BATALHA DOS GUARARAPES

guararapesGuararapes: O nosso Vietnã
Em duas batalhas travadas no século 17 nos pernambucanos montes Guararapes, os luso-brasileiros derrotaram os holandeses com táticas de guerrilha. Os conflitos mudaram o destino do país
por Rodrigo Cavalcante
De um lado, um exército organizado, com forte artilharia, munição e equipamentos para a guerra, liderados por uma superpotência. Do outro, soldados improvisados, em número muito inferior – menos de um terço da quantidade de combatentes dos inimigos. Lutavam descalços e sem camisa, munidos apenas de espadas e facões. Mas com uma vantagem: conheciam como ninguém a topografia do cenário de guerra. E acabaram impingindo uma derrota humilhante aos adversários.
Descrição da Guerra do Vietnã, em que os poderosos americanos foram massacrados pelos asiáticos? Nada disso. A luta acima ocorreu em meio à lama da região entre os montes e os mangues de Jaboatão dos Guararapes, no Grande Recife. Foram duas batalhas, que estão entre as mais decisivas para o futuro da América no século 17. Em abril de 1648 e em fevereiro de 1649, os conflitos que marcaram o destino do Brasil não pareciam, à primeira vista, muito justos. A República das Províncias Unidas dos Países Baixos, mais conhecida pelo nome de sua província mais importante, a Holanda (então a maior potência naval do planeta), enfrentou um exército formado por portugueses, mazombos (descendentes de portugueses nascidos no Brasil), índios e negros.
As derrotas sofridas pelos holandeses na região obrigariam, seis anos mais tarde, que eles abrissem mão de suas conquistas no Nordeste brasileiro. Por isso mesmo, não é exagero afirmar que foi ali, em Guararapes, que os habitantes da América portuguesa ajudaram a moldar aquilo que se tornaria a identidade brasileira. “Para os holandeses no século 17, Guararapes significou algo como a Guerra do Vietnã para os Estados Unidos no século 20 porque, com táticas de guerrilha mais apropriadas à região, os luso-brasileiros derrotaram um dos mais poderosos exércitos europeus”, diz o jornalista e historiador Leonardo Dantas da Silva, um dos maiores especialistas na época conhecida como Brasil Holandês, autor de Os Holandeses em Pernambuco.
Para entender os enfrentamentos que deram início ao fim da ocupação holandesa, é necessário analisar os sangrentos conflitos na Europa da época – dos quais a invasão holandesa ao Nordeste do Brasil foi um dos capítulos mais importantes.
Conflito Global
Assim como os Estados Unidos são atualmente a maior potência do mundo, o Império Espanhol era o todo-poderoso do século 16. Dominava territórios não apenas na Espanha como em diversos reinos que hoje integram a Itália e a França, assim como o território que hoje é dividido entre Bélgica, Holanda e Luxemburgo – em meados do século 16, esses três países faziam parte dos chamados Países Baixos Espanhóis. Em meio ao racha religioso causado pela Reforma Protestante, diversas regiões que trocaram o catolicismo pelas teses de Lutero e Calvino não viam mais razão para estarem submetidas aos católicos espanhóis. Foi o caso de sete províncias ao norte dos Países Baixos que, em 1579, fundaram a União de Utrecht – apesar de a Holanda ser apenas uma dessas províncias, era tão importante que o novo país levou seu nome. Como os espanhóis não estavam dispostos a perder a região, estratégica para as rotas de comércio na Europa, a guerra foi inevitável.
O conflito entre holandeses e espanhóis não tinha nada a ver com o Brasil. Isso até 1580. Logo no ano seguinte à União de Utrecht, o rei Filipe II da Espanha aproveitou-se do vácuo de poder em Portugal deixado pela morte de dom Sebastião para anexar o país aos seus domínios, formando a União Ibérica. A partir daí, o Brasil – e o precioso açúcar bruto produzido em seus engenhos e refinado pelos holandeses (leia abaixo) – passava a pertencer aos inimigos espanhóis. Foi então que os holandeses montaram duas espécies de multinacionais para tomar dos espanhóis-portugueses suas colônias: a Companhia das Índias Orientais, que encheu os cofres da Holanda controlando as possessões portuguesas no Oriente, e a Companhia das Índias Ocidentais, cuja missão era invadir as regiões produtoras de açúcar na América. Não fosse pelas duas batalhas em Guararapes, os holandeses poderiam ter chegado lá.
O primeiro destino da Companhia das Índias Ocidentais foi a Bahia. Em 1624, dezenas de navios com a bandeira tricolor holandesa invadiram a baía de Todos os Santos até tomarem a cidade de Salvador. Mas a ocupação não durou muito tempo: em 1625, uma esquadra luso-espanhola bem equipada conseguiu, com ajuda da população local, expulsar os holandeses da cidade. Cinco anos depois, a história seria diferente: ao tomarem a cidade de Olinda em 1630, os holandeses só sairiam do Nordeste em 1654. “Esses 24 anos de domínio estrangeiro comportaram na realidade mais de 16 anos de guerra”, escreveu o historiador Evaldo Cabral de Mello, autor de Olinda Restaurada.
Cabral divide a ocupação holandesa em três períodos. O primeiro vai de 1630 a 1637, quando a resistência local é obrigada a abandonar Pernambuco e os holandeses passam a controlar os territórios que vão do Ceará à foz do São Francisco (na divisa entre Alagoas e Sergipe). O segundo compreende os anos de 1637 a 1645, englobando principalmente o governo João Maurício de Nassau e o começo da revolta luso-brasileira (em 1640, Portugal voltou a ser independente da Espanha). O terceiro vai de 1645 a 1654 e marca a chamada Guerra de Restauração. Esta termina com a expulsão total dos holandeses. Foi exatamente nesse período que se deram as duas batalhas de Guararapes.
Guerrilha no mangue
Desde que Maurício de Nassau partira, em 1644, a situação dos holandeses no Brasil começou a definhar. Seus substitutos na Companhia das Índias Ocidentais não conseguiam controlar a crescente revolta dos habitantes locais contra o domínio estrangeiro com a mesma competência. A queda do preço do açúcar e as dívidas impagáveis com a Companhia acumuladas por produtores locais – além da certeza de que Portugal não teria condições de retomar a região pelo envio de uma esquadra, já que havia firmado uma trégua com os holandeses –, fizeram com que os descontentes decidissem agir por conta própria. Em 1645, organizaram um exército responsável por grandes vitórias, que encurralou os holandeses na cidade de Recife. Entre essas batalhas, a mais famosa foi a chamada Monte das Tabocas, decisiva para inverter o curso da história holandesa no Brasil. “Essa batalha abriu a campanha da Restauração e mostrou sua viabilidade militar, além de provocar a adesão de outras províncias”, diz o historiador militar e coronel Cláudio Moreira Bento. “É nesse momento que se define a estratégia de guerrilha que atingirá seu apogeu em Guararapes.”
O principal responsável por essa estratégia foi o militar de origem portuguesa Antônio Dias Cardoso, enviado da Bahia pelo governador-geral Antônio Telles da Silva. Conhecedor das técnicas de combate indígena, Dias Cardoso liderou no monte das Tabocas uma força de 1200 mazombos insurretos munidos de armas de fogo, foices, paus e flechas. As emboscadas derrotaram 1900 holandeses. A partir de então, ele seria apelidado de “mestre das emboscadas”. “Hoje, Dias Cardoso seria uma espécie de líder de forças especiais do Exército”, diz Cláudio Bento.
Acostumados a lutar em campo aberto na Europa, a artilharia pesada do Exército holandês mostrou-se vulnerável às novas táticas de guerrilha empregadas por seus adversários no Brasil. De maneira geral, cada companhia do Exército holandês formada por 500 homens era dividida em dois grupos: 300 piqueiros (carregavam os piques, lanças grandes no estilo medieval) que iam se revezando com o grupo de 200 mosqueteiros. Enquanto os mosqueteiros carregavam suas armas, os piqueiros assumiam a luta – e, quando os mosqueteiros estavam prontos para atirar, iam à frente dos piqueiros. “O problema é que esse tipo de luta não era adequado à vegetação local”, diz Dantas da Silva. “Em meio à mata e aos terrenos úmidos, não havia sequer raio de ação para a artilharia. A luta se dava mesmo na batalha corpo a corpo”. Foi com essa estratégia que, em abril de 1648, o exército luso-brasileiro derrotou os holandeses na primeira Batalha dos Guararapes.
A Primeira batalha
Cercados em Recife, os holandeses tinham obrigatoriamente de passar por Guararapes para recuperar suas antigas posições ao sul. De acordo com registros da época, ao anoitecer do dia 17 de abril o tenente-general Von Schkoppe comandou a saída das tropas holandesas para o sul da cidade na maior euforia e alarde. “A marcha dos holandeses foi acompanhada pelo som de trombetas e tambores, mais parecendo um desfile militar que uma marcha para o combate”, diz Cláudio Bento. “Com isso, eles queriam minar a moral dos combatentes locais, fazendo com que os luso-brasileiros acreditassem que não valia a pena lutar contra o poderoso exército holandês.”
Após a chegada de reforços da Holanda, os historiadores estimam que o exército holandês em Guararapes tivesse entre 4500 e 6000 homens. Já os brasileiros não passavam de 2500. Como então eles conseguiram uma vitória acachapante, que resultou em algo entre 500 e 900 mortes dos holandeses, incluindo dezenas de oficiais? A principal causa da vitória dos luso-brasileiros foi a decisão dos oficiais de lutar ao estilo local, atraindo os holandeses para o combate corpo-a-corpo em meio a passagens estreitas na mata, onde eram vítimas fáceis de emboscadas.
Além da estratégia de guerrilha, os exércitos formados no Brasil tinham muito mais razões para a luta que apenas as econômicas. “As dívidas à Companhia das Índias Ocidentais foram um fator importante para a rebelião, mas elas não seriam suficientes para motivar o ardor dos pernambucanos”, afirma Dantas da Silva. “Não podemos esquecer que se tratava também de uma guerra religiosa, já que o que estava em jogo era a disputa entre os católicos da terra contra os protestantes invasores”, diz o pesquisador, que discorda da tese de que houve liberdade religiosa em Pernambuco durante o governo holandês. “Havia, no máximo, alguma tolerância religiosa.”
O fato é que, dois dias depois de saírem do Recife, os holandeses depararam, em Guararapes, com algumas escaramuças montadas por um grupo de luso-brasileiros de 200 ou 300 homens. Chamados para a luta, eles não sabiam ainda que eram atraídos para uma grande emboscada em uma passagem estreita e com mangue entre montes na região, chamado de Boqueirão. Marchando com dificuldade com seus uniformes pesados, os holandeses foram vítimas de um ataque geral a espada das tropas luso-brasileiras. “O caos se estabeleceu e muitos holandeses, ao tentarem fugir, terminaram sendo abatidos a espada”, diz Cláudio Bento. Centenas de holandeses foram mortos em meio à região úmida pelos luso-brasileiros, cujo contingente de negros e índios estava habituado a se deslocar pelos alagados.
O resultado foi trágico para os holandeses. Estima-se que a batalha terminou com mais de 500 baixas (entre mortos e desaparecidos) e 500 feridos. Do lado do exército formado no Brasil, o número de baixas foi estimado em 80 mortes e 400 feridos. Como o exército holandês tinha quase o triplo de homens dos soldados locais, sua derrota foi ainda mais humilhante. Mas o pior ainda estava por vir.
A Segunda Batalha
Após a primeira batalha, os holandeses permaneceram sitiados no Recife, de onde só podiam sair pelo mar. Para desvencilharem-se da insultante posição, eles tentaram novamente sair por terra da cidade na noite do dia 17 para o dia 18 de fevereiro de 1649 – dessa vez, em silêncio. No dia 18, os luso-brasileiros já sabiam, contudo, que eles haviam marchado novamente para o sul. A idéia dos holandeses era chegar primeiro a Guararapes para se posicionarem com vantagem no inevitável confronto com as tropas luso-brasileiras. Mais uma vez, porém, a estratégia holandesa falhou. Suas tropas foram encurraladas, de novo, pelos soldados camuflados em Guararapes. Acabaram sendo obrigados a recuar em pânico para o Recife. Nessa ocasião, mais de mil homens do exército holandês foram mortos ou presos, contra apenas 40 mortos e 200 feridos das tropas luso-brasileiras.
Após a segunda batalha dos Guararapes, os comerciantes da Companhia das Índias Ocidentais pareciam ter finalmente percebido que não estavam lutando contra tropas portuguesas movidas puramente por razões econômicas. Eles descobriram que o povo lutava com um sentimento de patriotismo – incluindo os soldados negros, liderados por André Vidal Negreiros, e os indígenas, que tinham como líder o índio convertido ao catolicismo Felipe Camarão.
Enquanto a maioria do Exército holandês era recrutada em diversos pontos da Europa, os luso-brasileiros começaram a usar o termo “patriota” pela primeira vez no Brasil. Não é à toa que, após a expulsão definitiva dos holandeses, em 1654, a capitania de Pernambuco foi o epicentro de vários movimentos pela independência da região ocorridos nas décadas seguintes. Prevaleceu o sentimento de que o Nordeste holandês fora restaurado graças ao esforço de sua gente – e sem ajuda dos portugueses. Desde 1994, um decreto do ex-presidente Itamar Franco vinculou a data da Primeira Batalha de Guararapes ao Dia do Exército – marcando simbolicamente o conflito como a data de nascimento das nossas Forças Armadas.

Economia doce
Holandeses tornaram-se experts no negócio do açúcar
Os holandeses tiveram uma participação importantíssima na primeira atividade econômica organizada do Brasil – e acabaram sendo os principais beneficiados no processo. Logo no início da colonização, os portugueses escolheram plantar cana-de-açúcar por aqui para efetivar a posse da terra e, claro, levar lucro à metrópole. As primeiras mudas foram trazidas em 1532 e os engenhos multiplicaram-se rapidamente – em 1610, já eram 400, a maior parte no litoral de Pernambuco e da Bahia, que ocupavam posição estratégica para o escoamento do açúcar. A produção era toda voltada para exportação. Na Europa, a população mudava seus hábitos e começava a adoçar alimentos com açúcar em vez de mel. Como os custos para a produção eram altos para os portugueses, os holandeses é que financiaram a montagem das moendas e a compra dos escravos e assumiram o refino, o transporte e a negociação do nosso açúcar. Após sua expulsão daqui, os holandeses, que já detinham a tecnologia da produção do açúcar, foram para as Antilhas desenvolver o negócio por lá. O Brasil perdera o monopólio e ganhara um rival na produção do açúcar. Assim, o preço do açúcar, em meados do século 18 e durante o 19, caiu pela metade.
Quanto vale?
Nordeste voltou a ser brasileiro por 63 toneladas de ouro
Apesar de batalhas como as de Guararapes terem sido decisivas para expulsar os holandeses do Brasil, Portugal teve que negociar muito com a Holanda para obter a garantia de que o Nordeste brasileiro seria respeitado como colônia portuguesa. Em O Negócio do Brasil, o historiador Evaldo Cabral de Mello revela que, para que o Nordeste não fosse alvo novamente da Companhia das Índias Ocidentais, a coroa lusa teve que desembolsar 4 milhões de cruzados para os cofres holandeses, o equivalente, na época, a 63 toneladas de ouro – ou toda a receita da alfândega portuguesa em um ano inteiro. Ou seja: na prática, o Nordeste foi praticamente comprado de volta por Portugal. Mas a transação da Companhia das Índias Ocidentais que ficaria mais famosa, contudo, seria a venda de um entreposto comercial na América do Norte chamado Nova Amsterdã. Após a retomada do Nordeste pelos portugueses, esse entreposto foi o destino natural de muitos negociantes expulsos de Pernambuco – inclusive dos judeus que haviam se estabelecido no atual centro do Recife (onde foi construída a primeira sinagoga daqui, no século 16). Após vender o entreposto de Nova Amsterdã para os ingleses, o local seria batizado com o seu nome atual, Nova York.
Saiba mais
Livro
Olinda Restaurada – Guerra e Açúcar no Nordeste, 1630-1645, Evaldo Cabral de Mello, Topbooks, 1998
Aborda as vertentes econômica, política, social e militar do período da ocupação holandesa.

FONTE: AVENTURAS NA HISTÓRIA

43 responses

20 07 2009
Augusto

Esta batalha foi decisiva para que o Brasil não se dividi-se em vários estados. A ela se deve a dimensão intercontinental do Brasil incomparavel e invejável por mts países. Só é lamentável é que depois de tanto sangue derramado ainda existam brasileiros a rebaixar, menosprezar a cultura e raça portuguesa.

3 11 2009
Izabelle

É gratificante alimentar meu cérebro com as histórias que passamos.
Mas eu tenho um trabalho de história não um discurso pulítico…
OBS: isso não foi um fora só foi um comentário.

18 02 2010
+.

Oi .. Eu não entendi nada

6 04 2010
Trevor

pOlítico*
Já eu entendi tudo =D

6 04 2010
Trevor

A Batalha dos Guararapes serve como mais um exemplo de que não só força e poder, mas inteligência e estratégia contam muito numa batalha.

7 09 2010
Moisés

Naquela época o Brasil pertencia a Portugal que pertencia a Espanha.
Os brasileiros expulsaram os holandeses e aí?
Teriam que expulsar também os portugueses e espanhóis.
Não vejo motivo para comemorar a batalha dos Guararapes
foram perdidas vidas a troco de nada.

7 09 2010
Augusto

E quem está comemorando?? ninguém… Portugal sempre foi e sempre será independente. Lembro-lhe que já na altura dos romanos um dos maiores impérios do Mundo se admiravam com a frente de batalha que os lusitanos faziam. Nunca nos deixamos dominar por ninguém.

Mas não é isso que está em causa. Patriotismos aparte tenho um enorme orgulho pelo Brasil se estar finalmente afirmando cada vez mais na cena internacional. Acho que a Lusofonia pode fazer muito pelo Mundo.

16 11 2010
Cleber

Não se descobre “novas terras” onde já existe seres humanos habitando. Quando os europeus (todos) chegaram ao Brasil, na verdade eles não descobriram, eles invadiram o Brasil, escravizaram nossos índios (e negros), mataram nossos índios, roubaram nosso ouro e levaram pra Europa onde construíram suntuosos palácios com o nosso tesouro roubado. Podemos assim dizer que eles exploraram o nosso Brasil.
Portanto a Guerra dos Guararapes foi mais uma guerra entre Europeus pela cobiça da terra (e cana de açúcar) que pertencia aos povos primitivos.

1 12 2010
SIVALDO JUNIOR

JA FALARAM AI EM RACA PORTUGUESA PORTUGAL NÃO FEZ NADA PARA AJUDAR UM BRAVO GRUPO DE PERNAMBUCANOS LUTOU POR ISSO. PORTUGAL FOI UMA GRANDE SANGUESSUGA DAS RIQUESAS DO BRASIL EXERCEU UMA COLONIZAÇAO APENAS DE EXPLORAÇÃO TODA A CORRUPÇAO QUE VIVEMOS EM NOSSO PAIS SE INICIOU COM PORTUGAL SO MANDAVAM LADRÕES E ASSASSINOS PARA CA . E ALEM DO MAIS FOI UM ATO MUITO HEROICO MAIS SE OS HOLANDESES ESTIVESSEM CONTINUADO POR AQUI EM PERNAMBUCO TERIA SIDO MUITO MELHOR POIS A CARAVANA DELES TINHA UMA GRANDE DIVERSIDADE DE POVOS ENTRE ELES OS JUDEUS QUE SAIRAM DAQUI E SO FUNDARAM UMA CIDADEZINHA QUE HOJE CONHECEMOS COMO NOVA YORK SOMENTE .

26 02 2011
CARLOS FIALHO

SO QUERO DIZER QUE QUANDO OS PROTUGUESES CHEGARAM AO BRASIL NAO AVIA BRASIL NENHUM FORAM ELES QUE DERAM O NOME AO BRASIL E QIE MORRERAM AQUI MUITOS PORTUGUESES E QUE SE NAO FOSSEM ELES ESTE PAIS ATE PODERIA NEM SER BRASIL NEM SER SO UM PAIS MAS VARIOS PORTANTO SE HOJE EXISTE UM PAIS CHAMADO BRASIL E BRASILEIROS PODEM AGRADEÇER AO PORTUGUESES E AQUELES QUE MORRERAM COM ELES PARA MANTER ESTE PAIS COMO ESTA

26 02 2011
CARLOS FIALHO

NEM SEMPRE OS FILHOS SABEM AGRADEÇER O QUE O PAI FAZ POR ELES . E AGORA QUERIA RESPONDER AO SENHOR SILVADO JUNIOR SE ELE SE SENTE BRASILEIRO EU ACHO QUE NAO PORQUE ELE PREFERIA O BRASIL DEVIDIDO E SE ELE SABE O QUE ACONTEÇEU EM AFRICAE AOS PAISES GOVERNADO PELOS HOLADESES

19 03 2011
benilson

eu amo historia

6 05 2011
Bia

não entendi nada!

11 05 2011
João Paulo

A tropa que lutou pela expulsão dos invasores holandeses era formada por luso-brasileiros: portugueses, brancos nativos, índios e negros. Houve causas econômicas e religiosas. Porém o que mais valoriza essa luta é o espírito de amor à terra evidenciado pelos revolucionários conforme esse compromisso imortal: “Nós, abaixo assinados, nos conjuramos e prometemos em serviço da liberdade não faltar a todo o tempo que for necessário, com toda ajuda de fazendas e de pessoas, contra qualquer inimigo, em restauração da nossa PÁTRIA; para o que nos obrigamos ….”

Essa pátria não era o Brasil como um todo (apenas parte do Nordeste), mas já era um embrião da independência que viria dois séculos depois.

20 06 2011
.

nao to afim d le

13 07 2011
SD Vargas

A batalha ocorre num período em que sem intervenção directa da coroa portuguesa (que em Portugal se encontrava perante a pressão da decadente mas ainda poderosa coroa das Espanhas), os portugueses do Brasil, é que pegam em armas para expulsar os holandeses dos territórios que eram parte da coroa portuguesa e não os portugueses……É de especial importância, além da resistência demonstrada pelas forças portuguesas – na sua esmagadora maioria constituídas por portugueses nascidos no Brasil – realçar a importância do apoio dos escravos e dos índios autóctones.

11 08 2011
nanda

gente qual o nome das batalhas que ocorreram no monte dos guarapes entre 1648 e 1649?

18 08 2011
Druida

Ola
Amigo, gostei muito do seu blog.Todo brasileiro deveria estudar isso, ainda mais em épocas de mulher fruta aonde a inteligencia conta pouco e a aparencia muito.Fracos sao os que nao estudam pois o Brasil pra melhorar precisa de educaçao e nao de omissao!
Resido na Italia e o meu blog retrata a verdadeiraitalia, aquela de hoje que filmes e novelas nao mostram e principalmente o que pensam do Brasil e brasileiros.Escreverei um post e gostaria muito de citar o seu blog pois é educativo.Nos brasileiros devemos estudar mais historia,nao so a mundial mas principalmente a nossa!Espero a sua resposta e mais uma vez parabéns!!
Druida-blog verdadeiraitalia

16 09 2011
nathan

museu do exercito conde de linhares são cristovão rio de janeiro. agradece

22 10 2011
Carlos Eugenio Echevarria

Os holandeses não ficaram no Brasil SIMPLESMENTE porque foram derrotados pelos pernmambucanos. A primeira manifestação de brasilidade. O brasileiro gosta de se autodepreciar. Dizem que com o domínio holandês o Brasil (Nordeste),seria melhor ou coisa parecida. Nada mais falso. Era um país colonialista. Vejam o que restou – algumas ilhas, Suriname e Indonèsia, nesta os holandeses se empenharam após a 2ª Guerra em manter, com uma guerra que durou até 1949. Independente, dá para comparar a situação dela hoje, melhorou, mas com o esforço e trabalho do seu povo, muito pouco disso venho do legado colonial holandês. Aliás, o apartheid foi criação de holandeses (descendentes) na Africa do Sul, incorporado depois pelos in gleses.Com certeza, o Brasil não teria herdado da colonização holandesa um paraíso. Esquecem que uma nação pequena como Portugal foi sim a primeira nação européia constituída e independente, após a queda do Império Romano do Ocidente combateu as maiores potências da época, Espanha, França e Holanda e saiu vitorioso. A primeira grande derrota que indicava o fim de Napoleão foi em Vimeiro, Portugal.

9 11 2011
Inad

O rei de Portugal que morreu, originando assim a União Ibérica, era D.Henrique e não D.Sebestião. Bom texto, parabéns.

23 11 2011
milla

gostei muito de saber da batalha dos guararapes

Adoreiiiiiii

29 01 2012
Otacilio de Almeida Dantas

Dantas- Cada vez mais, sinto orgulho de ser “Brasileiro”, ao conhecer mais há fundo, a história do brasil, com todas as adversidades de opiniões, mas com o nascimento do “Patriotismo”, que naquele momento da Batalha dos Guararapes, começara a surgir entre brasileiros, luso brasileiros, e índios. Gostei muito desta matéria!!!!

2 02 2012
Juliana Alves

Eu moro em Jaboatão dos Guararapes em Piedade.Do meu apartamento da pra ver os montes Guararapes + é d muito longe.Quero dizer a todos vcs q eu mesma como Jaboatonense sou muito grata aos soldados d socorro por eles mesmo em número menor derrotarão os Holandeses e muitas vezes visito o quartel d socorro e vejo o museu d lá!Parabéns soldados!!!!!!Ah!Olhem Jaboatão dos Guararapes ñ é interior é a cidade + próxima de Recife,a capital d pernambuco.Bjos!!!!!!

2 02 2012
Juliana Alves

Tenho muito orgulho d ser jaboatonense!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

19 02 2012
Moisés Rodigues

De que adiantou o esforço das tres raças brasileiras para expulsar um invasor se depois disso ficamos ainda com dois invasores porugueses e espanhois já que naquela época o Brasil pertencia a Portugal e esse pertencia a Espanha de Felipe II.

19 02 2012
Moisés Rodigues

Só para lembrar: D . Sebastião , rei de Portugal morreu na Batalha de Alcacequibir o sucessor dele foi D. Henrique que já estava velho e doente e veio a falecer logo depois, e quem era o parente mais próximo para suceder D Henrique? Isso mesmo, o poderoso Felipe II da Espanha que além do vasto Império Espanhol herdou o Império portugues inclusive o Brasil. Portanto ao expulssar os holandeses pra gente foi como chutar terra
não ficamos independente de ninguém .

27 02 2012
cinthia

adorei conheçer a historia muito interesante me ajudou muito em um trabalho de historias caçri em varios sites mais nesse eu achei tudo o que precisava valeu…..bjus

3 03 2012
maria do socorro clemente barca

Graças a Deus que o passado existe e que as historias permanecem guardadas para servir de conhecimento para todos aqueles que sabem que é curioso, saber como foi o passado para entender o presente…
É muito gostoso ler sobre os exploradores; ler sobre a resistência indigena; ler toda a nossa história pois dela fazemos parte.
Minha bisavó materna era índia e se casou com um holandês; e a minha vó se casou com um filho de holandês, no ano de 1905. Eu ainda irei pesquisar como eles se conheceram.
A reescrita da história do Brasil deve ser parabenlizada e não criticada. O pior é, hoje fazer a historia ruim para ser escrita amanha.

12 03 2012
Eunice......e.........GL

nossaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa……………..
li e reli………
+ainda tenho minhas duvidas se foi isso mesmo que aconteceu………
rsrsrsrsrsrsrsrrsrsrsrsrsrsrsrsrsrs………..

29 06 2012
carla barbara

gostei muitooooooooooooooo

5 09 2012
evaldo

guararapes vai ficar na nossa memoria para sempre. Já pensou se Nassau fosse portugues…….meio seculo de evolução teria-mos.

8 10 2012
iroma

adorei q super graças a deus q esse site existe

10 10 2012
sara

A região Nordeste era rica ,Recife era um grande centro econômico das Américas, séculos depois o governo central abandonou o Nordeste,e as multinacionais se instalaram nas regiões Centro-Sul,o Nordeste virou periferia,esquecido e abandonado,hoje o nordestino sofre preconceito,é humilhado pelos os seus compatriotas por pura ignorância porque não estudaram história e nem geografia do Brasil,se o Centro-Sul for alfabetizado,sofrem de amnésia.Vamos tentar pensar como o alagoano Calabar,será que valeu a pena tanto sangue derramado para hoje o nordeste ser tão discriminado? É, parece que Calabar estava com alguma visão do futuro do Nordeste.Ótimo blog.

16 11 2012
Matias

Moisés, apenas para esclarecer:
A União Ibérica de Felipe II acabou em 1640 com a Guerra de Restauração do Trono Português e, portanto, o Brasil trocou a Holanda por Portugal apenas. No entanto, você tem razão quanto a uma coisa: não ficamos independentes, apenas trocamos um opressor pelo outro. De qualquer maneira, foi nesse momento que surgiu a primeira faísca de nacionalidade no Brasil, que, embora breve, uniu os diferentes povos que aqui viviam e que decidiram se vincular ao mesmo território, não os diferentes locais de onde esses grupos étnicos tiveram origem,
Matias

16 11 2012
Matias

Gostei de sua visão crítica Moisés, bastante reflexiva *-*

16 11 2012
Matias

l

6 02 2013
Lucas

Como o Augusto já comentou acima, essa batalha não deu a independência do Brasil, mas contribuiu para o Brasil ser o país que é hoje, já imaginou se os portugueses deixassem o Nordeste para a Holanda, hoje provavelmente teríamos no mínimo três Brasis, o Brasil português (região Sudeste), o Brasil holandês (região Nordeste), e o Brasil espanhol (regiões Sul, Centro-Oeste e Norte, que pertenciam à Espanha pelo tratado de Tordesilhas), ou seja, nós do Centro-Sul e do Nordeste seríamos estrangeiros uns para os outros, falando duas línguas totalmente diferentes (português e holandês), não iríamos entender nada um do outro.

31 05 2013
Jota

Ótimo blog!
Permita-me corrigir apenas o seguinte: Henrique Dias (e não André Vidal de Negreiros) foi o líder dos negros nessa guerra ao lado dos Portugueses.
No relato do cronista da época essas batalhas ganham detalhes que as fazem muito maiores do que parecem. A assimetria das armas: de um lado as armaduras, as lanças longas, as armas de fogo; do outro, as espadas dos brasileiros que, após aproximarem-se da rígida formação holandesa para um disparo bem de perto (causando desorganização no inimigo), dominavam o restante da luta no corpo a corpo, onde os gringos eram pouco treinados.
Não se enganem. Após a saída de Nassau, aceitar o holandês era o mesmo que aceitar ser escravo: liberdade pra quase nada, violência, humilhação e desrespeito às mulheres.

3 07 2014
Jomar Santos dos Reis

Muitos comentários estão fora da realidade do que realmente aconteceu. É preciso que se leia e que entenda o que de fato está escrito. Talvez não tenha encontrado o nome de um dos integrantes do exército brasileiro que passou para o lado dos holandeses e hoje não sabemos ainda se de fato ele foi ou não traidor. Em 1956, no interior da Bahia, num pedacinho do extremo sul, a Batalha dos Guararapes ficou fazendo parte da vida dos estudantes do 4º Ano Primário do Grupo Escolar Hildérico Pinheiro em Itanhém e nessa época a professora era: Da. Eulinda de Aguiar Gavazza. Os portugueses também foram expulsos, com ajuda dos piauienses, tempos depois.

3 07 2014
Jomar José Jomar

Alagoano Calabar, citou a “Sara”, não terá sido o nome completo: Francisco Calabar?

3 07 2014
Jomar José Jomar

Existe uma discussão ocorrida na BBC de Londres entre dois jornalistas a respeito desse assunto, um era holandês e o outro português e pelo que soube acabou assim: O holandês gabava-se de Maurício de Nassau e de suas realizações, quando arrematou: “bem que teria sido melhor se tivéssemos continuado, o Brasil não seria a terra de tanta corrupção e roubalheira”. E o português emendou: ” seria a terra dos drogados e das prostitutas”. Se descer o bicho pega.

3 07 2014
Jomar José Jomar

Encontrei o nome certo: DOMINGOS FERNANDES CALABAR, foi ou não foi traidor?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 111 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: