SIGA NORMAS SOCIAIS DE CIVILIDADE, AMOR, JUSTIÇA, E MELHOR ENTENDIMENTO SOBRE ESPIRITUALIDADE. NÃO TEM POR QUE DUVIDAR DE JESUS, ABRAÃO, MOISÉS. ACABEMOS COM ESSAS LUTAS SOBRE PODER RELIGIOSO. UM ABSURDO. HUMANOS CONTRA HUMANOS! – SEJAMOS EDUCADOS E DEUS OU SEJA QUEM VC QUEIRA CHAMAR ESTARÁ AO SEU LADO. “ATÉ UM CANALHA, OU ASSASSINO SE ESPELHA EM DEUS”? ENTÃO? SOMOS FILHOS DE DEUS? ASSIM NÃO! MAS É VERDADE! ALGO ESTÁ MUITO ERRADO E A SAÍDA É ESTUDAR! ESTUDEMOS O PODER DA MENTE POR EXEMPLO! NÃO TEM NADA COM ESPIRITUALIDADE. TENTEMOS COMPREENDER O QUE NÃO HÁ INTERESSE DE SER ESCRITO OU FALADO POR NENHUMA IGREJA, RELIGIÃO OU SEITA. VERDADE? “DEUS – É SIM, UMA CRIAÇÃO DA CRIATURA”. CREIAM, ESTUDEM.. ESTUDEMOS MUITO MAIS E NOS DESAPEGUEMOS DOS MEDOS E ESTUDEMOS A LUZ DA PAZ E DO ENTENDIMENTO HUMANO TÃO DILAPIDADO POR .APROVEITADORES INFAMES DE TODAS AS RELIGIÕES E A BRIGA PELO MELHOR DE CADA UMA RELIGIÃO, TODAS TÃO ERRADAS.- PAZ NO ISLÃ, NOS ENSINAMENTOS RÚSTICOS DO TORÁ, NO CRISTIANISMO QUE MATOU A TANTOS. A SANTA INQUISIÇÃO CATÓLICA, LADRÕES, ASSASSINOS E PERVERTIDOS EM NOME DE DEUS? EVANGÉLICOS (? Ladrões DE RIQUEZAS? SIM SOMOS CARENTES E INCULTOS SEM FIRMEZAS ESPIRITUAIS, EIS O MISTÉRIO E SEM NINGUÉM A FALAR O QUE PODE SER IMPORTANTE PARA MUDANÇA EM NOSSA FÉ, CRENÇA E RESPEITO RELIGIOSO) TODOS A TOMAR DINHEIRO EM NOME DE DEUS? QUE ABSURDO, ASSASSINOS EM NOME DE DEUS E TUDO BEM? – ENFIM, A VERDADE ABSOLUTA ESTARÁ QUANDO TODOS ENTENDEREM QUE DEUS É CADA UM DE NÓS A PRATICAR O BEM. DEUS, A CRIATURA CRIOU O CRIADOR! SIM!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: