REGRAS DA ABNT

1
UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS – UNISINOS
BIBLIOTECA DA UNISINOS
Guia para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
(artigo, dissertação, projeto, trabalho de conclusão de curso e tese)
São Leopoldo
2009
BIBLIOTECA DA UNISINOS
Guia para Elaboração de Trabalhos Acadêmicos
(artigo, dissertação, projeto, trabalho de conclusão de curso e tese)
São Leopoldo
20091
1 Edição revisada e modificada em fevereiro de 2009
SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO……………………………………………………………………………………………5
2 APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS – NBR 14724:2005…………..7
2.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS …………………………………………………………………..8
2.1.1 Capa…………………………………………………………………………………………………….8
2.1.2 Lombada ……………………………………………………………………………………………12
2.1.3 Folha de Rosto …………………………………………………………………………………..12
2.1.4 Errata…………………………………………………………………………………………………16
2.1.5 Folha de Aprovação ……………………………………………………………………………17
2.1.6 Dedicatória…………………………………………………………………………………………18
2.1.7 Agradecimentos …………………………………………………………………………………19
2.1.8 Epígrafe……………………………………………………………………………………………..20
2.1.9 Resumo em Português ……………………………………………………………………….21
2.1.9.1 Regras de Apresentação do Resumo……………………………………………………21
2.1.10 Resumo em Língua Estrangeira…………………………………………………………22
2.1.11 Lista de Ilustrações…………………………………………………………………………..22
2.1.12 Lista de Tabelas ……………………………………………………………………………….24
2.1.13 Lista de Abreviaturas e Siglas …………………………………………………………..25
2.1.14 Lista de Símbolos……………………………………………………………………………..27
2.1.15 Sumário……………………………………………………………………………………………28
2.1.15.1 Regras de Apresentação do Sumário………………………………………………….28
2.2 ELEMENTOS TEXTUAIS…………………………………………………………………………29
2.2.1 Introdução………………………………………………………………………………………….29
2.2.2 Desenvolvimento………………………………………………………………………………..29
2.2.3 Conclusão………………………………………………………………………………………….29
2.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS…………………………………………………………………30
2.3.1 Referências………………………………………………………………………………………..30
2.3.2 Glossário……………………………………………………………………………………………30
2.3.3 Apêndices ………………………………………………………………………………………….30
2.3.4 Anexos ………………………………………………………………………………………………31
2.3.5 Índices……………………………………………………………………………………………….31
3 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO ……………………………………………………32
4 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA- NBR 6024:2003 …………………………………………36
4.1 REGRAS DE APRESENTAÇÃO DA NUMERAÇÃO PROGRESSIVA…………….37
5 REFERÊNCIAS – NBR6023:2002………………………………………………………………..39
5.1 REGRAS GERAIS…………………………………………………………………………………..39
5.2 MODELOS DE REFERÊNCIAS………………………………………………………………..40
5.2.1 Monografia no Todo……………………………………………………………………………40
5.2.1.1 Monografia no Todo em Meio Eletrônico……………………………………………….41
5.2.1.2 Parte de Monografia…………………………………………………………………………..42
5.2.1.2.1 Parte de Monografia em Meio Eletrônico ……………………………………………42
5.2.2 Publicação Periódica ………………………………………………………………………….43
5.2.2.1 Publicação Periódica como um Todo ……………………………………………………43
5.2.2.1.1 Partes de Revista, Boletim (fascículo)………………………………………………..43
5.2.2.2 Artigo e/ou Matéria de Revista, Boletim, etc…………………………………………..44
5.2.2.2.1 Artigo e/ou Matéria de Revista, Boletim, etc. em Meio Eletrônico …………..45
5.2.2.3 Artigo e/ou Matéria de Jornal ………………………………………………………………45
3
5.2.2.3.1 Artigo e/ou Matéria de Jornal em Meio Eletrônico………………………………..46
5.2.3 Evento como um Todo………………………………………………………………………..47
5.2.3.1 Trabalho Apresentado em Evento………………………………………………………..48
5.2.3.2 Evento como um Todo em Meio Eletrônico……………………………………………48
5.2.3.2.1 Trabalho Apresentado em Evento em Meio Eletrônico …………………………49
5.2.4 Patente ………………………………………………………………………………………………49
5.2.4.1 Patente em Meio Eletrônico ………………………………………………………………..49
5.2.5 Documento Jurídico……………………………………………………………………………50
5.2.5.1 Legislação ………………………………………………………………………………………..50
5.2.5.2 Jurisprudência …………………………………………………………………………………..51
5.2.5.3 Doutrina……………………………………………………………………………………………52
5.2.5.4 Documento Jurídico em Meio Eletrônico……………………………………………….52
5.2.6 Imagem em Movimento……………………………………………………………………….55
5.2.7 Documento Iconográfico …………………………………………………………………….55
5.2.6.1 Documento Iconográfico em Meio Eletrônico…………………………………………56
5.2.8 Documento Cartográfico …………………………………………………………………….56
5.2.8.1 Documento Cartográfico em Meio Eletrônico…………………………………………57
5.2.9 Documento Sonoro no Todo……………………………………………………………….57
5.2.9.1 Documento Sonoro em Parte………………………………………………………………58
5.2.10 Partitura……………………………………………………………………………………………58
5.2.10.1 Partitura em Meio Eletrônico ……………………………………………………………..59
5.2.11 Documento Tridimensional ……………………………………………………………….59
5.2.12 Documentos de Acesso Exclusivo em Meio Eletrônico ………………………59
5.3 TRANSCRIÇÃO DOS ELEMENTOS …………………………………………………………60
5.3.1 Autor pessoal …………………………………………………………………………………….61
5.3.2 Autor Entidade (Órgãos governamentais, Empresas, Associações,
Congressos) ………………………………………………………………………………………………62
5.3.3 Autoria desconhecida…………………………………………………………………………63
5.3.4 Título e subtítulo ………………………………………………………………………………..63
5.3.5 Edição………………………………………………………………………………………………..64
5.3.6 Local ………………………………………………………………………………………………….65
5.3.7 Editor(a)……………………………………………………………………………………………..66
5.3.8 Data……………………………………………………………………………………………………66
5.3.9 Descrição Física …………………………………………………………………………………68
5.3.10 Ilustrações ……………………………………………………………………………………….69
5.3.11 Séries e Coleções……………………………………………………………………………..69
5.3.12 Notas ……………………………………………………………………………………………….70
5.4 ORDENAÇÃO DAS REFERÊNCIAS …………………………………………………………72
5.4.1 Sistema Alfabético ……………………………………………………………………………..72
5.4.2 Sistema Numérico ………………………………………………………………………………73
6 CITAÇÕES EM DOCUMENTOS – NBR 10520:2002………………………………………74
6.1 FORMAS DE CITAÇÃO…………………………………………………………………………..74
6.1.1 Citações Diretas …………………………………………………………………………………74
6.1.2 Citações Indiretas……………………………………………………………………………….76
6.1.2 Citação de Citação ……………………………………………………………………………..80
6.2 SISTEMA DE CHAMADA…………………………………………………………………………82
6.2.1 Sistema Numérico ………………………………………………………………………………83
6.2.2 Sistema Autor-Data …………………………………………………………………………….84
6.3 NOTAS DE RODAPÉ………………………………………………………………………………86
6.3.1 Notas de Referência……………………………………………………………………………87
6.3.2 Notas Explicativas………………………………………………………………………………90
REFERÊNCIAS……………………………………………………………………………………………91
APÊNDICE A – SUMÁRIO…………………………………………………………………………….93
APÊNDICE B – MODELO DE ARTIGO DE PERIÓDICO – ABNT ……………………….94
ANEXO A – ABREVIATURA DOS MESES (NBR6023:2002) …………………………….98
5
1 INTRODUÇÃO
Para que o conhecimento produzido na Unisinos tenha credibilidade junto à
comunidade científica nacional e internacional, faz-se necessário que os trabalhos
elaborados, em qualquer nível acadêmico, sejam desenvolvidos e apresentados de
acordo com as regras de normatização exigidas pelos padrões vigentes. Foi nesse
intuito que a equipe da biblioteca da instituição elaborou o presente documento, que
visa orientar leitores e usuários no que se refere à utilização das normas-padrão
para elaboração de artigos, dissertações, projetos, trabalhos de conclusão de curso
(TCC) e teses, a serem apresentados em todos os níveis de ensino da Universidade.
A necessidade do estabelecimento de padrões formais para a apresentação gráfica
dos trabalhos acadêmicos também se destaca como garantia da qualidade na
circulação, comunicação e intercâmbio das informações geradas pela Universidade.
Este guia foi elaborado e baseado no conteúdo das seguintes normas:
– NBR 6022:2003 – Informação e Documentação – Artigo em publicação
periódica científica impressa;
– NBR 6023:2002 – Informação e Documentação – Referências – Elaboração;
– NRB 6024:2003 – Numeração progressiva das seções de um documento –
Procedimento;
– NBR 6027:2003 – Sumários – Procedimento;
– NBR 6028:2003 – Resumos – Procedimentos,
– NBR 10520:2002 – Informação e Documentação – Apresentação de citações
em documentos,
– NBR 14724:2005 – Informação e Documentação – Trabalhos acadêmicos –
Apresentação;
– NBR 15287:2005 Informação e Documentação – Projeto de pesquisa –
Apresentação.
Por se tratar de um estudo do conteúdo das referidas normas, por vezes,
serão utilizados os textos dos originais. Salienta-se que, neste instrumento, não se
aborda o conteúdo na íntegra das referidas normas, mas, elabora-se uma seleção
6
de informações pertinentes. Vale lembrar que a Biblioteca oferece e disponibiliza a
consulta aos originais no Setor de Referência, localizado no 3º andar de seu prédio.
Conforme Associação Brasileira de Normas Técnicas (2005a, p. 2-3) para efeito
deste guia, seguem as seguintes definições:
a) dissertação: documento que representa o resultado de um trabalho
experimental ou a exposição de um estudo científico retrospectivo, de tema
único e bem delimitado em sua extensão, com o objetivo de reunir, analisar e
interpretar informações; deve evidenciar o conhecimento de literatura
existente sobre o assunto e a capacidade de sistematização do candidato; é
feito sob a coordenação de um orientador (doutor), visando à obtenção do
título de mestre;
b) tese: documento que representa o resultado de um trabalho experimental ou
a exposição de um estudo científico de tema único e bem delimitado; deve ser
elaborado com base em investigação original, constituindo-se em real
contribuição para a especialidade em questão; é feito sob a coordenação de
um orientador (doutor) e visa à obtenção do título de doutor, ou similar;
c) trabalhos acadêmicos (trabalho de conclusão de curso – TCC, trabalho
de graduação interdisciplinar – TGI, trabalho de conclusão de curso de
especialização e/ou aperfeiçoamento): documento que representa o
resultado de estudo. Deve expressar o conhecimento do assunto escolhido,
que deve ser obrigatoriamente emanado da disciplina, módulo, estudo
independente, curso, programa e outros ministrados. É feito sob a
coordenação de um orientador.
7
2 APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS ACADÊMICOS – NBR 14724:2005
A estrutura dos trabalhos acadêmicos obedece à uma ordem lógica de
apresentação, que se divide em: elementos pré-textuais, textuais e pós-textuais.
Elementos Pré-textuais
CAPA (obrigatório)
LOMBADA (se necessário)
FOLHA DE ROSTO (obrigatório)
FICHA CATALOGRÁFICA (verso da folha de rosto)
ERRATA (se necessário)
FOLHA DE APROVAÇÃO (obrigatório)
DEDICATÓRIA (opcional)
AGRADECIMENTOS (opcional)
EPÍGRAFE (opcional)
RESUMO NA LÍNGUA PORTUGUESA (obrigatório)
RESUMO NA LÍNGUA ESTRANGEIRA
LISTA DE ILUSTRAÇÕES (opcional)
LISTA DE TABELAS (opcional)
LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS (opcional)
LISTA DE SÍMBOLOS (opcional)
SUMÁRIO (obrigatório)
Elementos Textuais
INTRODUÇÃO (obrigatório)
DESENVOLVIMENTO (obrigatório)
CONCLUSÃO (obrigatório)
Elementos Pós-textuais
REFERÊNCIAS (obrigatório)
GLOSSÁRIO (opcional)
APÊNDICE (S) (opcional)
ANEXO (S) (opcional)
ÍNDICES (S) (opcional)
ATENÇÃO
Conforme instrução da Unidade Acadêmica de Graduação, a folha de
aprovação NÃO será inserida nos TCCs.
A ficha catalográfica (verso da folha de rosto), folha de aprovação e o resumo
na língua estrangeira são obrigatórios somente para dissertações e teses.
Aconselha-se a consulta ao orientador sobre essas questões.
8
2.1 ELEMENTOS PRÉ-TEXTUAIS
Os elementos pré-textuais são os que antecedem o texto com informações
que identificam o trabalho.
2.1.1 Capa
A capa é a proteção física externa do trabalho.
Deve conter dados que permitam a correta identificação do trabalho, na
seguinte ordem:
– Instituição (Nome da Universidade, Área e Curso);
– Nome do autor;
– Título do trabalho – subtítulo, se houver;
– Número de volumes (se houver mais de um, deve constar na capa a
identificação do respectivo volume);
– Local (cidade);
– Data (ano de depósito/ou da entrega)
Sugere-se que as informações sejam dispostas centralizadas e com letras
maiúsculas, sem emprego do ponto final, a cada linha.
9
Modelo de Capa TCC
UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS – UNISINOS
UNIDADE ACADÊMICA DE GRADUAÇÃO
CURSO DE XXX
Nome do Aluno
TÍTULO:
Subtítulo (se houver)
Local (cidade)
Ano
3cm
3cm 2cm
2cm
10
Modelo de Capa Curso de Especialização
UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS – UNISINOS
UNIDADE ACADÊMICA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM XXX
Nome do Aluno
TÍTULO:
Subtítulo (se houver)
Local (cidade)
Ano
3cm
3cm
2cm
2cm
11
Modelo de Capa Dissertação ou Tese
UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS – UNISINOS
UNIDADE ACADÊMICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO
PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM XXXX
NÍVEL MESTRADO
OU
NÍVEL DOUTORADO
Nome do Aluno
TÍTULO:
Subtítulo (se houver)
Local (cidade)
Ano
3cm
3cm
2cm
2cm
12
2.1.2 Lombada
Lombada ou dorso é a parte da capa que reúne as folhas do trabalho (coladas,
costuradas ou mantidas juntas, de outra maneira).
As informações devem ser impressas, conforme a NBR 12225:2004.
O nome do autor deve ser impresso longitudinalmente, do alto para o pé da
lombada; o título do trabalho deve ser impresso da mesma forma que a do nome do
autor (elemento opcional).
2.1.3 Folha de Rosto
Anverso da folha de rosto
A folha de rosto deve conter os mesmos elementos da capa, acrescidos de
informações complementares, necessárias à perfeita identificação do trabalho:
– Nome do autor;
– Título do trabalho – subtítulo, se houver;
– Número de volumes (se houver mais de um, deve constar na capa a
identificação do respectivo volume);
– Natureza (tese, dissertação, trabalho de conclusão de curso) e objetivo
(aprovação em disciplina, grau pretendido e outros); nome da instituição a
que é submetido; área de concentração;
– Nome do orientador, precedido da palavra “Orientador”;
– Co-orientador (se houver): precedido da palavra “Co-orientador”;
– Local (cidade) da instituição onde deve ser apresentado;
– Data (ano de depósito/ou da entrega)
13
Modelo de folha de rosto de TCC
Nome do Aluno
TÍTULO:
Subtítulo (se houver)
Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado como requisito
parcial para a obtenção do título
de Bacharel ou Licenciado em
XXXX, pelo Curso de XXXX da
Universidade do Vale do Rio dos
Sinos
Orientador:
Local (cidade)
Ano
3cm
3cm 2cm
2cm
14
Modelo de Folha de Rosto de Curso de Especialização
Nome do Aluno
TÍTULO:
Subtítulo (se houver)
Trabalho de Conclusão de Curso
de Especialização apresentado
como requisito parcial para a
obtenção título de Especialista
em XXX, pelo Curso de
Especialização XXX da
Universidade do Vale do Rio dos
Sinos
Orientador:
Local (cidade)
Ano
3cm
3cm 2cm
2cm
15
Modelo de folha de rosto de Dissertação ou Tese
Nome do Aluno
TÍTULO:
Subtítulo (se houver)
Dissertação ou Tese apresentada
como requisito parcial para a
obtenção título de Mestre ou
Doutor, pelo Programa de Pós-
Graduação em XXXXX da
Universidade do Vale do Rio dos
Sinos.
Orientador:
Co-Orientador:
Local (cidade)
Ano
3cm
3cm 2cm
2cm
16
Verso da folha de rosto
A Catalogação Internacional na Publicação – CIP (Ficha Catalográfica) deve
ser incluída no verso da folha de rosto. É obrigatória somente para dissertações e
teses. A ficha catalográfica deve ser elaborada por um bibliotecário, com registro no
Conselho Regional de Biblioteconomia. Constitui-se de um conjunto de informações
bibliográficas, descritas de forma ordenada, seguindo o Código de Catalogação
Anglo-Americano vigente.
Catalogação na Publicação: Bibliotecário Responsável – Número do Registro no CRB-10
2.1.4 Errata
Apresenta-se, geralmente, em folha avulsa ou encartada, sendo anexada à
obra, depois de impressa. Consiste em uma lista de erros tipográficos ou de outra
natureza, com as devidas correções e indicações das folhas e linhas em que
aparecem. Deve ser inserida logo após a folha de rosto.
ERRATA
Cutter Sobrenome, nome
Título: subtítulo / por nome e sobrenome — data.
000 f. (número de folhas do trabalho). : il. ; 30cm.
Dissertação (mestrado) ou Tese (doutorado) —
Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Programa de
Pós-Graduação em XX, data.
“Orientação: Prof. Dr. XXX, Nome da Unidade
Acadêmica”.
1. Assunto. 2. Assunto. I. Título.
Classificação conforme CDU
17
Folha Linha Onde se lê Leia-se
15 6 30% 35%
30 12 2001 2002
2.1.5 Folha de Aprovação
Deve conter o nome do autor, do título e do subtítulo por extenso, natureza,
objetivo, nome da instituição a que é submetida, área de concentração, data de
aprovação, nome e titulação dos membros componentes da banca examinadora e
suas assinaturas (elemento obrigatório somente para Dissertações e Teses).
Modelo de Folha de Aprovação de Dissertação ou Tese
Nome do Aluno
TÍTULO:
Subtítulo (se houver)
Dissertação ou Tese apresentada como
requisito parcial para a obtenção do título de
Mestre ou Doutor, pelo Programa de Pós-
Graduação em XXXXX da Universidade do
Vale do Rio dos Sinos- Unisinos
Aprovado em (dia) (mês) (ano)
BANCA EXAMINADORA
Componente da Banca Examinadora – Instituição a que pertence
Componente da Banca Examinadora – Instituição a que pertence
Componente da Banca Examinadora – Instituição a que pertence
18
Para Teses, a banca examinadora é composta por cinco membros; nesse
caso, deve-se incluir mais duas linhas na folha de aprovação.
2.1.6 Dedicatória
Elemento opcional, é uma homenagem que o autor presta às pessoas (uma
Dedico este trabalho a todos aqueles
que contribuíram para sua realização.
19
ou mais) que colaboraram com a pesquisa. Não se escreve a palavra dedicatória.
2.1.7 Agradecimentos
Os agradecimentos devem ser dirigidos a quem realmente contribuiu, de
maneira relevante, à elaboração do trabalho (empresas ou organizações que fizeram
parte da pesquisa) ou pessoas (profissionais, pesquisadores, orientador,
bibliotecário, bolsistas e outros) que colaboraram efetivamente para sua construção.
Colocam-se os agradecimentos em ordem hierárquica de importância (elemento
opcional).
AGRADECIMENTOS
Existem situações na vida em que é fundamental poder contar com o
apoio e a ajuda de algumas pessoas.
Para a realização deste trabalho de conclusão, pude contar com
várias. E a essas pessoas prestarei, através de poucas palavras, os mais
sinceros agradecimentos:
À professora XXXXX, orientadora deste trabalho, pelos seus
conhecimentos, sua atenção e sua boa vontade;
À Srª XXXXX, gerente do departamento da Empresa XXXXXXX, pela
oportunidade, seu apoio e sua atenção;
Aos funcionários da Empresa XXXXX, pela cordialidade com que me
receberam em seus setores e pela prestação das valiosas informações que
serviram de estudo para o presente trabalho.
20
2.1.8 Epígrafe
Deve ser colocada após o agradecimento; o autor apresenta uma citação,
seguida de indicação de autoria, relacionada com a matéria tratada no corpo do
trabalho. Podem, também, constar epígrafes nas folhas de aberturas das seções
primárias (elemento opcional).
“Ninguém abre um livro sem que aprenda alguma coisa”.
(Anônimo)
21
2.1.9 Resumo em Português
Elemento obrigatório, para o qual a NBR 6028:2003 estabelece as seguintes
definições:
 resumo: indica os pontos relevantes do documento;
 resumo crítico: é redigido por especialistas; trata-se da análise crítica de um
documento. Também chamado de resenha, não está sujeito a limite de
palavras;
 resumo indicativo: mostra somente os pontos principais do documento, não
apresenta dados qualitativos e quantitativos e não dispensa a consulta ao
original;
 resumo informativo: informa ao leitor: finalidades, metodologia, resultados e
conclusões do documento e dispensa consulta ao original;
 palavra-chave: palavra que representa o assunto do documento.
2.1.9.1 Regras de Apresentação do Resumo
O resumo deve apresentar o objetivo, o método, os resultados e as
conclusões do trabalho. Deve ser composto por frases concisas, afirmativas.
Recomenda-se o uso de parágrafo único.
Deve-se usar o verbo na voz ativa e na terceira pessoa do singular.
As palavras-chave devem figurar logo abaixo do resumo, antecedidas da
expressão: Palavras-chave; separadas entre si por ponto e finalizadas também por
ponto.
O resumo deve conter:
– 150 a 500 palavras para os trabalhos acadêmicos (teses, dissertações,
trabalhos de conclusão e relatórios técnico-científicos);
– 100 a 250 palavras para os artigos de periódicos.
A norma não especifica o espaçamento entre linhas; sugere-se o
espaçamento simples entre linhas.
22
2.1.10 Resumo em Língua Estrangeira
Elemento obrigatório somente para dissertações e teses, digitado em folha
separada (em inglês, Abstract; em espanhol, Resumen; em francês, Résumé),
seguido das palavras-chave. Segue as mesmas características do resumo em
português.
2.1.11 Lista de Ilustrações
Elemento opcional; deve ser elaborado de acordo com a ordem em que as
ilustrações aparecem no texto (figuras, quadros, gráficos, desenhos, fotografias,
organogramas, gravuras e outros). Os itens da lista devem ser identificados pela
palavra designativa, conforme o tipo de ilustração e acompanhados do respectivo
número de página. A norma não menciona a colocação de listas de ilustrações em
página separada e não determina um número mínimo de ilustrações para que seja
elaborada. Nesse caso, sugere-se que uma lista seja estruturada para cada tipo de
ilustração (figuras, quadros, gráficos, desenhos, fotografias, organogramas, gravuras
e outros), com a utilização de, no mínimo, três elementos.
23
LISTA DE FIGURAS
FIGURA 1 – Organograma…………………………………………………….14
FIGURA 2 – Fluxograma……………………………………………………….16
FIGURA 3 – Fluxo da documentação………………………………………20
FIGURA 4 – Fluxo de logística……………………………………………….29
FIGURA 5 – Ciclo da transformação das organizações ……………..35
24
2.1.12 Lista de Tabelas
A lista de tabelas deve ser elaborada de acordo com a ordem em que
aparecem no texto.
Os itens da lista devem ser acompanhados do respectivo número de página.
LISTA DE TABELAS
TABELA 1 – Abastecimento de água segundo o Município – 2000 .. 14
TABELA 2 – Abastecimento de água – Rio Grande do Sul – 2000… 16
TABELA 3 – Abastecimento de água Região Urbana …………………. 20
TABELA 4 – Abastecimento de água Região Rural…………………….. 39
TABELA 5 – Moradores por abastecimento de água…………………… 41
25
2.1.13 Lista de Abreviaturas e Siglas
Deve conter a relação alfabética das abreviaturas e siglas utilizadas no texto,
seguidas das palavras ou expressões escritas por extenso. Indica-se a elaboração
de lista própria para cada tipo.
LISTA DE ABREVIATURAS
ampl. – ampliado, -a
atual. – atualizado, -a
aum. – aumentado, -a
bol. – boletim
cm – centímetro, -s
comp. – compilador
cf. – confira
coord. – coordenador
et al. – e outros
fasc. – fascículo
i.e. – isto é
N.T. – Novo Testamento
N. trad. – Nota de tradução, do tradutor
n. – número, -s
pt. – parte
reform. – reformulado, -a
rev. – revisado, -a
seg., segs. – seguinte, -s
supl. – suplemento
tab., tabs, – tabela, -s
t. – tomo
26
LISTA DE SIGLAS
ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas
CAPES – Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior
CNPq – Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico
FAPERGS – Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio Grande do
Sul
INPI – Instituto Nacional de Propriedade Industrial
IOF – Imposto sobre Operações Financeiras
ISO – International Organization for Standartization
ONU – Organização das Nações Unidas
27
2.1.14 Lista de Símbolos
Deve ser elaborada conforme a ordem em que os símbolos aparecem no texto,
acompanhadas do devido significado.
LISTA DE SÍMBOLOS
@ – Arroba
% – Por cento
ºC – graus Celcius
Al – Alumínio
Ca – Cálcio
(R) – Repetitivo
(NR) – Não repetitivo
28
2.1.15 Sumário
Elemento obrigatório, elaborado conforme a NBR 6027:2003.
Trata-se da enumeração dos principais capítulos (seções) e subcapítulos
(subseções) e outras partes de uma publicação, na mesma ordem e grafia em que
aparecem no trabalho (ver apêndice A).
2.1.15.1 Regras de Apresentação do Sumário
 A palavra sumário deve ser centralizada, escrita com letras maiúsculas, em
negrito;
 Deve figurar como último elemento pré-textual; quando houver mais de um
volume, deve ser incluído completo em todos os volumes;
 As seções devem ser numeradas em algarismos arábicos, da introdução até a
conclusão;
 Os elementos pré-textuais NÃO DEVEM aparecer no sumário;
 Os indicativos das seções (capítulos) e subseções (subcapítulos) com seus
respectivos títulos, devem ser alinhados à esquerda. Recomenda-se que
sejam alinhados pela margem do título do indicativo mais extenso;
 Um documento apresentado em mais de um idioma, para o mesmo texto,
deve conter um sumário separado para cada idioma, em páginas distintas.
Para numerar as seções (capítulos) e subseções (subcapítulos) de um
trabalho, deve-se usar a numeração progressiva, conforme se verifica no capítulo 4
deste documento.
29
2.2 ELEMENTOS TEXTUAIS
Um trabalho acadêmico apresenta três partes fundamentais: introdução,
desenvolvimento e conclusão.
2.2.1 Introdução
Parte inicial do trabalho, fornece uma visão global da pesquisa realizada,
apresentando o tema, a delimitação do assunto abordado e a justificativa. Deve
incluir a apresentação do problema específico da pesquisa, seus objetivos e a(s)
hipótese(s) e outros elementos necessários para situar o tema do trabalho.
2.2.2 Desenvolvimento
O desenvolvimento ou corpo do trabalho é a parte mais extensa e visa
apresentar os resultados da pesquisa. Divide-se, geralmente, em capítulos (seções)
e subcapítulos (subseções), que variam em função da natureza do conteúdo.
Deve conter a revisão de literatura sobre o assunto, resumindo os resultados
de estudos feitos por outros autores (as obras citadas e consultadas devem constar
na lista de referências).
O método da pesquisa deve apresentar os procedimentos usados para
realizar cientificamente o estudo, ou seja, o propósito do trabalho, o método de
delineamento, as técnicas de coleta de dados e a técnica de análise.
2.2.3 Conclusão
A conclusão apresenta, de forma sintética, os resultados do trabalho,
salientando a extensão e os resultados de sua contribuição, bem como seus méritos.
30
Deve basear-se em dados comprovados e fundamentar-se nos resultados e na
discussão do texto, contendo deduções lógicas correspondentes aos objetivos do
trabalho.
2.3 ELEMENTOS PÓS-TEXTUAIS
Os elementos pós-textuais são: referências, glossário, apêndices, anexos e
índices.
2.3.1 Referências
Elemento obrigatório, elaborado conforme a NBR 6023:2002 (ver capítulo 5).
2.3.2 Glossário
Elemento opcional, é uma lista, em ordem alfabética, de palavras especiais,
de sentido pouco conhecido, obscuro, ou mesmo de uso muito restrito,
acompanhadas de suas respectivas definições.
2.3.3 Apêndices
Elemento opcional, é o texto ou o documento elaborado pelo próprio autor,
com a finalidade de complementar seu trabalho.
O termo APÊNDICE deve ser escrito em letras maiúsculas, centralizado e em
negrito. Identifica-se por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos
respectivos títulos.
Exemplo:
APÊNDICE A – ESTATÍSTICA DE USO DO SETOR DE MULTIMEIOS – 2005
31
2.3.4 Anexos
Elemento opcional, destinam-se à inclusão de materiais não elaborados pelo
próprio autor, como cópias de artigos, manuais, folders, balancetes, etc. e não
precisam estar em conformidade com o modelo.
O termo ANEXO deve ser escrito em letras maiúsculas, centralizado e em
negrito. Identifica-se por letras maiúsculas consecutivas, travessão e pelos
respectivos títulos.
ANEXO A – FOLDER DO SETOR DE MULTIMEIOS E COMUT – 2005
2.3.5 Índices
Elemento opcional, devem ser elaborados conforme a NBR6034:2004 –
Preparação de índices de publicações.
32
3 REGRAS GERAIS DE APRESENTAÇÃO
A NBR 14724:2005 estabelece algumas regras para a apresentação gráfica,
entretanto, de acordo com o texto da Associação Brasileira de Normas Técnicas
(2005a, p. 7,) “[…] o projeto gráfico é de responsabilidade do autor do trabalho
[…]” (grifo nosso), ou seja, o que não consta no texto da norma, o autor pode definir
da melhor forma, usando o bom senso.
PAPEL
– folha branca, formato A4 (21cm x 29,7cm), digitado
somente o anverso das folhas, com exceção da
folha de rosto, cujo verso deve conter a ficha
catalográfica;
– impressão em cor preta, podendo utilizar cores
somente para as ilustrações.
MARGENS
– superior e esquerda: 3,00 cm;
– inferior e direita: 2,00 cm
FONTE
– tamanho: 12 para o texto;
– tamanho menor: sugere-se 10 para citação de mais
de três linhas, legendas, notas de rodapé.
TEXTO
– deve ser digitado, com espaço 1,5;
– recuo do parágrafo: a norma NÃO especifica;
sugere-se 1,25 cm (1 tab.)
TÍTULO DOS
CAPÍTULOS/SEÇÕES
– é indicado por número arábico, a partir do 1 (um) e
seguido de seu título;
– alinhado à esquerda, separado por um espaço de
caractere;
– capítulos são sempre iniciados em uma nova folha;
– títulos devem iniciar na parte superior da página e
serem separados dos textos que os sucede por dois
espaços de 1,5 entrelinhas.
Ex. 1 INTRODUÇÃO
TÍTULO DOS SUBCAPÍTULOS/
SUBSEÇÕES
– são indicados por número arábico;
– alinhamento de título das subseções à esquerda,
separado por um espaço de caractere;
– separados do texto que os precede ou que os
sucede por dois espaços de 1,5 entrelinhas.
33
Ex. 1.1 OBJETIVOS
1.1.1 Objetivo Geral
1.1.2 Objetivos Específicos
TÍTULO SEM INDICATIVO DE
SEÇÃO
– errata, agradecimentos, listas de ilustrações, lista
de abreviaturas e siglas, resumos, sumário,
referências, glossário, apêndices, anexos;
– digitados centralizados, em letras maiúsculas e em
negrito.
OBSERVAÇÃO: quando uma seção terminar próxima ao fim de uma página, coloca-se o
título da seção na página seguinte.
SEM TÍTULO E SEM INDICATIVO
NUMÉRICO
– folha de aprovação,
– dedicatória;
– epígrafe.
PAGINAÇÃO
– ATENÇÃO: a CAPA é apenas a proteção
do trabalho. Não deve ser contada.
– todas as folhas, a partir da folha de rosto,
devem ser contadas seqüencialmente,
mas, não numeradas.
– a numeração é impressa a partir da
introdução, em algarismos arábicos até a
última folha do trabalho, incluindo os
apêndices e anexos.
– o número deve ser colocado no canto
superior direito da folha, a 2 cm da borda
superior.
NUMERAÇÃO PROGRESSIVA
– deve-se adotar a numeração progressiva
para os capítulos e subcapítulos de um
documento, visando à exposição lógica do
tema e à rápida localização das partes
que o compõem, conforme o capítulo 4
deste documento.
CITAÇÃO COM MAIS DE TRÊS LINHAS
– recuo de parágrafo para citação direta (ou
longa): 4 cm da margem esquerda;
– espaçamento simples;
– texto justificado;
– sem parágrafo;
– sem aspas.
34
LEGENDAS, ILUSTRAÇÕES, TABELAS E
NOTAS DE RODAPÉ
– devem ser digitados em espaço simples e
com uma fonte menor.
NATUREZA DO TRABALHO
– natureza do trabalho é o tipo de
documento (tese, dissertação, trabalho de
conclusão de curso, projeto científico) e
objetivo (aprovação em disciplina, grau
pretendido); nome da instituição a que é
submetido; área de concentração;
– – deve ser incluída na folha de rosto e na
folha de aprovação, logo abaixo do
título;
– – alinhada do meio da página para a
margem direita e digitada em espaço
simples.
REFERÊNCIAS
(ver capítulo 5 deste documento)
– digitadas em espaço simples e separadas
entre si, por dois espaços simples;
– ordenadas em ordem alfabética, por
sobrenome de autor ou título
SIGLAS
– a primeira vez em que a sigla aparece no
texto deve ser escrita por extenso,
seguida pela sigla, colocada entre
parênteses. Exemplo:
Universidade do Vale do Rio dos Sinos
(UNISINOS).
EQUAÇÕES E FÓRMULAS
– aparecem destacadas no texto, a fim de
facilitar sua leitura.
– na sequência normal do texto, é permitido
o uso de uma entrelinha maior que
comporte seus elementos (expoentes,
índice e outros).
– se necessário, deve-se numerá-las com
algarismos arábicos entre parênteses,
alinhados à direita.
Exemplo:
x² + y² = z² …(1)
(x² + y²)/5 = n …(2)
ILUSTRAÇÕES – as ilustrações compreendem imagens
35
visuais (gráficos, fotografias, mapas,
quadros, plantas, organogramas e outros)
que servem para complementação de um
texto.
– sua identificação sempre é na parte
inferior, precedida da palavra designativa
(gráficos, fotografias, mapas, quadros,
plantas, organogramas e outros), seguida
do número de ordem de ocorrência no
texto (em algarismos arábicos) e do
respectivo título.
– devem ser incluídas próximo ao trecho a
que se referem.
TABELAS
A ABNT NÃO POSSUI norma para
apresentação de tabelas.
Indica o uso da obra:
FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE
GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE).
Normas de apresentação tabular. 3. ed.
Rio de Janeiro: IBGE, 1993.
– as tabelas apresentam, basicamente,
informações numéricas, tratadas
estatisticamente.
– sua identificação sempre é no topo da
tabela; o título é precedido pela palavra
“TABELA”, seguido do seu número de
ordem (em algarismos arábicos).
– a fonte deve situar-se logo abaixo da
tabela. É obrigatória a indicação da fonte,
quando a tabela não for elaborada pelo
autor.
36
4 NUMERAÇÃO PROGRESSIVA- NBR 6024:2003
Estabelece as seções/capítulos e subdivisões/subcapítulos do trabalho, a fim
de expor, com clareza, a sequência e a importância do tema e permitir a rápida
localização de cada parte.
Conforme Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003b, p. 1-2), definese
por:
[…] alínea: cada uma das subdivisões de um documento, indicada por uma
letra minúscula e seguida de parênteses.
indicativo de seção: número ou grupo numérico que antecede cada seção
do documento.
seção: parte em que se divide o texto de um documento, que contém as
matérias consideradas afins na exposição ordenada de assunto.
seção primária: principal divisão do texto de um documento.
seção secundária, terciária, quaternária, quinária: divisão do texto de
uma seção primária, secundária, terciária, quaternária, respectivamente.
subalínea: subdivisão de uma alínea. (grifo nosso).
Recomenda-se subdividir o trabalho até, no máximo, a seção quinária, de
acordo com o quadro abaixo:
SEÇÃO
PRIMÁRIA
SEÇÃO
SECUNDÁRIA
Seção
Terciária
Seção
Quaternária
Seção
Quinária
Corresponde
à principal
divisão
do texto
Divisão do texto de
uma seção primária
Divisão do
texto de uma
seção
secundária
Divisão do texto
de uma seção
terciária
Divisão do
texto de uma
seção
quaternária
Todo título
com letra
maiúscula e
negrito
Todo título com
letra maiúscula e
sem negrito
As letras
iniciais do
título em
maiúscula e
negrito
As letras iniciais
do título em
maiúscula e sem
negrito
As letras
iniciais do
título em
maiúscula e
itálico
1 1.1 1.1.1 1.1.1.1 1.1.1.1.1
2 2.1 2.1.1 2.1.1.1 2.1.1.1.1
3 3.1 3.1.1 3.1.1.1 3.1.1.1.1
4 4.1 4.1.1 4.1.1.1 4.1.1.1.1
5 5.1 5.1.1 5.1.1.1 5.1.1.1.1
37
Caso o documento seja dividido até a seção terciária, é possível seguir o
modelo abaixo:
SEÇÃO PRIMÁRIA Seção Secundária Seção Terciária
Corresponde à principal
divisão do texto
Divisão do texto de uma seção
primária
Divisão do texto de uma
seção secundária
Todo título com letras
maiúsculas e negrito
As letras iniciais do título em
maiúscula e negrito
As letras iniciais do título
em maiúscula e sem
negrito
1 1.1 1.1.1
2 2.1 2.1.1
3 3.1 3.1.1
4 4.1 4.1.1
5 5.1 5.1.1
4.1 REGRAS DE APRESENTAÇÃO DA NUMERAÇÃO PROGRESSIVA
a) são empregados algarismos arábicos na numeração;
b) o indicativo de uma seção primária deve ser grafado em números inteiros a
partir de um (1);
c) o indicativo de seção é alinhado na margem esquerda, precedendo o título,
dele separado por um espaço de caractere;
d) deve-se limitar a numeração progressiva até a seção quinária;
e) não se utilizam ponto, hífen, travessão ou qualquer sinal após o indicativo
de seção ou de seu título;
f) destacam-se, gradativamente, os títulos das seções, utilizando-se negrito,
itálico, caixa alta;
g) todas as seções devem conter um texto relacionado a elas.
38
Alíneas
As alíneas são usadas para indicar itens importantes que não possuam título
A disposição gráfica das alíneas obedece às seguintes regras e apresentação,
de acordo com a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2003b, p. 3):
a) o trecho final da seção correspondente, anterior às alíneas, termina em
dois pontos;
b) a matéria da alínea começa por letra minúscula e termina em ponto-evírgula;
c) as alíneas são ordenadas por letras minúsculas seguidas de parênteses;
d) as letras indicativas das alíneas são reentradas em relação a margem
esquerda;
e) a alínea pode ser subdivida em subalíneas. Estas devem começar por
hífen, posicionado sob a primeira letra do texto da alínea correspondente
e dele separado por um espaço de caractere.
f) as linhas seguintes do texto da subalínea devem iniciar sob a primeira
letra do próprio texto.
39
5 REFERÊNCIAS – NBR6023:2002
Conjunto padronizado de elementos que permitem a identificação de um
documento, no todo ou em parte, nos diversos tipos de formato (livro, artigo de
periódico, CD, DVD, fotografia, mapa, documento on-line, ebooks, entre outros).
5.1 REGRAS GERAIS
A referência pode aparecer: no rodapé, no fim de texto ou de capítulo,em lista
de referências e antecedendo resumos, resenhas e recensões.
Os elementos da referência são retirados, normalmente, da folha de rosto
(verso e anverso) e capa do documento. Inclui-se, entre colchetes, a informação
tirada fora das fontes prescritas.
A pontuação deve ser uniforme para todas as referências. A separação das
várias áreas deve ser com ponto final, seguido de um espaço, representado nos
exemplos pelo símbolo Ø (1 espaço em branco).
O título deve ser destacado, de forma uniforme, em todas as referências de
um mesmo documento, utilizando-se os recursos tipográficos (negrito, itálico ou
grifo). Essa regra não se aplica a documentos sem indicação de autoria ou
responsabilidade, que devem ter a entrada pelo próprio título, com a primeira palavra
escrita em letras maiúsculas.
Nas listas, as referências “[…] são alinhadas somente à margem esquerda
do texto e de forma a se identificar individualmente cada documento, em espaço
simples e separadas entre si por um espaço duplo” (ou dois espaços simples). Em
notas de rodapé, devem ser “[…] alinhadas, a partir da segunda linha da mesma
referência, abaixo da primeira letra da primeira palavra, de forma a destacar o
expoente e sem espaço entre elas”, conforme o texto da Associação Brasileira de
Normas Técnicas (2002a, p. 3).
40
5.2 MODELOS DE REFERÊNCIAS
Incluem modelos de referências, exemplificados de acordo com o tipo de
suporte documental (livro, periódico, artigo de periódico, tese, CD-ROM, DVD, filme,
mapa, música, recursos eletrônicos).
5.2.1 Monografia no Todo
Refere-se a livros, folhetos, guias, catálogos, dicionários, trabalhos
acadêmicos (teses, dissertações, entre outros).
· Elementos Essenciais
Os elementos essenciais são: autor, título, edição, local, editora e data de
publicação, que devem constar, obrigatoriamente, na referência.
SOBRENOME, Nome (s) do(s) autor(es) (pessoa, entidade).ØTítulo.ØEdição.Ø
Local de publicação:ØEditora,ØData de publicação.
VERISSIMO, Luís Fernando. O analista de Bagé. 93. ed. Porto Alegre: L&PM, 1992.
· Elementos Complementares
Os elementos complementares não são obrigatórios, mas, permitem
identificar melhor o documento. Pode-se incluir: tradutor, revisor, ilustrador,
descrição física (número de páginas, volume, tomo ou capítulo), dimensão, série,
notas especiais, ISBN ou ISSN.
SOBRENOME, Nome (s) do(s) autor(es) (pessoa, entidade).ØTítulo.ØTradução.
ØEdição.ØLocal de publicação:ØEditora,ØData de publicação.Øpáginas,volumes,
tomo ou capítulos.Øil.Ø(Série).ØInclui índice.
41
SCIACCA, Michele Federico. História da filosofia. Tradução de Luís Washington
Vita. São Paulo: Mestre Jou, 1962. 3 v.
STEIN, Suzana Albornoz. O que é trabalho. 6. ed. São Paulo: Brasiliense, 2002.
103 p. (Coleção Primeiros Passos, 171).
FERRAZ JÚNIOR, Tercio Sampaio. A ciência do direito. 2. ed. São Paulo: Atlas,
1986. 111 p. Inclui bibliografia.
Barcellos, Caco. Abusado: o dono do morro Dona Marta. 19. ed. Rio de Janeiro:
Record, 2008. 560 p. fotografias. ISBN 978-85-01-06520-9
5.2.1.1 Monografia no Todo em Meio Eletrônico
Inclui livros, folhetos, guias, catálogos, dicionários, trabalhos acadêmicos
(teses, dissertações entre outros), em meio eletrônico (disquete, CD-ROM, on-line,
pen-drive).
Acrescentam-se as informações relativas à descrição física do meio
eletrônico, nos documentos monográficos no todo.
ALEGRETE. Câmara Municipal. Actos da câmara municipal de Alegrete de 07
junho 1859 a 22 de outubro de 1863. Alegrete: Centro de Pesquisas e Documetação
de Alegrete, 2003. 1 CD-ROM.
Em obras consultadas on-line, são elementos essenciais: o endereço
eletrônico, precedido da expessão Disponível em: apresentado entre os sinais
e a data de acesso, precedida da expressão Acesso em: (dia mês ano). O mês deve
ser abreviado conforme Anexo A.
BACON, Francis. Novum Organum. 2002. Disponível em: . Acesso em: 7 jan. 2009.
42
5.2.1.2 Parte de Monografia
Quando, numa obra, cada capítulo ou parte foi escrito por um autor(es)
diferente(s) e necessita-se referenciar apenas um capítulo ou uma das partes (livros,
folhetos, guias, catálogos, dicionários, trabalhos acadêmicos entre outros), deve-se
obedecer à seguinte ordem:
SOBRENOME, Nome (s) do(s) autor(es) (pessoa, entidade) do capítulo ou da parte.
ØTítulo do capítulo ou da parte.ØExpressão In:Ø(que significa contido em)Ø
SOBRENOME, Nome (s) do(s) autor(es) (pessoa, entidade (coordenador,
organizador, entre outros) da obra no todo.ØTítulo da obra no
todo.ØEdição.ØLocal de publicação:ØEditora,Ødata de publicação.Øpaginação ou
outra forma de indicar a parte referenciada (volume, tomo ou capítulo).
VERGEIRO, Waldomiro. Publicações governamentais. In: Campello, Bernadete
Santos; Cendón, Beatriz Valadares; Kremer, Jeannette Marquerite (Org.). Fontes de
informação para pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Universidade
Federal de Minas Gerais, 2000. cap. 1, p. 111-128.
5.2.1.2.1 Parte de Monografia em Meio Eletrônico
Acrescentam-se as informações relativas à descrição física do meio eletrônico
(disquete, CD-ROM, on-line, pen-drive).
SAMPAIO, Patrícia Regina Pinheiro; SOUZA, Carlos Affonso Pereira de. Conflito
entre normas de direito interno e tratados em que o Brasil é parte. In: ______.
Conflito entre tratados e leis. Disponível em: . Acesso em 21 jan. 2009.
VERTEBRADOS: répteis. In: ENCICLOPÉDIA multimídia dos seres vivos. São
Paulo: Planeta, 2002. CD-ROM 5.
43
5.2.2 Publicação Periódica
Publicação periódica se apresenta sob a forma de revista, boletim, anuário
etc., constituídos de fascículos, números ou partes, editados em intervalos préfixados
(periodicidade), por tempo determinado, com a colaboração de diversas
pessoas, tratando de diversos assuntos, segundo um plano editorial definido; é
objeto de Número Internacional Normatizado (ISSN).
5.2.2.1 Publicação Periódica como um Todo
É a referência de toda coleção de um título de periódico. Geralmente, serve
para gerar listas de referências, catálogos de obras elaborados por bibliotecas ou
editoras.
TÍTULO DO PERIÓDICO:Øsubtítulo.ØLocal de publicação:ØEditora,Ødatas de início
e de encerramento se houver.
ACTA BIOLOGICA LEOPOLDENSIA. São Leopoldo: UNISINOS,1979-2006.
Acrescentam-se elementos complementares, para melhor identificar o
documento, como: periodicidade, notas, ISSN, etc..
ESTUDOS JURÍDICOS (SÃO LEOPOLDO). São Leopoldo: UNISINOS,1971-
Semestral. ISSN 0100-2538.
REVISTA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA. Rio de Janeiro: FGV,1967-. Continuação
de: Boletim do Centro de Pesquisas Administrativas da EBAP. ISSN 0034-7612
5.2.2.1.1 Partes de Revista, Boletim (fascículo)
Incluem volume, fascículo, números especiais, suplementos, sem título
próprio.
44
TÍTULO DA PUBLICAÇÃO.ØLocal de publicação:ØEditora,Ønumeração do ano e/ou
volume,Ønúmero do fascículo,Øinformações de períodos e Ødatas de sua
publicação.
ISTO É DINHEIRO: revista semanal de negócios, economia, finanças & ecommerce.
São Paulo: Três, v. 11, n. 587, dez. 2008.
5.2.2.2 Artigo e/ou Matéria de Revista, Boletim, etc.
Inclui partes de publicações periódicas (volumes, fascículos, números
especiais e suplementos com título próprio), comunicações, editoriais, entrevistas,
reportagens, resenhas, entre outras.
Artigo com autoria
SOBRENOME, Nome (s) do(s) autor(es) (pessoa, entidade).ØTítulo do artigo:
subtítulo.ØTítulo da Publicação:Øsubtítulo,ØLocal de publicação,Ønúmero do
volume,Ønúmero do fascículo,Øpáginas inicial-final do artigo,Ømês(es)
abreviado(s)Øano.
volume = v.Ø
ano Ø
número = n.Ø
página inicial e final = p.Ø5-10.
mês = abreviado (ver Apêndice A)
Na descrição de artigos, não se inclui a Editora, somente o local de publicação.
VIAL, Sandra Regina Martini; FORTES, Cristina Lazzarotto. Terra, direito e
movimentos sociais. Estudos Jurídicos (São Leopoldo), São Leopoldo, v. 37, n. 99,
p. 97-123, 2004.
MORAES, José Luis Bolzan de et al. Estado, criminalidade e tecnologia\estudo
comparativo sobre a utilização de novas tecnologias nas políticas públicas de combate à
criminalidade no Rio Grande do Sul e na Puglia (Itália). Primeiro relatório. Constituição,
Sistemas Sociais e Hermenêutica: programa de pós-graduação em Direito da
UNISINOS: mestrado e doutorado, Porto Alegre; São Leopoldo, 2005. p. 9-32
45
Artigo sem indicação de autoria
MAU hálito. Revista da APCD, São Paulo, v. 53, n. 1, p. 57, jan./fev. 1999.
5.2.2.2.1 Artigo e/ou Matéria de Revista, Boletim, etc em Meio Eletrônico
Elaboram-se as referências, conforme os padrões utilizados para artigo e/ou
matéria de revista, boletim e acrescentam-se as informações relativas à descrição
física do meio eletrônico (CD-ROM, on-line).
CD-ROM
SOBRENOME, Nome (s) do(s) autor(es) (pessoa, entidade).ØTítulo do
artigo:Øsubtítulo.Título da Publicação:Øsubtítulo,Ølocal de publicação,Ønúmero do
volume,Ønúmero do fascículo,Øpáginas inicial-final do artigo,Ømês(es)
abreviado(s)Øano.ØCD-ROM
ARNAIZ SÁNCHEZ, Pilar. A educação inclusiva: um meio de construir escolas para
todos no século XXI. Inclusão: revista da educação especial. Brasília, ano 1, n. 1, p.
7-18, out. 2005. 1 CD-ROM.
Acesso on-line
SOBRENOME, Nome (s) do autor(es) (pessoa, entidade).ØTítulo do artigo:
subtítulo.ØTítulo da Publicação:Øsubtítulo,ØLocal de publicação,Ønúmero do
volume,Ønúmero do fascículo,Øpáginas inicial-final do artigo,Ømês(es)
abreviado(s)Øano.ØDisponível em:Ø.ØAcesso em:
diaØmêsØano.
NEIVA, Simone. Museu de Arte Contemporânea de Niterói: leveza moldada em
concreto. Arquiteturarevista, São Leopoldo, v. 4, n. 1, p. 66-69, jan./jun. 2008.
Disponível em: . Acesso em: 06
jan. 2009.
5.2.2.3 Artigo e/ou Matéria de Jornal
Inclui comunicações, editorial, entrevistas, reportagens, resenhas, etc..
46
Artigo e/ou matéria com autoria
SOBRENOME, Nome (s) do autor(es).ØTítulo do artigo ou matéria:
Øsubtítulo.ØTítulo do Jornal,ØLocal de publicação,Ødata da publicação
(diaØmêsØ(abreviado)Øano.ØCaderno, seção ou parte do jornal,Øpaginação
correspondente.
Quando não houver caderno, seção ou parte, a paginação do artigo ou matéria
precede a data.
BRETANHA, Thais. Manhã de sol e tarde com chuva. Correio do Povo, Porto
Alegre, ano 114, n. 101, p. 20, 9 jan. 2009.
Artigo e/ou matéria sem autoria
A entrada é dada pelo título do artigo, com a primeira palavra do título escrita
com letras maiúsculas.
TÍTULO do artigo ou matéria:Øsubtítulo.ØTítulo do Jornal,ØLocal de
publicação,Ødata da publicação (diaØmêsØ(abreviado)Øano.ØCaderno, seção ou
parte do jornal,Øpaginação correspondente.
Quando não houver caderno, seção ou parte, a paginação do artigo ou matéria
precede a data.
POLÍCIA aponta esquema de grampo ilegal e prende nove: segundo investigações,
quadrilha atuaria em espionagem industrial e casos de infidelidade. Folha de São
Paulo, São Paulo, ano 88, n. 29.135, 8 jan. 2009. Brasil, p. A4.
5.2.2.3.1 Artigo e/ou Matéria de Jornal em Meio Eletrônico
Deve-se elaborar as referências, conforme os padrões utilizados para
comunicações, editorial, entrevistas, reportagens, resenhas, etc. e acrescentar as
informações relativas à descrição física do meio eletrônico (CD-ROM, on-line).
Artigo e/ou matéria em meio eletrônico com autoria
SOBRENOME, Nome (s) do autor(es).ØTítulo do artigo ou matéria:
Øsubtítulo.ØTítulo do Jornal,ØLocal de publicação,Ødata da publicação
(diaØmêsØ(abreviado)Øano.ØCaderno, seção ou parte do jornal correspondente.
Disponível em:Ø.ØAcesso em: diaØmêsØano.
47
KENNEDY, Chuck. Obama na Casa Branca: começa uma era de desafios. Correio
do Povo, Porto Alegre, ano 114, n. 113 quarta-feira, 21 jan. 2009. Disponível em:. Acesso em: 21 jan. 2009.
CALLAHAN, Gene. O que é ciência? Jornal Mineiro de Psiquiatria, Belo Horizonte,
ano. 12, n. 28, ago. 2008. Disponível em:. Acesso em: 21 jan. 2009.
Artigo e/ou matéria em meio eletrônico sem autoria
A entrada é dada pelo título do artigo com a primeira palavra do título, escrita
com letras maiúsculas.
TÍTULO do artigo ou matéria: Øsubtítulo.ØTítulo do Jornal,ØLocal de
publicação,Ødata da publicação (diaØmêsØ(abreviado)Øano.ØCaderno, seção ou
parte do jornal correspondente. Disponível em:Ø.ØAcesso em: diaØmêsØano.
OBAMA pede suspensão de julgamentos em Guantánamo. Jornal do Brasil. Rio de
Janeiro, 21 jan. 2009. Disponível em:.
Acesso em: 21 jan. 2009.
5.2.3 Evento como um Todo
Conjunto de documentos gerados a partir de trabalhos apresentados em
Congressos, Encontros, Seminários, Conferências, considerados autores e tem a
entrada pelo nome do evento correspondente.
NOME DO EVENTO,Ønúmero do evento em arábico (se houver),Øano do evento,
ØLocal de realização do evento.ØTítulo do documento (anais, atas, tópico temático,
resumos, etc.).ØLocal de publicação:ØEditora,Ødata da publicação.
CONGRESSO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE, 2004.
Cruz Alta. Anais … Cruz Alta: Universidade de Cruz Alta, 2004. 142 p.
JORNADA DE PESQUISA, 4., 1999, Ijuí. Livro de resumos. Ijuí: Unijuí, 1999. 207 p.
48
Quando dois ou mais eventos são realizados simultaneamente e são
considerados colaboradores da obra publicada, devem seguir a mesma regra de
autoria pessoal.
CONGRESSO BRASILEIRO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE, 3.;
CONGRESSO NACIONAL DE CÍRCULOS DE CONTROLE DA QUALIDADE, 9.,
1993; Gramado. Anais … Novo Hamburgo: Associação Gaúcha para a Qualidade,
1993. 160 p.
5.2.3.1 Trabalho Apresentado em Evento
Descrição de trabalhos apresentados em eventos.
SOBRENOME DO AUTOR, Nome(s) do(s) autor(es).ØTítulo do trabalho.ØNOME
DO EVENTO,Ønúmero do evento em arábico (se houver),Øano do evento,ØLocal de
realização do evento.ØTítulo do documento (anais, atas, comunicações,
proceedings, resumos, tópico temático, etc.).ØLocal de publicação:ØEditora,Ødata
da publicação.Øpáginas inicial-final da parte referenciada.
BARRETO, A. R. Os trabalhadores do conhecimento: um novo profissional. In:
SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DO CONHECIMENTO/GESTÃO DE
DOCUMENTOS, 4. 2001, Curitiba. Anais… Curitiba: PUCPR/CITS, 2001. p. 199-218.
5.2.3.2 Evento como um Todo em Meio Eletrônico
Conjunto de documentos gerados a partir dos trabalhos apresentados em
Congressos, Encontros, Seminários, Conferências, acrescidos das informações
relativas à descrição física do meio eletrônico (CD-ROM, on-line, pen-drive)
SEMINÁRIO NACIONAL DE BIBLIOTECAS UNIVERSITÁRIAS (SNBU), 15. São
Paulo. Empreendedorismo e inovação: desafios da biblioteca universitária. São
Paulo, SP: Consórcio CRUESP Bibliotecas, 2008. 1 pen-drive.
CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM ENGENHARIA – COBENGE, 36.,
2008, São Paulo. Anais eletrônicos… São Paulo: Instituto Mauá de Tecnologia,
2008. Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2009.
49
5.2.3.2.1 Trabalho Apresentado em Evento em Meio Eletrônico
Descrição de trabalhos apresentados em eventos, acrescidas das
informações relativas à descrição física do meio eletrônico (CD-ROM, on-line, pendrive)
SILVEIRA, Maria Helena; MARTINS FILHO, Protásio Dutra. O engenheiro: professor
diante da educação. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE EDUCAÇÃO EM
ENGENHARIA – COBENGE, 36., 2008, São Paulo. Anais eletrônicos … São Paulo:
Instituto Mauá de Tecnologia, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2009.
5.2.4 Patente
Patentes são os registros de proteção dos direitos de um inventor.
ENTIDADE RESPONSÁVEL E/OU AUTOR.Øtítulo.Ønúmero da patente e datas (do
período de registro).
INTERAÇÃO MARCAS E PATENTES S/C. Fabia Ferreira Aguiar (BR/SP).
Processo para obtenção de corante vermelho para maquiagem e
caracterização. PI0700574-1, 6 fev. 2007.
5.2.4.1 Patente em Meio Eletrônico
Descrição das patentes, acrescidas das informações relativas à descrição
física do meio eletrônico (CD-ROM, on-line).
YOUNG, Niguel David; READHll, Surrey. Eletronic TFT device manufacture. US
EP 0797246 A1. 29 set. 1997. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2009.
50
5.2.5 Documento Jurídico
Compreende legislação, jurisprudência e doutrina.
5.2.5.1 Legislação
Constituição, emendas constitucionais, lei complementar, lei ordinária, medida
provisória, decretos, normas emanadas de entidades públicas e privadas (ato
normativo, portarias, resoluções, ordens de serviço, circular, entre outros).
JURISDIÇÃO (País, Estado ou Município).Øtítulo.Ønumeração,Ødata e dados da
publicação.
Ato Normativo
BRASIL. Tribunal Superior do Trabalho. Ato nº 801, de 23 de dezembro de 2008.
Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Judiciário, Brasília, DF,
ano 146, n.1, p. 67, 2 jan. 2009. Seção 1, pt.1.
Código Civil
BRASIL. Código civil. São Paulo: Vértice, 2005. 638 p. (Legislação acadêmicoforense)
BRASIL. Código civil, Código de processo civil, Constituição federal. Organização por
Anne Joyce Angher. 5. ed. São Paulo: Rideel, 2005. 1536 p. (Mini 3 em 1).
Constituição
BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil:
promulgada em 5 de outubro de 1988. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 1990.
BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de
outubro de 1988. Colaboração de Antonio Luiz de Toledo Pinto; Márcia Cristina Vaz
dos Santos Windt e Livia Céspedes. 41. ed., atual. e ampl. São Paulo: Saraiva,
2008. 368 p. (Saraiva de legislação).
51
Decreto
BRASIL. Decreto-Lei n° 1.413, de 14 de agosto de 19 75. Dispõe sobre o controle da
poluição do meio ambiente provocada por atividades industriais. In: MORAES, Luis
Carlos Silva de. Curso de direito ambiental. São Paulo: Atlas, 2001. p.169-170.
Instrução Normativa
BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Secretaria de Defesa
Agropecuária. Instrução normativa n º41, de dezembro de 2008. Diário Oficial [da]
República Federativa do Brasil, Poder Judiciário, Brasília, DF, ano 146, n. 1, p. 3-
4, 2 jan. 2009. Seção 1, pt. 1.
Lei Ordinária
BRASIL. Presidência da República. Lei nº 7.746, de 30 de março de 1989. Dispõe
sobre a composição e instalação do Superior Tribunal de Justiça, cria o respectivo
Quadro de Pessoal, disciplina o funcionamento do Conselho da Justiça Federal e dá
outras providências. In: ______. Superior Tribunal de Justica. STJ – Superior
Tribunal de Justiça: regimento interno. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 1992. p. 83-90.
Medida Provisória
BRASIL. Medida provisória nº 581, de 12 de agosto de 1994. Dispões sobre os
quadros de cargos de Grupo-Direção e Assessoramento Superiores da Advocacia
Geral da União. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, v.
132, n. 155, p. 12246, 15 ago. 1994. Seção 1, pt. 1.
Portaria
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Portaria nº 322 de 16 de abril de
1998. Consulex: Leis e Decisões, Brasília, v. 2, n. 18, jun. 1998.
Resolução
BRASIL. Ministério da Integração Nacional. Secretaria Executiva. Departamento de
Gestão dos Fundos de Investimentos. Resolução n º 37, de 29 de dezembro de 2008.
Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Judiciário, Brasília, DF,
ano 146, n. 1, p. 32, 2 jan. 2009. Seção 1, pt. 1.
5.2.5.2 Jurisprudência
Súmulas, enunciados, acórdãos, sentenças e demais decisões judiciais.
JURISDIÇÃO (País, Estado ou Município) eØórgão judiciário competente.Ø
título(natureza da decisão ou ementa).Ønúmero,Øpartes envolvidas (apelante, apelado,
recorrente e recorrido, se houver).ØRelator,Ølocal data eØdados da publicação.
52
Acórdãos
BRASIL. Tribunal Regional Federal (2. Região). Recurso em sentido estrito nº
2005.50.01.003452-8. Recorrente: Ministério Público Federal. Recorrido: Wilson
Nunes de Carvalho. Relator: Desembargadora Federal Liliane Roriz. Rio de Janeiro,
14 de outubro de 2008. Revista IOB Trabalhista e Previdenciária, Porto Alegre,
ano 20, n. 234, p. 161-165, dez. 2008.
PARANÁ. Tribunal de Justiça. Apelação cível nº 505.725-2/Cascavel. Apelante:
Município de Cascavel. Apelado: Márcio Telles Cordeiro. Relator: Juiz Rogério
Ribas. Curitiba, 23 de setembro de 2008. Revista IOB Trabalhista e
Previdenciária, Porto Alegre, ano 20, n. 234, p. 131-135, dez. 2008.
Súmula
BRASIL. Supremo Tribunal de Justiça. Súmula nº 27, de 12 junho de1991. Pode a
execução fundar-se em mais de um título extrajudicial relativos ao mesmo negócio.
In: BUSSADA, Wilson. Súmulas do Superior Tribunal de Justiça: acórdãos de
origem e sentenças decorrentes. 2. ed. São Paulo: Jurídica Brasileira, 1995. v. 1. p.
492-500.
5.2.5.3 Doutrina
Qualquer discussão técnica sobre questões legais, publicada em artigos de
periódico, monografias, papers, entre outros, da área do Direito referenciado,
conforme o tipo de documento.
CAMPOS, Alexandra Santana; CAMPOS, Marcelo. A Lei de Execução Fiscal após a
as alterações do CPC: aspectos doutrinários e jurisprudenciais. Revista Tributária e
de Finanças Públicas, São Paulo, ano 16, n. 82, p. 9-20, set./out. 2008.
CARMONA, Carlos Alberto. Ensaio sobre a sentença arbitral parcial. Revista de
Processo, São Paulo, ano 33, n. 165, p. 9-28, nov. 2008.
5.2.5.4 Documento Jurídico em Meio Eletrônico
Descrição dos documentos jurídicos – legislação, jurisprudência e doutrina –
acrescidos das informações relativas à descrição física do meio eletrônico (CDROM,
on-line).
53
Decretos
BRASIL. Decreto nº 6.341, de 3 de janeiro de 2008. Dá nova redação a dispositivos
do Anexo I e altera o Anexo II, “a”, do Decreto nº 5.063, de 3 de maio de 2004, que
aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão
e das Funções Gratificadas do Ministério do Trabalho e Emprego. Diário Oficial da
União, Brasília, 4 jan. 2008. Disponível em:. Acesso em: 12 jan. 2009.
BRASIL. Decreto nº 5.553, de 3 de outubro de 2005. Altera os Anexos V, VI, IX e X
do Decreto nº 5.379, de 25 de fevereiro de 2005, que dispõe sobre a programação
orçamentária e financeira e estabelece o cronograma mensal de desembolso do
Poder Executivo para o exercício de 2005, e dá outras providências. Diário Oficial da
União, Brasília, 4 nov. 2005. Seção 1, p. 1. Biblioteca Digital Lex: Legislação
federal e marginalia, São Paulo, t. 10, p. 1986, jan./out. 2005. 1 CD-ROM.
Leis
BRASIL. Presidência da República. Lei nº 11.899, de 8 de janeiro de 2009. Institui o
Dia Nacional da Leitura e a Semana Nacional da Leitura e da Literatura. Brasília, 8
de janeiro de 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 jan. 2009.
BRASIL. Presidência da República. Lei nº 11.187, de 19 de outubro de 2005. Altera
a Lei nº 5.869, de 11 de janeiro de 1973 – Código de Processo Civil, para conferir
nova disciplina ao cabimento dos agravos retido e de instrumento, e dá outras
providências. Diário Oficial da União, Brasília, 20 nov. 2005. Seção 1, p. 1.
Biblioteca Digital Lex: Legislação federal e marginalia, São Paulo, t. 10, p. 2062,
jan./out. 2005. 1 CD-ROM.
Portarias
BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância Sanitária. Portaria nº 27, de
13 de janeiro de 1998. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 16
jan. 1998. Disponível em: . Acesso em: 29 set. 2008.
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria nº 29, de 13 de janeiro
de 1998. Diário Oficial da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 30 mar. 1998.
Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2009.
BRASIL. Ministério do Turismo. Gabinete do Ministro. Portaria nº 109-B, de 11 de
outubro de 2005. Aprova o Regimento Interno do Ministério do Turismo. Diário Oficial
da União. Poder Executivo, Brasília, DF, 24 nov. 2005. Seção 1, p. 60. Biblioteca
Digital Lex: Legislação federal e marginália, São Paulo, t. 10, p. 7173, jan./out.
2005. 1 CD-ROM.
54
Resolução
BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 12, de 02 de
janeiro de 2001. Aprova o Regulamento Técnico sobre padrões microbiológicos para
alimentos. Diário Oficial da União. Poder Executivo, de 10 de janeiro de 2001.
Disponível em: . Acesso em: 13 jan. 2009.
Acórdãos
RIO GRANDE DO SUL. Tribunal Regional do Trabalho (4. Região). Recurso
Ordinário nº 01682-2004-203-04-00-3. Recorrente: Pedro Eduardo Silveira Dutra da
Silva. Recorrido: Bimex Transportes Comercial Importadora e Exportadora Ltda.
Relator: Juiz Hugo Carlos Scheuermann. Porto Alegre, 08 de março de 2006.
Disponível em: . Acesso em: 14 jan. 2009.
RIO GRANDE DO SUL. Tribunal Regional do Trabalho (4. Região). Apelação Cível
nº 2004.71.15.002745-8/RS. Execução fiscal. Nulidade da citação por edital.
Domicílio necessário. Prescrição. Ocorrente. Apelante: União Federal (Fazenda
Nacional). Apelado: Antônio José Alves Antunes. Relator: Desembargador Federal
Vilson Darós. Porto Alegre, 30 de maio de 2007. Revista do Tribunal Regional
Federal: Quarta Região. Porto Alegre, ano 18, n. 65, 2007. 1 CD-ROM.
Súmulas
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 702. A competência do Tribunal de
Justiça para julgar prefeitos restringe-se aos crimes de competência da justiça
comum estadual; nos demais casos, a competência originária caberá ao respectivo
tribunal de segundo grau. Disponível em:.
Acesso em: 13 jan. 2009.
BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula nº 1. É inconstitucional a exigência do
empréstimo compulsório instituído pelo artigo 10 do Decreto-Lei 2.288, de 1986, na
aquisição de veículos de passeio e utilitários.” (DJ 02.10.91, p.24184). Revista do
Tribunal Regional Federal: Quarta Região. Porto Alegre, ano 18, n. 1-66, 2007. 1
CD-ROM.
Doutrina
SANTOS, Douglas Dall Cortivo dos. O recente posicionamento do Superior Tribunal
de Justiça e o reconhecimento da possibilidade de conversão do tempo de serviço
especial em comum após 28.05.1998. Revista de Doutrina da 4ª Região, Porto
Alegre, n. 27, dez. 2008. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2009.
LENZ, Carlos Eduardo Thompson Flores. Revogação da doação por inexecução do
encargo (análise do art. 562 do Código Civil). Revista do Tribunal Regional
Federal: Quarta Região. Porto Alegre, ano 18, n. 65, 2007. 1 CD-ROM.
55
5.2.6 Imagem em Movimento
Inclui filmes, DVDs, videocassetes, entre outros.
TÍTULO.ØDiretor,ØProdutor.ØLocal:ØProdutora,Ødata eØespecificação do suporte
físico.
PREVENÇÃO de incêndios: não há segunda chance. Curitiba: Coastal, 1997. 1
videocassete (20 min), VHS, son., color.
Quando necessário, acrescentam-se elementos complementares: diretor,
produtor, intérpretes, roteirista, música, entre outros.
DVD
O DIÁRIO de Bridget Jones. Direção: Sharon Maguire. Intérpretes. Renée Zellweger;
Hugh Grant; Colin Firth. [S.l.]: Universal Studios, 2005. 1 DVD (97min), son., color.
FITA DE VÍDEO
SHAKESPEARE apaixonado. Direção: John Madden. Intérpretes: Joseph Fiennes;
Gwyneth Paltrow; Geoffrey Rush; Judi Dench. [S.l.]: Universal Studios, 1998. 1
videocassete (122 min), VHS, son., color.
5.2.7 Documento Iconográfico
Abrange pintura, gravura, ilustração, fotografia, desenho técnico, diapositivo,
transparência, cartaz, entre outros.
SOBRENOME DO AUTOR, Nome (s) do autor.ØTítulo (quando NÃO existir deve-se
atribuir uma denominação. Sem título entre colchetes).Ødata eØespecificação do
suporte.
Desenho técnico
Amaral, José da Costa. Proposed general arrangement of machinery for new
ironclad vessed. 1883. 1 planta : desenho a nanquim, p&b; 68,2 cm x 172,6 cm em
f. 74,5 cm x 178,5 cm.
56
Fotografia
FORMANDOS de direito, turma 2007/Universidade do Vale do Rio dos Sinos. São
Leopoldo, RS, 2007. 1 fotografia, color., 18 cm x24 cm.
Pintura
BARRENECHEA, Alejandro. Maternidade. 1976. 1 original de arte, óleo sobre tela,
34cm x 27cm. Coleção particular.
Serigrafia
Homenagem ao cinema brasileiro. [Rio de Janeiro]: Lithos Edições de Arte, 1993. 1
porta-fólio [8]f. + 10 gravuras, serigrafia, color, 70,3 cm x 50 cm.
Transparência
WILSON, M. Writting for business. 1987. 27 transparências, p&b.
5.2.6.1 Documento Iconográfico em Meio Eletrônico
Pintura, gravura, ilustração, fotografia, desenho técnico, diapositivo,
transparência, cartaz, entre outros, acrescidas das informações relativas à descrição
física do meio eletrônico (CD-ROM, on-line).
STOCKDALE, René. When’s recess? [2002?]. 1 fotografia ; color. Disponível em:
. Acesso em 12 jan. 2009.
VASO.TIFF. 1999. Altura: 1083 pixels. Largura: 827 pixels. 300 dpi. 32 BIT CMYK.
3,5 Mb. Formato TIFF bitmap. Compactado. Disponível em: .
Acesso em: 28 out. 1999.
5.2.8 Documento Cartográfico
Atlas, mapa, globo, fotografia aérea.
SOBRENOME,ØNome (s) do(s) autor(es), Entidade ou Jurisdição.ØLocal:Ø Editora,
Ødata de publicaçãoØdesignação específica e escala.
57
Mapas
MICHALANY, Douglas; PEREIRA, Jorge Carvalho; RIBEIRO, Álvaro. Mapa-múndi:
político, didático. São Paulo: Michalany, 1998. 1 mapa, color., 75 cm x 112 cm.
Escala 1:32.000.000.
BAHIA. Secretaria do Planejamento, Ciência e Tecnologia Superintendência de
Estudos Econômicos e Sociais. Territórios de identidade: Estado da Bahia.
Salvador: Secretaria do Planejamento, 2007. 1 mapa, color. Escala: 1:2.000.000.
BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Departamento Nacional da Produção
Mineral. Carta geológica do Brasil ao milionésimo: Uruguaiana sg.21. Brasília:
Departamento Nacional da Produção Mineral, 1974. 1 mapa, color., 61 cm x 86 cm.
Escala 1:1.000.000.
Atlas
ATLAS do Brasil: geral e regional. Rio de Janeiro: IBGE, 1960. 1 atlas (705 p.), 69
mapas.
5.2.8.1 Documento Cartográfico em Meio Eletrônico
Descrições de atlas, mapa, globo, fotografia aérea, acrescidas das
informações relativas à descrição física do meio eletrônico (CD-ROM, on-line).
BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Serviço Geológico do Brasil (CRPM). Carta
Geológica do Brasil ao Milionésimo: sistema de informações geográficas-SIG.
Brasília: CPRM, 2004. 41 CD ROMs.
BRASIL. Ministério de Minas e Energia. Serviço Geológico do Brasil (CRPM). Mapa
Geológico da América do Sul de 1854. Disponível em:.
Acesso em: 22 jan. 2009.
5.2.9 Documento Sonoro no Todo
SOBRENOME DO COMPOSITOR, INTÉRPRETE,ØNome (s).Øtítulo.ØLocal:
Øgravadora,Ødata e especificação do suporte.
58
CALCANHOTO Adriana. Perfil: os maiores sucessos. Barueri, SP: Som Livre, 2001.
1 CD-ROM (47 min).
FAGNER, Raimundo. Revelação. Rio de Janeiro: CBS, 1 cassete sonoro (60min),
3 ¾ pps, estéreo.
5.2.9.1 Documento Sonoro em Parte
Segue o mesmo modelo de documentos escritos em partes, inclusive, com o
uso da expressão latina In:
SOBRENOME DO COMPOSITOR, INTÉRPRETE,ØNome (s) da parte (faixa de
gravação)ØTítulo seguida expressão In:Øe da referência do documento sonoro no
todo.
GINO, A. Toque macio. Intérprete: Alcione. In: ALCIONE. Ouro e cobre. São Paulo:
RCA Victor, 1988. 1 disco sonoro, Lado A, faixa 1.
5.2.10 Partitura
Inclui partituras impressas.
SOBRENOME,ØNome (s).Øtítulo.ØLocal:Øeditora,Ødata.ØDesignação específica e
instrumento a que se destina
SCHUBERT, Franz. Sinfonia inacabada: trechos de filmes. São Paulo: Irmão Vitale,
[197-?]. 1 partitura (4 p.). Piano.
VILLA-LOBOS, Heitor. Bachianas brasileiras nº 5: para canto e orquestra de
violoncelo. São Paulo: Irmão Vitale, c1978. 1 partitura (23 p.). Canto e orquestra.
59
5.2.10.1 Partitura em Meio Eletrônico
Descrição de partituras, com informações relativas à descrição física do meio
eletrônico (CD-ROM, on-line).
SANGALO, Ivete. Quando a chuva passar. 1 partitura. Disponível em:
. Acesso em: 19
jan. 2009.
5.2.11 Documento Tridimensional
Inclui maquetes, esculturas, fósseis, esqueletos, animais empalhados,
monumentos e outros.
AUTOR (quando for possível, identificar o criador artístico do objeto) SOBRENOME,
ØNome (s).Øtítulo (quando não existir, deve-se atribuir uma denominação ou
indicação sem título, entre colchetes.Ødata.Øespecificação do objeto.
MEDALHA Rubens Borba de Moraes: honra ao mérito bibliotecário. Brasília:
Jannuzzi Indusbrinde, 1987. 1 medalha, metal folheado ouro, 5 cm de diâmetro em
estojo, 10 cm x 10 cm x 3 cm.
AMORIM, Carla. Brinco água. 2002. 1 par de brincos, ouro (18k), topázio azul (64
pedras), 7 cm de altura. Coleção Natal 2002.
5.2.12 Documentos de Acesso Exclusivo em Meio Eletrônico
Arquivo em Disquete
200 PERGUNTAS e respostas publicadas na Revista Globo Ciência. São Paulo:
Globo, 1999. 1 disquete (303 bytes), 3 ½ pol. Word for Windows 7.0.
Banco de dados
SISTEMA de Informação de Aves do Brasil: banco de dados. Disponível em:
. Acesso em: 19
jan. 2009.
60
Brinquedo interativo em CD-ROM
MOGLI o menino lobo. Burbank, CA: Walt Disney, 2008. 1 CD-ROM. Acompanha
manual do usuário.
CD-ROM
APRIMORAMENTO profissional em psicologia: biblioteca virtual, base de dados e
periódicos científicos brasileiros: modo de usar. Brasília: Conselho Federal de
Psicologia, 2002.1 CD-ROM.
BARSA CD: versão 3.1. São Paulo: Barsa Planeta Internacional, 2003. 2 CD-ROMs.
Homepage institucional
BIBLIOTECA Unisinos. Disponível em: . Acesso
em: 19 jan. 2009.
Mensagem pessoal (e-mail)
CORREA, R. Dúvidas NBR14724 [mensagem pessoal]. Mensagem recebida por
em 4 out. 2004.
Atenção: mensagens trocadas por e-mail são informais, interpessoais,
efêmeras e desaparecem rapidamente, logo, não recomendáveis como fonte
científica. Devem ser usadas somente quando não houver outra fonte de
informação, para abordar o assunto em discussão.
5.3 TRANSCRIÇÃO DOS ELEMENTOS
A apresentação das informações que compõem uma referência aplica-se a
qualquer tipo de documento, entretanto, deve obedecer a determinadas regras,
visando à padronização quanto à redação, à pontuação consistente e ao destaque
tipográfico, para todas as referências incluídas em uma publicação ou lista.
61
5.3.1 Autor pessoal
Indica(m)-se o(s) autor(es), pelo último sobrenome, em CAIXA ALTA (letras
maiúsculas), seguido(s) do(s) prenome(s) e outros sobrenomes. O sobrenome
deverá ser separado dos outros nomes por vírgula, seguido de espaço.
Obra com um (1) autor:
FAUSTO, Boris. O pensamento nacionalista autoritário: (1920-1940). Rio de
Janeiro: Jorge Zahar, c2001.
Obra com dois (2) autores: (separados por ponto-e-vírgula, seguido de
espaço).
KRUGMAN, Paul R.; OBSTFELD, Maurice. International economics: theory and
policy. 4th ed. Reading: Addison-Wesley, 1997.
Obra com três (3) autores: (mencionam-se todos na entrada, separados por
ponto-e-vírgula, seguido de espaço)
KRUGMAN, Saul; WARD, Robert; KATZ, Samuel L. Doenças infecciosas em
pediatria. 6. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 1985.
Em obra com mais de três autores, menciona-se APENAS o primeiro,
acrescentando a expressão et al. (e outros).
ATKINSON, Rita L. et al. Introdução à psicologia de Hilgard. 13. ed. Porto Alegre:
ARTMED, 2002.
Quando houver outros tipos de responsabilidade, como no caso de
coletâneas de vários autores, o autor referenciado é o responsável intelectual,
organizador(es), coordenador(es), editor(es), compilador(es). A palavra que
caracteriza a responsabilidade deve ser escrita abreviada, no singular, entre
parênteses e somente com a inicial em letra maiúscula.
MELO, José Marques de; SATHLER, Luciano (Org.). Direitos à comunicação na
sociedade da informação. São Bernardo do Campo: Universidade Metodista de
São Paulo, 2005.
MARCONDES, Eduardo; LIMA, Ilda Nogueira de (Coord.). Dietas em pediatria
clínica. 2. ed. São Paulo: Sarvier, 1981. 302 p. (Monografias médicas. Pediatria; 13).
62
5.3.2 Autor Entidade (Órgãos governamentais, Empresas, Associações,
Congressos)
As obras com responsabilidade de entidade (empresas, órgãos
governamentais, associações, congressos, seminários, entre outros) têm entrada
pelo seu próprio nome, por extenso.
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e
documentação: referências – elaboração. Rio de Janeiro, 2002.
CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 23., 2000,
Manaus. Anais… Manaus: INTERCOM, 2000. 1 CD-ROM.
UNIVERSIDADE DO VALE DO RIO DOS SINOS. Balanço social 2004. São
Leopoldo, 2005.
Quando a entidade tem uma denominação genérica, seu nome é precedido
pelo nome do órgão superior.
BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Carvão mineral no Rio Grande do Sul.
Brasília: CPRM, 1979. 17 p. (Do carvão mineral, 9).
SÃO LEOPOLDO. Prefeitura Municipal. Lei orgânica do município de São
Leopoldo. São Leopoldo, 1990.
Quando a entidade estiver vinculada a um órgão maior, com uma
denominação que a identifica, a entrada é feita diretamente pelo seu nome, em caixa
alta. Em caso de duplicidade de nomes, coloca-se entre parênteses, no final, o nome
da unidade geográfica (país, estado ou município) a que pertence.
BIBLIOTECA NACIONAL (Brasil). Um foco de vida: Fundação Biblioteca Nacional,
agosto de 1996 a agosto de 1999. Rio de Janeiro: FBN, [1999?]. 46 p., il., color., 24cm.
BIBLIOTECA NACIONAL (España). Lista de obras ingresadas en la Biblioteca
Nacional desde la liberación de Madrid hasta 1940. Madrid: [s.n.], 1940. 256 p.
63
5.3.3 Autoria desconhecida
Em obras sem autoria, a entrada é feita pelo título; a primeira palavra deve
ser escrita em letras maiúsculas. Não deve ser usado o termo anônimo. Neste caso,
o título não recebe destaque (negrito, itálico ou sublinhado).
DICIONÁRIO de alemão-português. 1. ed. Porto: Porto, 2000. 959 p.
5.3.4 Título e subtítulo
O título e o subtítulo devem ser reproduzidos tal como figuram no documento.
O título é separado do subtítulo por dois pontos.
GATTAI, Zélia. Crônica de uma namorada: e de uma família paulista nos anos
cinqüenta. Rio de Janeiro: Record, 1995. 221 p.
Destaca-se o título, utilizando-se negrito, itálico ou sublinhado; o subtítulo
nunca é destacado e deve ser escrito com letras minúsculas.
Em títulos e subtítulos muito longos, podem-se suprimir as últimas palavras,
tanto do título, quanto do subtítulo, utilizando-se reticências, desde que não se altere
o sentido.
PORTO ALEGRE. Intendência Municipal; ROCHA, Octavio Francisco da. Relatório
apresentado ao conselho municipal pelo intendente eng. Octavio Francisco da
Rocha… Porto Alegre: A Federação, 1926. 409 p.
Ao referenciar-se um periódico considerando a coleção, o título deve ser o
primeiro elemento da referência, devendo figurar em letras maiúsculas. Quando os
periódicos possuírem títulos genéricos, incorpora-se o nome da entidade/ autora ou
editora, que se vincula ao título, por uma preposição entre colchetes.
REVISTA BRASILEIRA DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO. São Paulo: INTERCOM,
1998-2005.
Quando necessário, os títulos dos periódicos podem ser abreviados,
conforme as determinações da NBR 6032 Abreviação de títulos de periódicos e
publicações seriadas: procedimentos.
64
ODDONE, María Cristina; VELASCO, Gonzalo. Relationship between liver weight,
body size and reproductive activity in Atlantoraja cyclophora (Elasmobranchii:
Rajidae: Arhynchobatinae) in oceanic waters off Rio Grande do Sul, Brazil. Neotrop.
biol. conserv., São Leopoldo, v. 1, n. 1 , p. 12-16, 2006.
Quando não existir título, atribui-se uma palavra ou frase que identifique o
conteúdo do documento, entre colchetes.
SIMPÓSIO BRASILEIRO DE AQÜICULTURA, 1., 1978. Recife. [Trabalhos
apresentados]. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 1980. 412 p.
5.3.5 Edição
Indica-se a edição em algarismos arábicos, seguidos da abreviatura da
palavra edição (ed.) no idioma correspondente. Se a primeira edição constar na
obra, esta deve ser indicada.
Os numerais ordinais devem ser registrados de acordo com língua do
documento, da seguinte forma:
Em obras em língua portuguesa:
segunda edição = 2. ed.
terceira edição = 3. ed.
quarta edição = 4. ed.
quinta edição revista = 5. ed. rev.
Em obras em língua inglesa:
first = 1st ed.
second = 2nd ed.
third = 3rd ed.
fourth = 4th ed.
fifth = 5th ed.
Em obras em língua francesa:
première = 1 re ed.
deuxième = 2 e ed.
65
troisième = 3e ed.
quatrième = 4e ed.
cinquième = 5e ed.
Em obras em língua alemã:
Erster = 1. ed.
Zweiter = 2. ed.
Dritter = 3. ed.
Vierter = 4. ed.
Fünfte = 5. ed.
Em obras em língua italiana:
prima = 1ª ed.
Seconda = 2ª ed.
terza = 3ª ed.
quarta = 4 ª ed.
quinta = 5 ª ed.
Se não puder ser determinada a forma usada pela língua, usa-se 1., 2. ,3.
5.3.6 Local
O local é indicado conforme aparece no documento. Em caso de cidades
homônimas, acrescenta-se a sigla do Estado e/ou nome do país.
Quando houver mais de um local para uma só editora, indica-se o primeiro ou
o mais destacado. Quando o nome da cidade não aparece no documento, mas pode
ser identificada, indica-se entre colchetes [ ], quando é impossível identificar a
cidade, indica-se entre colchetes a expressão [S.l.] (sine loco = sem local).
66
5.3.7 Editor(a)
O nome da editora deve ser transcrito tal como figura no documento;
abreviam-se os prenomes e suprimem-se os elementos de natureza jurídica ou
comercial, desde que dispensáveis à identificação.
BAUMAN, Zygmunt. Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2006. 170 p.
(na obra Jorge Zahar Editores)
HELENE, Otaviano A. M.; VANIN, Vito R. Tratamento estatístico de dados em
física experimental. São Paulo: E. Blücher, 1981.
(na obra Edgard Blücher Editora)
Quando houver duas editoras, indicam-se ambas, com seus respectivos
locais (cidades); se forem mais de três, indica-se a primeira ou a que estiver em
destaque.
Quando for impossível identificar a editora, coloca-se entre colchetes a
expressão [s.n.] (sine nomine = sem nome).
BOITEUX, Colbert Demaria. Administração de projetos. Rio de Janeiro: [s.n.], 1977.
Quando for impossível identificar o local e a editora na publicação, utilizam-se
as expressões abreviadas entre colchetes [ S.l.: s.n.].
GONÇALVES, F. B. A história de Mirador. [S.l.: s.n.], 1993.
5.3.8 Data
O ano da publicação deve ser transcrito em algarismos arábicos, sem
espaçamento ou pontuação entre os respectivos algarismos.
A data deve ser sempre indicada, seja ela de publicação, distribuição,
copirraite (copyright), impressão ou apresentação (trata-se de um elemento
essencial).
67
Não podendo determinar-se a data de publicação, distribuição, copirraite
(copyright), impressão ou apresentação, registra-se uma data aproximada entre
colchetes, conforme indicado:
[1971 ou 1972] um ano ou outro
[1969?] data provável
[1973] data certa, não indicada
[entre 1906 e 1912] usa-se em intervalos menores de 20 anos
[ca. 1960] data aproximada
[197-] década certa
[197-?] década provável
[18–] século certo
[18–?] século provável
Em publicações periódicas, quando se tratar de publicação encerrada, indicase
a data inicial e final do período de edição.
REVISTA DE DIREITO PÚBLICO. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1967-1991.
Trimestral.
Para as coleções correntes, indica-se apenas a data inicial, seguida de hífen,
um espaço e ponto final.
BABÉLIA. São Leopoldo: UNISINOS. Curso de Ciências da Comunicação, 2004-.
Duas vezes por ano.
Os meses devem ser abreviados no idioma da publicação (ver anexo A).
Se a publicação indicar, em lugar dos meses, as estações do ano (que devem
ser escritas por extenso), ou as divisões do ano em trimestre, semestre, entre
outras, devem ser abreviadas.
GRANT, Carl A.; GRAUE, M. Elizabeth. (Re)viewing a review: a case history of the
Review of educational research. Review of Educational Research, [S.l.], v. 69 n. 4,
p. 384-96, winter, 1999.
PIRES, Renato. Fábrica de estratégias. Marketing, São Paulo, v. 36, n. 348, p. 32-
35, 2. sem. 2002.
68
5.3.9 Descrição Física
A indicação do número de páginas é considerada um elemento
complementar. Registra-se o número da última página, folha, coluna na forma em
que aparece no documento (algarismos arábicos e romanos ou letras).
MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica. 4.
ed. São Paulo: Atlas, 2006. 305 p.
FAWCETT, Jack B. (Org.). An american reader. Rio de Janeiro: Agência de
Corretagem de Livros e Revistas, 1958. vi, 286 p.
Quando o documento é impresso nos dois lados da folha, é considerado
como “página”; utiliza-se, neste caso, a abreviatura “p.” Quando for impresso
somente no anverso da folha (projetos, tccs, teses e dissertações), utiliza-se a
abreviatura “f.”
SCHENKEL, Silvana. Aspectos econômicos e propostas para o ingresso de
empresas moveleiras gaúchas no mercado alemão. 2007. 121 f. Dissertação
(Mestrado em Administração) — Programa de Pós Graduação em Administração,
Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS, 2007.
Quando o documento for publicado em mais de um volume, indica-se o
número de volumes, seguido da abreviatura “v.”.
HEGENBERG, Leônidas. Etapas da investigação científica. São Paulo: E.P.U.,
1976. 2 v.
Se somente um dos volumes será referenciado, coloca-se a abreviatura “v.”
antes do número do volume.
DINIZ, Maria Helena. Curso de direito civil brasileiro. 14. ed. São Paulo: Saraiva,
2000. v. 2.
Partes ou capítulos de uma obra ou de um artigo de periódico devem ser
referenciados com a indicação das páginas (folhas) inicial e final, separadas por
hífen, precedidos da abreviatura “f.” ou “p.”.
MUELLER, Suzana Pinheiro Machado. A ciência, o sistema de comunicação
científica e a literatura científica. In.: Campello, Bernadete Santos; Cendón, Beatriz
Valadares; Kremer, Jeannette Marquerite (Org.). Fontes de informação para
69
pesquisadores e profissionais. Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas
Gerais, 2000. cap. 1, p. 21-34.
CULLETON, Alfredo. Por que e onde buscar um princípio fundador para os direitos
humanos? Estudos Jurídicos, v. 40, n. 2, p. 57-59, jul./dez. 2007.
Quando a publicação não for paginada ou a numeração de páginas for
irregular, indicam-se por extenso: não paginado; paginação irregular; por extenso.
SISTEMA de ensino Tamandaré: sargento do Exército e da Aeronáutica. [Rio de
Janeiro]: Colégio Tamandaré. 1993. Não paginado.
ROITT, Ivan M.; BROSTOFF, Jonathan; MALE, David. Imunologia. São Paulo:
Manole, 1997. Paginação irregular.
5.3.10 Ilustrações
Em ilustrações de qualquer natureza, utiliza-se a abreviatura il.,; para
ilustrações coloridas, utiliza-se il. color. A pontuação utilizada é a vírgula, após a
descrição física do documento.
NUNES, Lygia Bojunga. A bolsa amarela. Rio de Janeiro: Agir, 1976. 115 p., il. color.
Quando a publicação consistir predominantemente de ilustrações, utiliza-se
os termos somente il., ou principalmente il., conforme o mais apropriado para o
documento.
CHUEIRE, Célia. Marca angelical. Ilustração Luciane Fadel. Petrópolis: Vozes,
1993. 18 p., somente il.
BATISTA, Zizinha; CASTANHA, Marilda. O foguete do Guido. São Paulo: Ed. do
Brasil, 1991. 15 p., principalmente il. color. (Tati-Bitati ).
5.3.11 Séries e Coleções
Indicam-se, entre parênteses, os títulos das séries ou coleções, separados,
por vírgula, da numeração, em algarismos arábicos, se houver.
70
LOURENÇO FILHO, M. B. Educação comparada. 3. ed. Brasília: Inep/MEC, 2004.
250 p. (Coleção Lourenço Filho, 7).
CRUZ, Ernesto. História de Belém. Belém: Universidade Federal do Pará –
Biblioteca de Pós-Graduação e pesquisa – Centro de Letras e Artes, 1973. 491 p.
(Amazônica. Série José Veríssimo, 2).
5.3.12 Notas
Quando houver necessidade de acrescentar informações complementares,
devem ser incluídas, ao final da referência, sem destaque tipográfico.
Nas teses, dissertações e outros trabalhos acadêmicos, devem ser indicados
em nota: os tipos de documento (tese, dissertação, trabalho de conclusão, trabalho
de conclusão de curso de especialização), seguido pelo grau conferido, área de
conhecimento, área de concentração entre parênteses, vinculação acadêmica, local
e data da defesa (essa informação é retirada da folha de aprovação, se houver).
KRAUSPENHAR, Patrícia Maria. Análise de palinofácies no cretáceo superior da
bacia de Santos, Brasil. 2008. 114 f. Dissertação (Mestrado) — Programa de Pós-
Graduação em Geologia. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, São Leopoldo, RS,
2008.
Em documentos traduzidos, indica-se o título ou o idioma do original, se
mencionado na obra.
MARQUIS, Bessie L. Administração e liderança em enfermagem: teoria e prática.
Tradução Regina Garcez. 4. ed. Porto Alegre: ARTMED, 2005. 476 p. Tradução de:
Leadership roles and management functions in nursing: theory and application.
No caso de tradução feita com base em outra tradução, indica-se, além da
língua do texto traduzido, a do texto original.
UTZ, Arthur Fridolin. Ética social. Tradução direta do espanhol de Alejandro Ros e
Carlos Latorre Marin. Barcelona: Herder, 1961-1965. 2 v. Tradução do original espanhol.
As separatas devem ser transcritas como aparecem na publicação.
71
CAVALCANTI, José Paulo. A falsa posse indireta. 2. ed. Recife: Fundação Antônio
dos Santos Abranches, 1990. 54 p. Separata de: Revista do Instituto dos
Advogados de Pernambuco, Pernambuco, v.1, n. 1, 1990.
No caso de entrevistas, mesmo quando a entrada for feita pelo nome do
entrevistado ou do entrevistador, deve ser registrado em nota que se trata de uma
entrevista.
HENDERSON, Hazel. Uma nova referência para a economia mundial. São
Leopoldo, 2005. Entrevista concedia a Silvana Wuttke em 23 maio 2005. Disponível
em: http://www.unisinos.br/juonline/index.php/entrevista/23.05.2005/uma-novareferencia-
para-a-economia-mundial>. Acesso em: 23 jan. 2009.
Outras notas, consideradas de interesse para a identificação e a localização
da fonte de pesquisa, podem ser acrescentadas às já mencionadas.
Exemplos:
MORAES FILHO, Evaristo de. O problema de uma sociologia do direito. Rio de
Janeiro: Renovar, 1997. 248 p. Edição fac-similar da de 1950.
NOVO guia de apoio ao vestibulando. São Paulo: DCL, [1999]. 127 p. Acompanha
disquete.
RESPRIN: comprimidos. Responsável técnico Delosmar R. Bastos. São José dos
Campos: Johnson & Johnson, 1997. Bula de remédio.
GAFO FERNÁNDEZ, Javier. 10 palabras clave en bioética. 5. ed. Navarra: Verbo
Divino, 2000. 385 p. Inclui bibliografia.
LAFETÁ, João Luiz. 1930: a crítica e o modernismo. São Paulo: Duas Cidades,
1930. 213 p. Inclui bibliografia e índice.
BRASIL, Vinicius Doncato. Dano moral decorrente de acidente de trabalho.
Canoas, RS, 2005. 28 f. Trabalho acadêmico.
TREINAMENTO GroupWise: ferramenta de colaboração. São Leopoldo: [s.n.], 2007.
11 p. Apostila.
Almeida, Maria Cascão Ferreira de. Estruturas isostáticas. São Paulo: Oficina de
Textos, 2009. No prelo.
72
TIBA, Hilton et. al. Técnicas de confecção de protetores bucais. São Paulo, 2008.
Trabalho apresentado no 26 º Congresso Internacional de Odontologia, São Paulo,
jan. 2008.
ARRAIS, Raimundo. Do alto da torre da matriz, acompanhando a procissão dos
mortos: Câmara Cascudo como historiador da cidade do Natal. 2005. Trabalho
inédito
5.4 ORDENAÇÃO DAS REFERÊNCIAS
A ordenação das referências dos documentos citados em um trabalho deve
ser de acordo com o sistema utilizado para citação no texto, conforme instruções da
NBR 10520.
5.4.1 Sistema Alfabético
No sistema alfabético, as referências são reunidas no final do trabalho, do
artigo ou do capítulo, em uma única ordem alfabética, pelo sobrenome do autor ou
título da obra (no caso de obra sem autor).
Na ordenação, obras do mesmo autor referenciadas sucessivamente na
mesma página, podem ser substituída(s), nas referências seguintes à primeira, por
um traço sublinear (equivalente a seis espaços) e ponto.
BECHARA, Evanildo. Lições de português pela análise sintática. 11. ed. Rio de
Janeiro: Grifo, 1978. 287 p.
______. Ensino da gramática. Opressão? Liberdade? 7. ed. São Paulo: Ática,
1993. 77 p. (Coleção princípios).
______. Moderna gramática portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.
645 p.
73
Na ordenação de obras do mesmo autor e mesmo título, referenciadas
sucessivamente na mesma página, porém, com edições diferentes, também podem
ser substituída(s) por um traço sublinear (equivalente a seis espaços) nas
referências seguintes à primeira, da seguinte forma:
DINIZ, Maria Helena. Código civil anotado. 8. ed. São Paulo: Saraiva, 2002. 1526 p.
______. ______.10. ed. São Paulo: Saraiva, 2004. 1722 p.
5.4.2 Sistema Numérico
Se for utilizado o sistema numérico no texto, a lista de referências deve seguir
a mesma ordem numérica crescente. O sistema numérico NÃO pode ser usado
concomitantemente para notas de referência e notas explicativas.
No texto:
“A questão central na sociedade contemporânea não é mais apenas o acesso
à informação, mas o uso da informação para fazer o que1?”
“O planejamento reduz riscos2, ao mesmo tempo em que tira proveito das
oportunidades”.
Na lista de referências:
1 BELLUZZO, Regina Célia Baptista. Construção de mapas desenvolvendo
competências em informação e comunicação. 2. ed. rev. atual. Buaru, SP: Cá
entre Nós, 2007. p. 23.
2 ALMEIDA, Maria Christina Barbosa de. Planejamento de bibliotecas e serviços
de informação. 2. ed. rev. ampl. Brasília, DF: Briquet de Lemos, 2005. p. 3.
74
6 CITAÇÕES EM DOCUMENTOS – NBR 10520:2002
Conforme a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2002b, p. 1), “citação
é a menção de uma informação extraída de outra fonte”.
A citação é usada para dar credibilidade ao trabalho científico, fornecer
informações a respeito dos trabalhos desenvolvidos na área da pesquisa e
apresentar pontos de vista semelhantes ou divergentes sobre o assunto de sua
pesquisa.
O autor do trabalho, ao iniciar a redação do texto, deve escolher um padrão
de apresentação das citações e segui-lo do início ao fim do trabalho.
Localização: As citações podem aparecer no texto ou em notas de rodapé.
6.1 FORMAS DE CITAÇÃO
As citações podem ser: diretas, indiretas ou citação de citação.
6.1.1 Citações Diretas
É a transcrição fiel de trechos da obra do autor consultado; a redação, a
ortografia e a pontuação são rigorosamente respeitadas.
Quando o autor citado é parte do texto, seu sobrenome é digitado com a
primeira letra em caixa alta (letra maiúscula) e as demais em letras minúsculas. A
data de publicação e a página da qual o texto foi extraído são apresentadas dentro
de parênteses.
Quando o autor não faz parte do texto, seu sobrenome é apresentado dentro
de parênteses, em letras maiúsculas, seguido do ano da publicação e da página da
qual o texto foi extraído.
75
Citações diretas com até três linhas: devem ser inseridas entre “aspas
duplas”, no texto. As aspas simples são utilizadas para indicar citação dentro de
citação.
– autor como parte do texto:
Conforme Almeida (2005, p. 32), “o projeto de avaliação envolve
planejamento, pesquisa e mudança”.
– autor não faz parte do texto:
O propósito de avaliar o desempenho, quer de um sistema organizacional,
quer de equipes de trabalho, necessita de alguma forma de medição que é um fator
inerente ao “funcionamento” dos mesmos, sendo assim, “o projeto de avaliação
envolve planejamento, pesquisa e mudança” (ALMEIDA, 2005, p. 32).
Quando apresentarem mais de três linhas, devem ser destacadas do texto
com recuo de 4 cm da margem esquerda, em espaço simples, com uma letra menor
do que a utilizada no texto e sem aspas. Devem ser precedidas e antecedidas por
dois espaços de 1,5 entrelinhas.
– autor como parte do texto:
Conforme afirma Campello (2000, p. 55),
a pesquisa científica é um processo complexo, e durante sua execução o
pesquisador assume diversas funções: a de líder de equipe, a de captador
de recursos, a de comunicador, dentre outras. A função de comunicador é
de fundamental importância nesse processo, pois o pesquisador precisa
estar constantemente atualizado em relação aos avanços de sua área,
inteirando-se do que outros cientistas estão fazendo e, por outro lado,
mostrando o que ele próprio está realizando, como forma de ter seu trabalho
avaliado pelos seus pares e de garantir a prioridade de suas descobertas.
– autor não faz parte do texto:
A pesquisa científica é um processo complexo, e durante sua execução o
pesquisador assume diversas funções: a de líder de equipe, a de captador
de recursos, a de comunicador, dentre outras. A função de comunicador é
76
de fundamental importância nesse processo, pois o pesquisador precisa
estar constantemente atualizado em relação aos avanços de sua área,
inteirando-se do que outros cientistas estão fazendo e, por outro lado,
mostrando o que ele próprio está realizando, como forma de ter seu trabalho
avaliado pelos seus pares e de garantir a prioridade de suas descobertas
(CAMPELLO, 2000, p. 55).
6.1.2 Citações Indiretas
Citação livre, indireta ou paráfrase é quando autor do trabalho, através de
síntese pessoal, reproduz fielmente as idéias de outro autor, sempre indicando a
fonte da qual foi extraída a idéia.
Atenção: O autor deve deixar clara a fonte de onde retirou a idéia; o assunto
abordado deve ser reescrito, reorganizado, tomando cuidado para não ser
confundido com plágio.
Quando o autor citado é parte do texto, seu sobrenome é digitado com a
primeira letra em caixa alta (letra maiúscula) e as demais em letras minúsculas. A
data de publicação é apresentada dentro de parênteses.
Quando o autor não faz parte do texto, seu sobrenome é apresentado dentro
de parênteses, em letras maiúsculas, seguido do ano da publicação.
⇒ Citação de obra com um autor
– autor como parte do texto:
A biblioteca digital, segundo Márdero Arellano (1998), continua realizando as
mesmas funções da biblioteca tradicional.
– autor não faz parte do texto:
A biblioteca digital continua realizando as mesmas funções da biblioteca
tradicional (MÁRDERO ARELLANO,1998).
⇒ Citação de obra com dois autores
– autor como parte do texto:
77
De acordo com Marconi e Lakatos (2001), as fichas de apontamento são
utilizadas para identificar as obras consultadas.
– autor não faz parte do texto:
As fichas de apontamento são utilizadas para identificar as obras consultadas
(MARCONI; LAKATOS, 2001).
⇒ Citação de obra com três autores
– autor como parte do texto:
Afirmam Costa, Ferrari e Martins (2006) que a Corte Superior Trabalhista
consagrou o entendimento de que a Justiça do Trabalho é competente para
esclarecer possíveis controvérsias referentes à indenização por dano moral advindas
das relações de trabalho.
– autor não faz parte do texto:
A Corte Superior Trabalhista consagrou o entendimento de que a Justiça do
Trabalho é competente para esclarecer possíveis controvérsias referentes à
indenização por dano moral advindas das relações de trabalho (COSTA; FERRARI;
MARTINS, 2006).
⇒ Citação de obra com mais de três autores
– autor como parte do texto:
Aron et al. (1995) explicam que a economia, ainda que numa sociedade
primitiva, admite a produção, a circulação dos bens e o consumo.
– autor não faz parte do texto:
A economia, ainda que numa sociedade primitiva, admite a produção, a
circulação dos bens e o consumo (ARON et al,1995).
Em obras com mais de três autores, cita-se apenas o sobrenome do primeiro autor
que aparece na obra, seguido da expressão et al. (e outros).
78
⇒ Citação de diferentes obras
– autor como parte do texto:
Através da consulta às obras de Campos (1994) e Martins (1996), descobrese
que o termo “papel” tem sua origem etimológica no “papiro”.
– autor não faz parte do texto:
O termo “papel” tem sua origem etimológica no “papiro” (CAMPOS, 1994;
MARTINS, 1996).
⇒ citação de entidades coletivas conhecidas por siglas
Deve-se citar o nome da entidade por extenso.
– autor/ entidade como parte do texto:
Segundo a Associação Brasileira de Normas Técnicas (2002, p. 01) o objetivo
da norma de citação é “[…] especificar as características exigíveis para a
apresentação de citações em documentos”.
– autor/ entidade não faz parte do texto:
O objetivo da norma de citação é “[…] especificar as características exigíveis
para a apresentação de citações em documentos” (ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE
NORMAS TÉCNICAS, 2002, p. 01).
⇒ citação de documento sem autoria
Para obras sem autoria, usa-se a primeira palavra do título, seguida de
reticências e de ano de publicação da obra, entre parênteses.
– sem autor como parte do texto:
Conforme Marketing… (2008), os estrategistas contratados para garantir a
eleição ou reeleição dos seus clientes ou a manutenção de sua imagem, quando
eles estão no exercício de seu mandato, têm como meta garantir a boa imagem de
seus clientes diante da opinião pública.
79
– sem autor não faz parte do texto:
Os estrategistas contratados para garantir a eleição ou reeleição dos seus
clientes ou a manutenção de sua imagem, quando eles estão no exercício de seu
mandato, têm como meta garantir a boa imagem de seus clientes diante da opinião
pública (MARKETING…, 2008).
Quando necessário, supressões, interpolações, comentários, ênfases ou
destaques, devem ser indicadas da seguinte forma:
Supressões […]
Usadas para omitir ou suprimir, no início ou no final de uma citação, parte do
texto de um autor, conforme a conveniência.
Exemplo:
Conforme Rogers (1969, p. 73) “[…] dar liberdade a um grupo pode ser coisa
arriscada e perigosa de fazer, e que, conseqüentemente, eles não podem,
genuinamente, dar esse grau de liberdade”.
Interpolações ou comentários: [ ]
Empregam-se para completar, esclarecer ou comentar um texto, nele
intercalando palavras ou frases, quando necessárias à compreensão de algo dentro
da citação, aparecendo entre colchetes [ ].
Ênfase ou destaques: grifo ou negrito ou itálico
Servem para destacar uma ou mais palavras dentro de uma citação, que no
original NÃO estão em destaque. Indica-se essa alteração com a expressão grifo
nosso, entre parênteses, após a idealização da citação.
Caso o destaque seja do autor consultado, usa-se a expressão grifo do
autor.
Exemplo:
Para Naves e Kuramoto (2006, p. 24, grifo nosso) “os estudos sobre a
leitura e a ação dos leitores na contemporaneidade são abordados sob diversas
perspectivas”.
80
“Tendo em vista os princípios presentes nessas abordagens consideram-se
como sendo mapas conceituais as representações de relações entre conceitos,
ou entre palavras que substituem os conceitos, através de diagramas […]”
(BELLUZZO, 2007, p. 75, grifo do autor).
Quando o texto citado for traduzido pelo autor, deve-se incluir, após a citação,
a expressão: tradução nossa.
Cardozo enfrenta a questão ‘o que é um grande caso?’, afirmando que é uma
idéia falsa e paralisante considerar que os casos são grandes simplesmente, ou
principalmente, em razão de sua natureza. Os casos são grandes pelo que nós
fazemos deles (SIMONIN, 2007, p.14, tradução nossa).
Quando se tratar de dados obtidos por informação oral (palestras, debates,
comunicações), indicar entre parênteses a expressão: informação verbal,
mencionando-se os dados disponíveis, em nota de rodapé.
No texto:
Novo guia para elaboração de trabalhos acadêmicos estará disponível on-line
até o final do mês janeiro (informação verbal)1.
No rodapé da página
____________
1 Informação coletada na reunião do Grupo de Processamento Técnico da Biblioteca da Unisinos,
realizada em São Leopoldo, no dia 26 de janeiro de 2009.
6.1.2 Citação de Citação
É utilizada quando o autor não pode consultar o documento original, feita a
reprodução da informação já citada por outro autor. Vale lembrar que esse tipo de
citação não deve compor em maior número e é importante que o autor procure
consultar a fonte original do documento.
81
No texto fora dos parênteses, deve ser citado o sobrenome do autor da obra
citada (obra não consultada), digitado com a primeira letra em caixa alta (letra
maiúscula) e as demais, em letras minúsculas, entre parênteses, o ano da obra do
documento não consultado, seguido da expressão apud SOBRENOME do autor da
obra consultada, digitado com letras maiúsculas, data de publicação da obra
consultada apresentada. Se for citação direta, inclui-se a página de onde foi extraída
a citação.
– autor como parte do texto:
De acordo com Feijó (1997 apud BELLUZZO, 2007, p. 74) ”a cultura
contemporânea é cada vez mais visual, e isso fortalece todas as formas de
comunicação que têm base ou exploram a imagem”.
– sem autor como parte do texto:
”A cultura contemporânea é cada vez mais visual, e isso fortalece todas as
formas de comunicação que têm base ou exploram a imagem” (FEIJÓ, 1997 apud
BELLUZZO, 2007, p. 74).
Ou ainda,
No texto:
De acordo com Feijó1 ”a cultura contemporânea é cada vez mais visual, e isso
fortalece todas as formas de comunicação que têm base ou exploram a imagem”.
No rodapé da página:
___________
1 FEIJÓ, 1997 apud BELLUZZO, 2007, p. 74.
82
6.2 SISTEMA DE CHAMADA
As citações devem ser indicadas no texto por um sistema de chamada, que
pode ser numérico ou autor-data. Deve ser observada a padronização nas
informações e, qualquer que seja o método adotado, deve ser seguido
consistentemente ao longo de todo o trabalho, permitindo correlação com a lista de
referências ou notas de rodapé.
Quando o(s) nome(s) do(s) responsável(is) pela obra estiver(em) incluídos na
sentença, indica-se a data, entre parênteses, acrescida da(s) página(s), se a citação
for direta.
Segundo Acevedo e Nohara (2004, p. 53) “a entrevista informal assemelha-se
a uma conversa com o entrevistado, mas com o intuito de coletar dados sobre o
problema investigado”.
Quando houver coincidência de sobrenomes de autores, acrescentam-se as
iniciais de seus prenomes.
(MEIRELLES, C., 1999)
(MEIRELLES, V., 2005)
Ou, quando houver coincidência das iniciais dos prenomes, colocam-se os
prenomes por extenso.
(MEIRELLES, César, 1999)
(MEIRELLES, Cleber, 1999)
Quando as citações forem de diversos documentos de um mesmo autor,
publicados no mesmo ano, são distinguidas pelo acréscimo de letras minúsculas, em
ordem alfabética, após a data e sem espacejamento, conforme a lista de referências.
Segundo Silva (2000a)
(SILVA, 2000b)
83
Nas citações indiretas de diversos documentos de mesma autoria, publicados
em anos diferentes são mencionados simultaneamente e separados por ponto-evirgula
e têm suas datas separadas por vírgula.
(SILVA, 1998, 2001, 2005)
(ANTUNES; BRASIL; SILVEIRA, 1990, 2003, 2007)
Nas citações indiretas de diversos documentos de vários autores,
mencionados simultaneamente, devem ser separados por ponto-e-virgula, em ordem
alfabética. Por exemplo:
Vários autores salientam a importância da necessidade de citar a fonte de
onde a informação foi extraída (GIL,2007; MIRANDA,1997; SILVA, 2004).
6.2.1 Sistema Numérico
As citações devem ter uma numeração única e consecutiva, colocadas um
pouco acima do texto, em expoente, ou entre parênteses; a numeração é única e
consecutiva, em algarismos arábicos, após a pontuação que fecha a citação. Esta
deve remeter à lista de referências, ao final do trabalho, do capítulo ou parte, na
mesma ordem em que aparecem no texto.
Importante ressaltar que não se inicia a numeração das citações a cada
página.
Não se deve utilizar esse sistema quando há notas de rodapé explicativas.
No texto:
“Nas bibliotecas e nos sistemas de informação e de recuperação da
informação, o tratamento da informação é definido como a função de descrever os
documentos, tanto do ponto de vista físico quanto do ponto de vista temático”. 2
Ou
84
De acordo com Naves e Kuramoto “nas bibliotecas e nos sistemas de
informação e de recuperação da informação, o tratamento da informação é definido
como a função de descrever os documentos, tanto do ponto de vista físico quanto do
ponto de vista temático”. (2).
Em nota de rodapé:
___________________
2 NAVES, Madalena Martins Lopes; KURAMOTO, Hélio (Org.). Organização da informação:
princípios e tendências. Brasília: Briquet de Lemos, 2006. 142 p.
Na lista de referências:
2 NAVES, Madalena Martins Lopes; KURAMOTO, Hélio (Org.). Organização da
informação: princípios e tendências. Brasília: Briquet de Lemos, 2006. 142 p.
6.2.2 Sistema Autor-Data
Nas citações indiretas, indica-se a fonte, pelo sobrenome do autor, autor/
entidade responsável ou pelo título, seguida da data de publicação do documento,
separadas por vírgula e entre parênteses.
Já nas citações diretas, inclui-se a indicação de página.
No texto:
Uma pessoa estressada que se sente muito pressionada não consegue se
dar contar que a irritabilidade, ansiedade e a precipitação podem provocar perda de
eficiência e de tempo (CUNGI, 2004).
Na lista de referências:
CUNGI, Charly. Saber administrar o estresse na vida e no trabalho. São Paulo:
Larousse Brasil, 2004.
85
No texto:
Cungi (2004, p. 55) afirma que “como o estresse também é uma questão de
hábito, é preciso estar disposto a aprender novas atitudes emocionais, cognitivas e
comportamentais para quebrar o círculo vicioso”.
Na lista de referências:
CUNGI, Charly. Saber administrar o estresse na vida e no trabalho. São Paulo:
Larousse Brasil, 2004.
No texto:
De acordo com Durand (2000, tradução nossa), existem três dimensões em
relação às competências: conhecimento, habilidade e atitude.
Na lista de referências:
DURAND, J. S. Lachimie de La compétence. Revue Française de Gestion, [S.l.], n.
127, p. 84-102, janv./févr. 2000.
Em obras sem autoria, deve-se registrar a primeira palavra do título, seguida
de reticências, de data de publicação, separadas por vírgula e entre parênteses; nas
citações diretas, inclui-se a(s) página(s) de onde foi extraída a citação.
No texto:
[…] enzima é um ingrediente natural, que pode ajudar a diminuir quebras do
produto acabado, melhorar a crocância […] e diminuir o sobrepeso (ENZIMAS…,
2008).
Na lista de referências:
ENZIMAS: aliadas naturais dos biscoitos. Revista Aditivos & Ingredientes. São
Paulo, n. 55, p. 72-73, mar./abr., 2008. Disponível em: . Acesso em: 30 jan.
2009.
Em obras em que autoria é uma entidade (Órgãos governamentais,
empresas, associações, congressos, seminários entre outras), menciona-se o
próprio nome, por extenso.
86
No texto:
Separata é a “publicação de parte de um trabaho (artigo de periódico, capítulo
de livro, colaborações em coletâneas), mantendo examente as mesmas
características tipográficas e de formação da obra original […]” (ASSOCIAÇÃO
BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS, 2002, p. 2).
Na lista de referências:
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6023: informação e
documentação – referências – apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2002.
No texto:
“O Decreto-Lei nº 53, de novembro de 1966, definia princípios para a
organização das universidades federais”. (BRASIL, 1966).
Na lista de referências:
BRASIL. Decreto-Lei nº 53, de 18 de novembro de 1966. Fixa princípios e normas de
organização para as universidades federais e sua articulação com a escola média e
dá outras providências. Disponível em: . Acesso em:
20 de setembro de 2006
6.3 NOTAS DE RODAPÉ
Utiliza-se o sistema autor-data para as citações no texto, e o numérico, para
notas explicativas.
As notas de rodapé devem ser alinhadas a partir da segunda linha da mesma
nota, abaixo da primeira letra da primeira palavra, de forma a destacar o expoente,
sem espaço entre elas e com fonte menor.
Exemplo:
___________________
1 Sobre essa temática, ver também Almeida (2005).
2 Veja também Naves e Kuramoto (2006).
87
6.3.1 Notas de Referência
Indica-se a fonte de um documento citado em nota de rodapé, utilizando-se
algarismos arábicos, devendo ser única e consecutiva para cada capítulo ou parte.
Não se inicia a numeração a cada página.
A primeira citação de uma obra, em nota de rodapé, deve aparecer completa.
Se há, em uma mesma página, citações subseqüentes de uma mesma obra,
estas podem ser referenciadas, de forma abreviada, utilizando-se as seguintes
expressões, abreviadas, de acordo com o caso.
Atenção: recomenda-se o uso das expressões latinas apenas no sistema de
chamada numérico, em nota de rodapé.
– Idem – mesmo autor – Id.
Para citar uma obra de um autor, anteriormente.
Nas notas de rodapé:
_____________________
1 VERGUEIRO, Waldomiro. Seleção de materiais de informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos,
1995. p. 20.
2 Id. 1989. p. 36.
– -Ibidem – na mesma obra – Ibid.
Para indicar que uma citação foi extraída da obra imediatamente anterior,
porém, de página diferente.
Nas notas de rodapé:
_____________________
3 FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Textos avançados e referência & informação. São Paulo: Polis,
1996. p. 34.
4 Ibid., p. 53.
88
– Opus citatum, opere citato – obra citada – op. cit.
Informa-se que a citação foi extraída de outra página de uma obra,
anteriormente citada, e que houve intercalação de outras referências.
Nas notas de rodapé:
_____________________
1 FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Textos avançados e referência & informação. São Paulo: Polis,
1996. p. 33.
2 VERGUEIRO, Waldomiro. Seleção de materiais de informação. Brasília, DF: Briquet de Lemos,
1995. p. 20.
3 FIGUEIREDO, op. cit., p. 35.
– Passim – aqui e ali, em diversas passagens (páginas) – passim.
Quando é impossível mencionar todas as páginas de onde foram extraídas as
idéias do autor.
Nas notas de rodapé:
_____________________
4 CUNGI, Charly. Saber administrar o estresse na vida e no trabalho. São Paulo: Larousse Brasil,
2004. passim.
– Loco citato – no lugar citado – loc. cit.
Remete ao trecho citado anteriormente.
Nas notas de rodapé:
_____________________
1 FIGUEIREDO, Nice Menezes de. Textos avançados e referência & informação. São Paulo: Polis,
1996. p. 33.
2 FIGUEIREDO, loc. cit.
89
– Confira, conforme – Cf.
Nas notas de rodapé:
_____________________
3 Cf. CUNGI, 2004.
– Sequentia – seguinte ou que se segue – et seq.
Usada quando não se mencionam todas as páginas da obra, indicando-se a
primeira página, seguida da expressão et seq.
Nas notas de rodapé:
_____________________
4 ALMEIDA, 2005, p. 78 et seq.
A expressão apud (citado por, conforme, segundo) é a única que pode ser
usada no texto ou na nota de rodapé.
A expressão sic significa: assim mesmo, isto é, estava assim no texto original.
[…] Extremôz continua sem história, silenciosa, pequenina, ignorada,
sem lances heróicos que não fossem os da fé e sem maiores
trabalhos afora os da caridade e do rythmo (sic) moral que o jesuíta
imprimia como uma projecção (sic) de sua presença. Nesse
ambiente, terra pobre, meia dúzia de padres (não há informes sobre
o número) famílias indígenas, trabalhadores ruraes (sic), raro homem
branco, vida primitiva e serena, pautada pela oração e pelo hábito
das madrugadas e dos somnos (sic) ao cahir (sic) da noite, o jesuíta
juntou um thesouro (sic). Um grande thesouro (sic) que inda (sic)
faísca e deslumbra toda diversidade de gente.
CASCUDO, Luís da Câmara. As Lendas de Extremôz. Revista do Instituto Histórico e Geográfico
do Rio Grande do Norte: 1935-1937, Natal, RN, v. 32-34, p. 89, 1940.
90
6.3.2 Notas Explicativas
Usadas para esclarecer ou complementar o texto. Aplicam-se as mesmas
regras válidas para as notas de referência.
Devem-se utilizar algarismos arábicos na numeração das notas explicativas,
observando uma numeração única e consecutiva para cada capítulo ou parte. Não
se inicia a numeração a cada página.
No texto:
O CFE adquiria um papel fiscalizador da implantação da reforma estrutural
das universidades nesse primeiro momento. 1
Nas notas de rodapé:
_____________________
1 Na avaliação de José Carlos Rothen, a atuação do CFE, a partir de 1964, adquiriu forte importância,
não apenas na fiscalização da aplicação das normas legislativas, como, igualmente, na formulação
das mesmas.
91
REFERÊNCIAS
ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. NBR 6022: informação e
documentação – artigo em publicação periódica científica impressa – apresentação.
Rio de Janeiro: ABNT, 2003a.
______. NBR 6023: informação e documentação – referências – apresentação. Rio
de Janeiro: ABNT, 2002a.
______. NBR 6024: informação e documentação – numeração progressiva das
seções de um documento escrito – apresentação Rio de Janeiro: ABNT, 2003b.
______. NBR 6027: informação e documentação – sumário – apresentação. Rio de
Janeiro: ABNT, 2003c.
______. NBR 6028: informação e documentação – resumo – apresentação. Rio de
Janeiro: ABNT, 2003d.
______. NBR 10520: informação e documentação – citações em documentos –
apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2002b.
______.NBR 12225: informação e documentação – lombada – apresentação. Rio de
Janeiro: ABNT, 2004.
______. NBR 14724:informação e documentação – trabalhos acadêmicos –
apresentação. 2.ed. Rio de Janeiro: ABNT, 2005a.
______.NBR 15287: informação e documentação – projeto de pesquisa –
apresentação. Rio de Janeiro: ABNT, 2005b.
92
FUNDAÇÃO INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE).
Normas de apresentação tabular. 3.ed. Rio de Janeiro: IBGE, 1993.
93
APÊNDICE A – SUMÁRIO
1 INTRODUÇÃO …………………………………………………………………………… 5
1.1 TEMA……………………………………………………………………………………… 6
1.2 OBJETIVO………………………………………………………………………………. 7
1.2.1 Objetivo Geral ……………………………………………………………………… 7
1.2.2 Objetivos Específicos…………………………………………………………… 7
1.3 JUSTIFICATIVA……………………………………………………………………….. 8
2 REFERÊNCIAL TEÓRICO…………………………………………………………… 10
2.1 DIVISÃO DO CAPÍTULO 2………………………………………………………… 14
2.1.1 Divisão do Subcapítulo ………………………………………………………… 15
2.2……………………………………………………………………………………………….. 17
2.2.1…………………………………………………………………………………………….. 19
2.2.1.1………………………………………………………………………………………….. 22
2.2.2.1.1……………………………………………………………………………………….. 23
2.3……………………………………………………………………………………………….. 26
3 REFERÊNCIAL TEÓRICO…………………………………………………………… 28
3.1 DIVISÃO DO CAPÍTULO 3………………………………………………………… 28
3.2……………………………………………………………………………………………….. 29
3.3……………………………………………………………………………………………….. 31
3.4……………………………………………………………………………………………….. 32
4 CONCLUSÃO…………………………………………………………………………….. 35
REFERÊNCIAS…………………………………………………………………………….. 37
APÊNDICE A – Título……………………………………………………………………… 39
APÊNDICE B – Título……………………………………………………………………… 40
ANEXO A – Título…………………………………………………………………………… 42
ANEXO B – Título…………………………………………………………………………… 43
ANEXO C – Título ………………………………………………………………………….. 44
94
APÊNDICE B – MODELO DE ARTIGO DE PERIÓDICO – ABNT
Título do artigo
Nome do Aluno *
Resumo: Para o resumo de artigos, a extensão indicada é de 100 a 250 (digitar em
espaço
simples)nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
nnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnnn
nnnnnn.
Palavras-chave: Administração de empresa. Marketing. Logística.
De 3 a 5 palavras, separadas entre si, por ponto final.
___________________________________________________________________
________
1 INTRODUÇÃO (separada do texto que a precede e que a sucede por dois espaços
de 1,5 entrelinhas)
A introdução é a parte inicial do artigo, onde se expõe a delimitação do
assunto que será abordado, os objetivos da pesquisa e demais fatores necessários
para situar o artigo (todo texto deve se digitado com espaço 1,5 entrelinhas).
2 REFERENCIAL TEÓRICO/DESENVOLVIMENTO
95
O desenvolvimento é a parte principal do artigo, em que são expostas, de
forma organizada e pormenorizada, as idéias apresentadas. Pode ser
subdividido em capítulos e
_______________
* Bacharel em Ciências Econômicas e Administrativas – Unisinos. (breve currículo que qualifique o autor na
área de conhecimento do artigo).
subcapítulos, dependendo da forma de abordagem do tema, devendo seguir a
NBR 6024:2003 -Numeração progressiva das seções de um documento.
2.1 Divisão do Capítulo
Sssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss
sssssssssssssssssssssssssssssssssss.
2.1.1 Divisão do Subcapítulo
Sssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss
sssssssssssssssssssssssssssssssssss.
3 CONCLUSÃO
Parte final do artigo, na qual se apresentam as conclusões correspondentes
aos objetivos e hipóteses.
Elementos Pós-Textuais
São os elementos que complementam um artigo.
Título e subtítulo (se houver) em língua estrangeira (elemento obrigatório): deve ser
centralizado, porque não possui indicativo numérico)
Precede o resumo em língua estrangeira.
Resumo em língua estrangeira (elemento obrigatório)
O resumo em língua estrangeira é um elemento obrigatório, que faz a versão
do resumo para um idioma de divulgação internacional.
96
Em inglês, o resumo é denominado Abstract ou Summary; em francês,
Resume; em espanhol, Resumen; em alemão, Zusammenfassung; e, em italiano,
Riassunto.
Palavras-chave em língua estrangeira (elemento obrigatório)
As palavras-chave são denominadas: em inglês Keywords; em francês Motsclès
e, em espanhol, Palabras clave.
NOTAS(S) EXPLICATIVAS (S)
A numeração das notas explicativas é feita através de algarismos arábicos,
devendo ser única e consecutiva para cada artigo.
REFERÊNCIAS (elemento obrigatório)(deve ser centralizado porque não possui
indicativo numérico)
Elemento obrigatório, elaborado conforme a NBR 6023:2003
GLOSSÁRIO (ELEMENTO OPCIONAL)
O glossário é um item opcional, formado por uma lista de palavras, em ordem
alfabética, sendo elas: de uso restrito, desconhecidas, de sentido obscuro, com
termos ou expressões técnicas que foram utilizadas no texto. Devem ser
acompanhadas das respectivas definições.
APÊNDICE(S) (ELEMENTO OPCIONAL)
Este item é elaborado pelo próprio autor do artigo e serve para complementar
a sua argumentação. É um elemento opcional e deve ser identificado por: Palavra
designativa (APÊNDICE): Letra maiúscula consecutiva, seguida de travessão – Título
do Apêndice
Exemplo:
APÊNDICE A – Quadro comparativo de valores de cargas
97
ANEXO(S) (ELEMENTO OPCIONAL)
Item constituído por documentos complementares ao texto do artigo e que
não são elaborados pelo autor do mesmo, servindo para fundamentação,
comprovação e ilustração. É um elemento opcional e deve identificado por: Palavra
designativa (ANEXO) Letra maiúscula consecutiva, seguida de travessão – Título do
Anexo
Exemplo:
ANEXO A – Balancete da Empresa A – 2007
98
ANEXO A – ABREVIATURA DOS MESES (NBR6023:2002)
Mês Português Espanhol Italiano Francês Inglês Alemão
janeiro jan. ene. gen. jan. Jan. Jan.
fevereiro fev. feb. feb. fév. Feb. Feb.
março mar. mar. mar. mars. Mar. März
abril abr. abr. apr. avr. Apr. Apr.
maio maio mayo mag. mai. May Mai
junho jun. jun. giug. juin. June Juni
julho jul. jul. giul. juil. July Juli
agosto ago. ago. ag. août. Aug. Aug.
setembro set. sep. set. sept. Sept. Sept.
outubro out. oct. ott. oct. Oct. Okt.
novembro nov. nov. nov. nov. Nov. Nov.
dezembro dez. dic. dic. déc. Dec. Dez.

3 responses

9 11 2009
roiz

e

28 08 2012
mate

muito ruim eu n gostei n explica nada coloca fotos e diminui mais o texto por favor

20 02 2013
Alisson Damascen

Complicado d+…

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: