ORIGEM DA DISCÓRDIA ENTRE ÁRABES E JUDEUS

Irmãos de sangue e parceiros no ódio, árabes e judeus
digladiam-se na Terra Santa desde o final do século XIX. É um
trágico e visceral embate que tem tudo para acabar mal

No olho da rua: Abraão obedece Sara e expulsa Agar e o pequeno Ismael de sua morada; começava a saga do povo árabe

Reza o Velho Testamento que Abraão recebeu de Deus, por volta dos 75 anos de idade, o chamado para se mudar de mala e cuia para os rincões de Canaã, com a promessa de que seus descendentes dariam origem ali a uma grande nação. Dez anos depois, porém, já estabelecido na nova terra, o longevo migrante ainda não havia conseguido gerar a tão esperada prole. Sara, a esposa, o instigou a desposar sua serva, a egípcia Agar, para fazer valer o desígnio divino – união que produziu o menino Ismael. Quando o rapagote completava seu 13º aniversário, Abraão, já com 99 anos, teve outro encontro com Deus, que reiterou a promessa feita anteriormente e garantiu que a posteridade de Abraão sairia das entranhas de Sara. Dito e feito: no ano seguinte veio ao mundo Isaac, filho do centenário porém fecundo patriarca.

Na festa de apresentação de Isaac, contudo, Sara viu o primogênito zombando do caçula, e ordenou ao marido que expulsasse Agar e Ismael de seus domínios. A idéia de desterrar o sangue do seu sangue não agradou a Abraão, que apenas levou a cabo a ação por ter a garantia de Deus que seu filho com a escrava também teria um destino fabuloso, iniciando outra grande nação. Assim, fornecendo um pão e um odre de água a Agar e Ismael, o patriarca mostrou-lhes o caminho da rua logo na manhã seguinte. Ambos erraram por algum tempo pelo deserto da Bersabéia, até que Ismael se fixou no deserto da Arábia, produzindo doze filhos – as doze tribos ismaelitas, ancestrais do povo árabe. Do outro lado da família, em Canaã, seu irmão Isaac teve como prole Esaú e Jacó. Os doze herdeiros deste último (rebatizado mais tarde de Israel) compuseram as doze tribos que deram origem ao povo hebreu.

A primeira ‘Aliyah’, no século passado:uma longa marcha rumo à Terra Santa
Milênios depois da desavença fundadora entre árabes e judeus, a cizânia entre irmãos voltou a explodir de forma figadal na Palestina, território que engloba a terra mitologicamente prometida por Deus a Abraão. O cenário bélico que hoje se vê no recém proclamado estado de Israel é resultado de uma série de conflitos que remontam ao terceiro quarto do século passado, quando a ideologia sionista, que defendia a criação de um estado judeu independente na Palestina, começou a se propagar pelo mundo e levar os judeus em comboio de volta para o Oriente Médio. Por volta de 1880, antes mesmo que Theodore Herzl organizasse as idéias sionistas em livros e congressos, os primeiros imigrantes já desembarcavam na Palestina, então uma província do Império Otomano, na primeira das muitas ondas de imigração hebraica – movimentos conhecidos como Aliyah, ou “ascensão”.

Com elas, em pouco mais de 30 anos, o número de judeus na Palestina quase quadruplicou: de 24.000 em 1881 para 85.000 em 1914. A maioria desses pioneiros chegava em fuga do império russo, onde reinavam o anti-semitismo e os temíveis pogroms, ataques praticamente oficializados contra as minorias. Os imigrantes judeus se enraizaram no Oriente Médio em comunidades agrícolas, em terrenos comprados de senhores de terras otomanos e árabes. Mesmo estabelecida de forma legal, a presença dos pioneiros causou desde o primeiro dia uma tensão latente entre judeus e árabes palestinos. Assaltos destes últimos contra assentamentos hebreus levaram seus líderes a montar, por volta de 1910, uma força de defesa, batizada Hashomer (guardiões), que viria a ser o embrião do exército judeu.

O ápice das hostilidades – Com a eclosão da Grande Guerra, em agosto de 1914, milhares de árabes e judeus, colocando-se do lado das forças aliadas, pegaram em armas na esperança de que o domínio otomano na Palestina chegasse ao fim. O clima beligerante fortaleceu o sentimento nacionalista dos árabes, que ganhou ainda mais corpo depois da ira generalizada que se sucedeu ao anúncio da Declaração de Balfour, em 1917 – na qual a Grã-Bretanha afirmava estar pronta para apoiar a criação do estado judeu na Palestina, possibilidade jamais admitida pelos árabes. Com o fim da guerra e a concessão do mandato na Palestina à potência européia, uma escalada de violência tomou conta da região, para desespero dos súditos da rainha, perdidos em meio ao fogo cruzado entre os locais. Ataques de árabes a judeus, como o de Nabi Musa, na Cidade Velha de Jerusalém, em 1920, ou em Jaffa, no ano seguinte, ou ainda no chamado massacre de Hebron, em 1929, terminavam com dezenas de mortos e feridos.

Os imigrantes judeus no navio ‘Exodus’: barrados pelos britânicos na Palestina
Mesmo com as restrições da Grã-Bretanha à entrada de judeus na Palestina, oficializada gradativamente nos diversos Livros Brancos (políticas que limitavam a imigração), o plano sionista de montar seu estado não arrefeceu – pelo contrário. Em compensação, na mesma medida seguiram as campanhas árabes, insufladas por líderes religiosos como o Grande Mufti de Jerusalém e milícias como a Mão Negra. Eram respondidas à altura por ataques de grupos armados judeus, notadamente o Irgun. As hostilidades alcançaram seu ápice na chamada Revolta Árabe na Palestina, iniciada em 1936. Os revoltosos queriam a evacuação dos britânicos, eleições imediatas e o fim da imigração judaica. A violência levou à formação da Comissão Peel, que, ao final de um ano de deliberações, recomendou a partilha da Palestina.

O plano, no entanto, foi recusado pelo governo bretão e pelos árabes, e a onda de combates, que havia diminuído, recrudesceu até 1939, quando a revolta foi encerrada por seus líderes sem atingir seu objetivo. Apesar disso, seus mentores consideraram que o movimento teve como mérito fortalecer a identidade árabe-palestina – contra, obviamente, os inimigos comuns (britânicos e judeus). Desde então, a violência entre os antagonistas tem sido incessante. Ataques-surpresa de ambas as partes (não raro covardes, vitimando populações civis) vêm ocorrendo em ritmo espantoso desde o início desta década.

Não houve pausa nem mesmo durante a eclosão da II Grande Guerra, travada entre os Aliados e o Eixo – que representou, em meio à escaramuça na Palestina, um novo fardo para os judeus, atormentados pelos horrores nazistas e sua infausta “solução final”. Agora, com a definitiva saída de cena da Grã-Bretanha e a proclamação do estado de Israel, árabes palestinos e judeus engalfinham-se de frente, sem intermediários, em um bate-barba consangüíneo como não se via havia muito tempo. Um choque de ódio que remonta, mais do que ao litígio entre Ismael e Isaac, ao serpentífero confronto de uma outra dupla de irmãos, Caim e Abel. Que esta história tenha um final diferente.
PARA LER MAIS, CLIQUE AQUI.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: