ASSALTOS INVISÍVEIS

cristovam
Cristovam Buarque – Senador da República

O primeiro assalto do Brasil foi cometido em 22 de abril de 1500, por um fidalgo português a serviço do Rei D. Manuel I. Com um grupo de companheiros armados, ele assaltou centenas de milhares de índios desnudos, roubando-lhes a terra. Chamaram o assalto de descoberta.
O segundo roubo foi cometido em 1534 por D. João III, que dividiu o Brasil em 15 capitanias, entregando-as a amigos e aliados políticos. Até hoje, a terra brasileira continua propriedade dos descendentes e compradores das terras assaltadas naquela época. Chamam esse assalto de propriedade privada.

Para explorar as terras assaltadas, eram necessários trabalhadores. A solução foi assaltar a África em busca de mão-de-obra. Por quase quatro séculos, milhões de negros foram brutalmente seqüestrados e trazidos para o Brasil, sem direito a resgate. Até seus filhos foram seqüestrados, e obrigados ao trabalho forçado por toda a vida. Chamaram o assalto de mão-de-obra servil.

Quando os escravos foram libertados, começaram a seqüestrar seu trabalho. O patrão vendia o produto do trabalhador por um valor muito maior do que o salário pago, e ficava com a diferença. A esse assalto chamam lucro.

Os escravos deixaram as senzalas onde viviam e foram morar em invasões, ocupações, favelas. Com o tempo, foram expulsos, para dar lugar a edifícios e condomínios. O assalto dessas áreas, ocupadas pelos descendentes dos escravos e outros pobres, foi chamado de desenvolvimento urbano.

Para promover o desenvolvimento e a industrialização, os governos passaram a gastar mais do que arrecadavam, e a pedir empréstimos. A conseqüência foi que os preços começaram a subir. Chamaram esse assalto de inflação. Mas para que o assalto não afetasse a todos, criaram mecanismos de proteção: correção monetária, mercado aberto, fundos de investimentos. Os pobres eram assaltados pela inflação, os ricos tinham escudos protetores. Uma espécie de condomínio monetário.

Os impostos, o dinheiro emitido irresponsavelmente, os empréstimos financiam a infra-estrutura para os ricos, e não a educação e saúde de todos. A esse assalto chamam orçamento. Parte do dinheiro era transferida a empresários, com a desculpa da criação de emprego. Chamam esse assalto de incentivos fiscais. O BNH e o FGTS usaram dinheiro do trabalhador para financiar a construção de casas para ricos. Esse assalto foi chamado de política habitacional. Muitos usavam subterfúgios para não pagar o imposto devido; esse assalto ao tesouro chama-se sonegação.

Para criar infra-estrutura científica e tecnológica, foram criadas universidades públicas para os filhos das classes altas. Os pobres vindos das escolas públicas não são aprovados no vestibular. É como se os alunos das escolas privadas assaltassem as vagas da universidade pública. Chamam esse assalto de competência. Além disso, parte da educação privada é paga com dinheiro público, abatido do imposto de renda. Esse assalto chama-se desconto educacional.

Graças a essas políticas, o Brasil conseguiu levar adiante um rápido crescimento econômico, com uma parte da população se apropriando do produto. A esse assalto chamam concentração da renda. O Brasil também conseguiu produzir todo o petróleo de que precisa, depredando suas reservas, que se esgotarão em 20 anos. A esse assalto às futuras gerações chamam auto-suficiência.

Esses assaltos invisíveis foram chamados de crescimento econômico. Ele é que provoca os assaltos visíveis, que ocorrem todos os dias nas nossas cidades. Aqueles que levam à cadeia.

Cristovam Buarque é Professor da Universidade de Brasília e Senador pelo PDT/DF

18 responses

17 04 2009
Ivan Carvalho Boccanera

Valeu Senador Cristovam Buarque
o Brasil é um pais Continental e a atuação do negro na formação do nosso povo não se deteve apenas em pontos isolados ou ao longo do litoral, torna-se cada dia mais complexa a pesquisa da historicidade do negro como elemento formador da cultura e povo brasileiro.
Como fonte de pesquisa remetovos a proposta do nosso mestre Milton Santos nos seus artigos, publicados na mídia nas décadas 40, 50, 60,80,90 e 2000.
Contribuindo decisivamente com a Carta de Uberaba (MG) e Encontro de Ribeirão Preto(SP).
Nas minhas andanças pelo território do nosso país, pude constatar que muito ainda temos que pesquisar para afirmar-mos algo sobre o negro como um povo, posto que a diversidade étinica contribuiu para uma diversidade de comunidades que se fundiram com grupos de etinias indígenas que deram almágma ao povo que hoje chamamos de brasileiro.
Tive como parte da minha formação o Projeto Rondon que leva o estudante a conhecer as realidades nacionais das quais ele se achava distante nos grandes centros, temos que incentivar ao jovem a conhecer o Brasil, par depois sair dele e conhecer outros povos.
Aguardo contatos.
abraços
Profº Ivan Carvalho Boccanera da Sec de Educ do DF
brasília , DF
ivanboccanera@bol.com.br

24 04 2009
Waldimiro de Souza

Professor, senado Cristovam,
Estamos encaminhas o comentário do estudante Matheus Santos estudante de Ciência Sociais da UFMG, feito em nosso blog.
No dia 22 de abril de 2009, dois dias antes deste do qual escrevo, um intrigante episódio ocorreu na casa suprema da justiça brasileira. Dois ministros, “exelentíssimos”, Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa se puseram em um debate, em demasiado caloroso, que nos diz muito sobre como está hoje nosso país. Não cabe aqui descrever o episódio. Todos já devem te-lo visto, e acredito que ele, em grande medida, fale por sí só. O que queria colocar aqui, no entanto, é o porque de, dado a ocorrência de tal episódio, todos os ministros, em tese “imparciais”, se reuniram a portas fechadas, à exessão de um dos dois principais interessados, o ministro Joaquim Barbosa, que foi sumariamente excluído do encontro. Pior do que isso e algo a ser questionado é o porquê desta reunião ter sido realizada longe dos olhos do povo, das cameras que alí estavam gravando. Que razão teriam os exmos. para esconder suas opiniões sobre o ocorrido, de conspirar a portas fechadas? Longe de saber o que lá foi dito, tomamos conhecimento apenas do resultados: uma nota de apoio ao ministro Gilmar Mender. Nota essa que demonstra como funcionam facções políticas, relações de dependência e fidelidade que vão bem mais no sentido dos benefícios dos próprios ministros do que da população.
Atire aqui a primeira pedra quem não aplaudiu as palavras de Joaquim Barbosa. Deveria ser ele punido por falar o pensam todos? Se ele não puder, quem poderá? Vamos torcer para que, em um futuro próximo, possamos exercer nossos direitos sem nos sentir reféns de nosso governo, presos em um sistema que pouco temos como mudar.

Mateus Santos – Estudante de Ciência Sociais da UFMG.

24 de Abril de 2009

24 04 2009
Waldimiro de Souza

Professor, senado Cristovam,
Estamos encaminhas o comentário do estudante Mateus Santos estudante de Ciência Sociais da UFMG, feito em nosso blog.
No dia 22 de abril de 2009, dois dias antes deste do qual escrevo, um intrigante episódio ocorreu na casa suprema da justiça brasileira. Dois ministros, “exelentíssimos”, Gilmar Mendes e Joaquim Barbosa se puseram em um debate, em demasiado caloroso, que nos diz muito sobre como está hoje nosso país. Não cabe aqui descrever o episódio. Todos já devem te-lo visto, e acredito que ele, em grande medida, fale por sí só. O que queria colocar aqui, no entanto, é o porque de, dado a ocorrência de tal episódio, todos os ministros, em tese “imparciais”, se reuniram a portas fechadas, à exessão de um dos dois principais interessados, o ministro Joaquim Barbosa, que foi sumariamente excluído do encontro. Pior do que isso e algo a ser questionado é o porquê desta reunião ter sido realizada longe dos olhos do povo, das cameras que alí estavam gravando. Que razão teriam os exmos. para esconder suas opiniões sobre o ocorrido, de conspirar a portas fechadas? Longe de saber o que lá foi dito, tomamos conhecimento apenas do resultados: uma nota de apoio ao ministro Gilmar Mender. Nota essa que demonstra como funcionam facções políticas, relações de dependência e fidelidade que vão bem mais no sentido dos benefícios dos próprios ministros do que da população.
Atire aqui a primeira pedra quem não aplaudiu as palavras de Joaquim Barbosa. Deveria ser ele punido por falar o pensam todos? Se ele não puder, quem poderá? Vamos torcer para que, em um futuro próximo, possamos exercer nossos direitos sem nos sentir reféns de nosso governo, presos em um sistema que pouco temos como mudar.

Mateus Santos – Estudante de Ciência Sociais da UFMG.

24 de Abril de 2009

19 06 2009
HELIO

veja como o nosso pais e rico des do descobrimento que somos roubados pór os politicos e ainda nao quebramos.e apenas pga mos o dismo dos póliticos atraves dos milhoes de ipostos.se possivel faleme de um outro roubo da epoca de 1500 cometido por um fidalgo portuges que apos comviver com brasileiros passou a disviar verbas federais de portugal.

22 07 2009
Guilherme

Boa tarde Senador Cristovam,

Segue abaixo meu comentário a respeito da Carta do DNIT em relação à BR 020, a qual Vossa Excelência fez um requerimento ao Ministro dos Transportes sobre a situação da mesma. Reitero também ao senhor meus préstimos solidários à sua cobrança e peço-lhe que não desista. Continue monitorando o assunto em questão e informando a população. Para tal sugiro que o faça através do site O Negro no Brasil Atual (1980), o qual tem atualmente uma repercussão mundial. Parabéns por ser mais um de nossos integrantes e aliado neste resgate da dignidade humana.

À Presidência da República, aos Ministérios do Governo Brasileiro e ao DNIT.

Senhores,

Reitero aqui todos os comentários já redigidos, como tenho também a certeza de que os próximos que o sejam, estarão todos indignados com a atual situação em que se encontra esta região de nosso amado País. Aqueles que porventura assim não o procederem, peço-lhes minhas humildes desculpas, mas estão completa e irremediavelmente captulados diante de seu estado altamente confortável, como aliás já nos foi dito e comprovado pelo Ilustríssimo Professor Milton Santos. Na verdade ocorre esta situação de desamparo e descaso do Poder Público para com os moradores desta região, devido ao simples fato de que os mesmos são de maioria negra, humildes e descendentes dos escravos e índios que os precederam. Somente por este fato é inaceitável que tal ato ocorra, pois, determina nossa Carta Magna que os desfavorecidos em nosso País sejam devidadmente cuidados pelo Governo e compensados pela Sociedade, pelos abusos criminosos praticados em toda a sua história, nas ações governistas e atitudes de descaso da mesma. Desta forma, a carta do DNIT explicando o inexplicável, não coaduna com o que deverá ser feito, ou seja, cumprindo com a gestão de forma sistêmica de governar. Façam a estrada BR 020 e não se justifiquem mais.
Guilherme D’Avila.
E-mail: ghgdavila@hotmail.com

7 08 2009
Guilherme

Estou anexando neste blog, a entrevista ao correio brasiliense do líder na câmara dos deputados do PSB Rodrigo Rollemberg;

Os eventos que atingiram a imagem do Congresso Nacional desde o início deste ano trazem duas importantes lições. A primeira é que a sociedade brasileira não aceita mais passivamente a confusão de limites entre o interesse público e o interesse privado e dispõe de formas eficazes de controle sobre os atos das autoridades. Além disso, as lideranças que não se adaptarem ao novo contexto, marcado por maior valorização da conduta ética, trilharão, cedo ou tarde, o caminho do repúdio popular e da inviabilidade política.

Mas seria equívoco supor que a demanda por honestidade resume as expectativas dos cidadãos brasileiros em relação ao Legislativo. A ampliação do espaço de legitimidade da Câmara dos Deputados e do Senado Federal requer a formulação e execução de uma agenda positiva focada em temas prioritários para o povo e o país. Destaco três: a) a Reforma Tributária; b) o marco regulatório da exploração do pré-sal; c) o plano de defesa nacional.

A proposta de Reforma Tributária aprovada na Comissão de Finanças e Tributação não tem a abrangência e a profundidade ideais; no entanto, apresenta pontos positivos, como a simplificação e racionalização do Sistema Tributário Nacional e a desoneração dos produtos da cesta básica. Essa última será fator de atenuação da injustiça tributária que grassa no Brasil, que faz que os mais pobres paguem, proporcionalmente à renda, mais impostos do que os mais ricos.

É verdade, também, que o texto a ser levado a plenário preocupa no que se refere às novas regras de dotação orçamentária da seguridade social. A esse respeito, especialistas alertam que as novas regras poderão trazer incertezas quanto ao financiamento do setor. É preciso, portanto, aprofundar a discussão, com vista a evitar prejuízos aos sistemas de saúde, previdência e assistência social.

Por sua vez, a exploração do petróleo localizado sob a camada do pré-sal deverá ser feita com base em novas disposições legais, com vista à proteção do interesse nacional. As regras atuais, definidas pela Lei n.º 9.478, de 6 de agosto de 1997, impõem a contratação de empresas petrolíferas com base no regime de concessão. Cabe ao Congresso Nacional alterá-las, estabelecendo a possibilidade de adoção do regime de partilha de produção, mais adequado a situações em que o risco de insucesso na exploração é pequeno, como é o caso do pré-sal. O novo regime, caso seja de fato aprovado, garantirá um montante maior da riqueza em mãos da União, que pode ser revertido em investimentos e mudar o quadro de pobreza no país.

Para isso, é preciso que a União seja representada por uma empresa 100% pública e de caráter exclusivamente administrativo.

Quanto ao Plano Nacional de Defesa, o governo federal deverá enviar ainda este mês um conjunto de proposições que incluem: a reorganização das Forças Armadas sob um Estado-Maior conjunto de Marinha, Exército e Aeronáutica, subordinado ao Ministério da Defesa; incentivo ao desenvolvimento da indústria brasileira de equipamentos de defesa, por meio de sistema de compras governamentais e incentivos financeiros; fortalecimento e ampliação da presença militar na Amazônia e outras regiões de fronteira.

O plano aponta para o desenvolvimento tecnológico e industrial do país nas áreas espacial, nuclear e cibernética, com a previsão de lançamento de satélites e a fabricação de submarino nuclear, radares, veículos aéreos não tripulados, aviões, helicópteros, entre outros equipamentos. Um de seus objetivos fundamentais é aumentar o investimento em defesa nacional, hoje um dos mais baixos do mundo, medido em termos de proporção do Produto Interno Bruto. Cabe ao Congresso Nacional submeter o plano a rigorosa análise e proceder aos aperfeiçoamentos que se fizerem necessários.

O enfrentamento dessas e outras questões de primeira grandeza deverão recolocar o Legislativo federal em posição de maior prestígio perante a opinião pública. Houve uma época em que muitos eleitores brasileiros achavam razoável optar por um candidato com perfil realizador; era o tempo do “rouba, mas faz”. As denúncias e investigações em curso na Câmara e no Senado, malgrado as eventuais limitações e imperfeições, podem estar marcando o esgotamento definitivo desse paradigma. O certo é que cada vez mais o eleitor exigirá candidatos que combinem honestidade, competência e compromisso com o desenvolvimento do país e o bem-estar da população.

Artigo publicado no jornal Correio Braziliense – 5/8/2009

(*) Rodrigo Rollemberg é líder do PSB na Câmara dos Deputados

6 08 2010
FÁTIMA

Maria de Fátima Alves Souza, nascida em Belo Horizonte-MG, dona de casa, empresária que tem duas filhas diretoras executivas.
Creio que a base da civilização é a família, todavia a história brasileira não deu atenção a população mais pobre.Quero relatar a contribuição que legou a família brasileira pela senadora Laélia Alcântara, baiana, médica e primeira senadora negra da história do Brasil, teve dificuldade para ser aceita para exercer a profissão de médica na Bahia, tendo que imigrar-se para o Estado do Acre, no qual dedicou-se 60 anos às famílias pobres da região amazônica do Acre, esta foi uma pessoa queridíssima pela aquela população,onde mais tarde assumiu o mandato do senador Adalberto Sena, que também era médico, o qual havia falecido.
A história Baiana é rica de valores,cito:André Rebouças, engenheiro, Milton Santos, geográfo e professor cientista, Elesbão, deputado no estado de Roraima e médico,também incluo nessa situação o deputado Adalberto Camargo de São Paulo, onde criou a primeira câmara de comércio entre Brasil e países africanos,esses são os negros, que de alguma maneira enriqueceram a política brasileira como tantos outros, e que não foram valorizados como deviam.E quero aqui dar os parabéns a deputada Lídice da Mata por ter requerido e realizado na comissão de educação e cultura na câmara dos deputados o seminário “vida e obra Milton Santos”.

6 08 2010
FÁTIMAH

Ao Congresso Brasileiro, Câmara e Senado,o Executivo e Judiciário, é uma contribuição de uma jovem estudante que terminou o 2° no Notre Dame. Com conhecimento na revista “Coleção Caros Amigos-fascículo 3,é que reproduzirei a parte: “O povo na ciência e a ciência para o povo.”
A ciência é feita de ideias – essencial pesquisar e estudar – mas só isso não basta. Essa lição,ensinada pelo alemão Albert Einstein,serve de critério para distiguir os cientistas de primeira grandeza em qualquer época e é capaz de explicar o brilho incomum dos nomes que você vai conhecer nesta edição de Grandes Cientistas do Brasil.
O primeiro, considerado o mais destacado intelectual negro do Brasil, mudou a Geografia com uma ideia tão simples que surpreende: a Geografia não é apenas o estudo de mapas e gráficos, rios e montanhas. A Geografia, é feita essencialmente de gente. Dessa maneira, construiu uma noção de espaço goegráfico que, enquanto sinônimo de território usado, não é apenas físico, mas uma instância social. O baiano Milton Santos revolucionou dessa forma essa ciência, até então descritiva.
“Desse menino, a noção de movimento me impressionava, ver as pessoas se movendo, as mercadorias se movendo”, conta Santos, dando uma pista sobre a origem de sua ideia genial. Sob o olhar da nova Geografia, explica Santos, “nada escapa” e o território passa a ser um lugar “privilegiado para interpretar o país”.
De forma distinta,o país também aparece como protagonista no trabalho do segundo grande cientista deste fascículo. Crodowaldo Pavan foi uma fonte inesgotável de ideias úteis para toda a ciência brasileira. Na Genética, que ajudou a implantar no país, fez valer a ideia revolucionária de que os genes não eram tão simples quanto se pensava no seu tempo. Como se não bastasse, ajudou a inscrever o desenvolvimento científico na Constituição de 1988, foi um incansável defendor do investimento no progresso científico e tecnológico, e, acima de tudo, se dedicou pessoalmente a democratizar o conhecimento, estendendo-o ao maior número possível de cidadãos.
Parabenizo a revista e por isso,creio que esse seminário seria tão importante para enriquecer nossa cultura,que anda tão mal divulgada. Falar sobre Milton Santos,vida e obra,não é falar de uma pessoa qualquer. É mostrar o movimento da ideia do pensamento e das pessoas.

6 08 2010
Hannely

Continuação…

Como segundo comentário,com base na revista Fórum de 2007,direcionando para Michel Temer, Presidente da Câmara dos Deputados, Milton Santos faz uma declaração sobre o fato de ser negro.
“O fato de ser negro e a exclusão correspondente acabam por me conduzir à condição de pemanente vigíia”. Esse depoimento evidencia a sua consciência em relação à questão do preconceito e da discriminação que sofrem os negros no Brasil. Não participava de movimentos ligados à causa,uma questão de coerência com aquilo que ele dizia ser fundamental para um intelectual: a independência. “Não sou militante de coisa nenhuma. Essa ideia de intelectual, apreendida com Sartre, de uma independência total, distanciou-me de toda forma de militância”, declarou.
Descendente de escravos que foram emancipados antes da abolição da escravatura no país, Milton Santos enfrentou quando jovem diversas manifestações de rascismo. Desistiu de cursar Engenharia, entre outros motivos, quando o alertaram que havia resistência aos negros na Escola Politécnica. Em outra ocasião, foi convencido por colegas a não se candidatar ao cargo de presidente da Associação do Estudantes Secundários da Bahia. O argumento usado por eles foi de que, como negro, ele não teria acesso ao diálogo com as autoridades.
Mesmo assim, continuou sua trajetória no meio acadêmico e hoje,pela sua relevância como intelectual, tornou-se referência para o movimento negro. “Não porque ele militava, ele era um acadêmico, mas pelo debate que fazia sobre inclusão. E também por não esquecer suas origens, apesar de ter se consagrado como um dos mais importantes intelectuais do mundo”, aponta o geógrafo João Raimundo de Souza, a propósito de uma homenagem feita pela Universidade de Campinas (Unicamp) a Milton Santos.
A sua Obra é tão revolucionária que, mesmo depois de morto, ainda assusta muita gente, gerando um certo preconceito.
Queria convidar, como estudante, as revistas a divulgarem grandes gênios como Milton Santos e tantos outros.

12 09 2010
Maria Lúcia Alves da Silva

Revindicação da Escola Milton Santos na Bahia, que exprime a força das mulheres da região e seu desejo de transformar a sua realidade a partir da perspectiva do Laboratório de Geomorfologia e Estudos Regionais. Meu nome é MARIA LÚCIA ALVES DA SILVA. SOU COORDENADORA PEDAGÓGICA JUNTO COM A PROFESSORA VELEIDA ANTUNES NA ESCOLA MUNICIPAL PROFESSOR MILTON SANTOS, SITUADA NA RUA JARDIM TERRA NOVA, VILLAGE I. M. ITAPARICA, CEP: 41 305410, TELEFONE: 36117905, EMAIL: ESC-PMILTONSANTOS@SALVADOR.BA.GOV.BR. A ESCOLA SE SITUA NO BAIRRO DE VALÉRIA, E LEVA O NOME DO MAIS IMPORTANTE CIENTISTA BRASILEIRO, MILTON SANTOS. CONSIDERAMOS QUE O PROJETO DE LABORATÓRIO DE GEOFORMOLOGIA E ESTUDOS REGIONAIS PROVOCOU A CAPACIDADE DO INTERIOR PARA O EXTERIOR DAS PESSOAS, ENTRE A VIDA E AS PESSOAS, E NAS CONVIVÊNCIAS ENTRE AS PESSOAS.NOSSA ESCOLA SOLICITA À UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA E AO MUNDO ACADÊMICO A CONTINUAÇÃO DESTE PROJETO. PEDIMOS QUE NOSSA COLEGA MARIA AUXILIADORA DA UFBA VISITE-NOS PARA DISCUTIR UM PROJETO COM ESSE TEMA, SOB SUA ORIENTAÇÃO. OS PODERES INSTITUCIONAIS DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL: PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL, SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL(PODER JUDICIÁRIO), CONGRESSO NACIONAL(CÂMARA E SENADO),..! ESTA ESCOLA CONVOCA EM NOME DE MILTON SANTOS UM NOVO PROJETO POLÍTICO PARA O BRASIL. TODAVIA PRECISAMOS QUE O MUNDO ACADÊMICO POSSA COMPREENDER QUE ESTE PROJETO É UMA AÇÃO PRÁTICA DE GESTÃO PÚBLICA E PRIVADA PARA UMA CONQUISTA DE UM NOVO BRASIL TODOS JUNTOS.

11 03 2011
Dep. Domingos Dutra

Dep. Domingos Dutra disse…

Deputado Domingos Dutra vai denunciar o governo do Maranhão na OEA
O Deputado Domigos Dutra anunciou que encaminhará uma denúncia à Comissão de Direitos Humanos da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre a gravidade da situação carcerária no Maranhão. Segundo o Deputado, em novembro do ano passado, 18 presos foram mortos e quatro decapitados. Agora, no começo de fevereiro, na cidade de Pinheiro, oito presos foram assassinados e quatro tiveram as cabeças separadas dos corpos.
Barbárie: Presos decapitados em Pinheiro – terra do Senador Sarney.

“É impossível que perdurem as execuções de presos no sistema penitenciário do Maranhão sem que haja uma providência, sem uma denúncia aos organismos internacionais. A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) está encaminhando uma denúncia a Organização das Nações Unidas (ONU) e eu estou encaminhando uma denúncia à OEA”, enfatizou.
No ano passado, o Deputado Domingos Dutra esteve em Washington onde entregou o relatório da CPI do Sistema Carcerário à OEA – principalmente relativo ao Estado do Espírito Santo. “Muitas medidas foram tomadas naquele Estado a partir da intervenção dos organismos internacionais. Esperamos o mesmo para o Maranhão”, disse.

2 06 2011
Wellington Oliveira

Milton Santos é homenageado em colóquio na UFBA

Evento marca a passagem dos 10 anos da morte do intelectual

“Cultura Local, Mercado Global”. Este é o tema da terceira edição do colóquio na Universidade Federal da Bahia (UFBA) que lembra o pensamento e registra os 10 anos da morte do único intelectual brasileiro ganhador do “Nobel” da Geografia, o baiano Milton Santos (1926-2001). Várias outras atividades, no Brasil e mesmo no exterior, devem ocorrer a partir de junho, mês de sua morte.

Milton Santos escreveu mais de 40 livros, foi professor da UFBA, da USP e de várias universidades na Europa, América Latina, Estados Unidos, Canadá, na África e mesmo no Japão. O Prêmio Vautrin Lud, considerado o “Nobel” da área, foi-lhe agraciado na França, como distinção feita ao primeiro intelectual do hemisfério sul e do mundo não-anglo-saxão, em 1991.

O ato solene que instalará o colóquio – aberto ao público – acontece no Salão Nobre da Reitoria, a partir das 18h30, do próximo seis de junho, com apresentação do Madrigal da UFBA. Autoridades diversas dos campos da cultura, da universidade, dos governos e da sociedade civil estão sendo convidadas a prestigiar o evento. Servidores técnico-administrativos, estudantes e professores estão sendo mobilizados.

Com apoio do Instituto Anísio Teixeira/Secretaria de Educação do Estado, as mesas-redondas na manhã do dia sete de junho serão transmitidas para todas as regiões da Bahia por videoconferência. O objetivo é envolver professores das redes públicas estadual e municipal com a discussão sobre as contribuições do geógrafo Milton Santos para as ciências e o conhecimento. Haverá ainda GTs (Grupos de Trabalho) na tarde do mesmo dia sete, dessa vez nas instalações da Faculdade de Comunicação da UFBA, em Ondina.

Att.
Wellington Oliveira
Assessoria de Comunicação
Tel.: +55 71 3320-0438 | 8844-3422

20 09 2011
Izabel Oliveira

Revivendo a história:
Laélia de Alcântara elegeu-se suplente do Senador Adalberto Sena na legenda do MDB. Exerceu o mandato de 03/04/1981 a 29/07/1981 no lugar do titular. Com o falecimento do Senador Adalberto Sena, assumiu a titularidade até 31/01/1983, completando o mandato. Foi a primeira Senadora negra da história desse país. Quando Laélia veio assumir o mandato por 120 dias do titular, uma comissão de negros(diplomatas africanos e americanos e brasileiros) vieram recebê-la no aeroporto, no qual havia a presença de Leo Tigre, que havia criado em Brasília no Núcleo Bandeirante a Casa da Mãe Preta em 1959, que servia para acolher crianças abandonadas ou com famílias sem condições de dar apoio aos filhos. Leo foi eleita pela Nações Unidas (ONU) mãe do Brasil. E também a diretora da Casa Thomas Jefferson em Brasília Barbara Escarlet, que era negra, na qual a Senadora foi recepcionada por essas duas mulheres negras com buque de flores das quais cada uma delas trazia como presente que simbolizava o símbolo da natureza divina da mulher e da sua capacidade de gestora, como mãe, política, médica, professora, como cientista e etc. Naquele momento as 3 mulheres citadas acima simbolizavam isso. Laélia formou-se em medicina no Rio de Janeiro e quis exercer a condição de médica na Bahia, porém não foi aceita, indo então para a Amazônia no Estado do Acre, onde se dedicou a medicina na floresta amazônica durante 50 anos. Foi exemplo da medicina solidária para o Brasil e o Continente Americano, porque infelizmente as maiorias dos medicos ao se formarem nas capitais do país não querem trabalhar nas cidades do interior, portando a Senadora mostrou que as mulheres foram sempre grandes guerreiras e, todavia provocou uma curiosidade das federações da indústria, do comercio e algumas universidades sobre o conceito da aplicação da medicina preventiva na Amazônia. Foi esse belo legado deixado por ela como política, como médica e como cientista para os afros descendentes.

4 09 2012
Izabel Souza

Como estudante de Engenharia Florestal da UnB, estou dando apoio ao professor e doutor de comunicação da UFBA e biográfo oficial da obra de Milton Santos.
Na manhã desta segunda, 3/09/12, um oficial de justiça da Justiça Eleitoral da Bahia (10ª zona) me buscou na Faculdade de Comunicação, onde sou professor, para me notificar sobre pedido judicial do empresário Mário de Mello Kertész, candidato do vice-presidente da República e de Geddel Vieira Lima à prefeitura de Salvador, para que se censure o site http://www.fernandoconceicao.com . Exige a retirada da série de matérias anteriormente publicada no jornal A TARDE sobre denúncias de rombo de 200 milhões de dólares nos cofres públicos à época em que ele governou a terceira maior capital do Brasil.

Meu advogado ( tel.71.8739-5607) tem até o meio dia desta quarta-feira, dia 5, para apresentar nossa defesa. Ou, conforme despacho da juíza Maria Fátima Monteiro Vilas Boas, poderei pagar multa diária de R$ 5.000,00.

É assim que “Salvador tem jeito”.

f.c.

18 02 2013
Eliecim Figueiredo Souza - municipio de Mansidão BA

Parabéns! pelo desempenho em favor da educacão no seu mandato.
Quando o presidente Lula iniciou o projeto de transposição do rio São Francisco, acreditou-se que seria a redenção da região. Entretanto, passam-se os anos o que se constata é o descaso com o dinheiro público. Obras paralisadas, equipamentos depredados em fim, muito descaso com os recursos do povo. E a população sofrida da região e carente de todo tipo de apoio dos poderes constituídos ficam na expectativa de um dia chegar este benefício de uma obra que deveria ser urgente. Ai de nós povo brasileiro, que vivemos a mercê de governantes que não possuem sensibilidade e compromisso com seus governados em projetos desta magnitude. Muitos projetos são iniciados, muitos deles não são concluídos dando um enorme prejuízo aos cofres públicos. Precisamos mudar estas atitudes perversa de tratar mal os cidadãos deste país.

6 05 2013
Waldimiro de Souza

Conterraneo Prefeito Ney Borges, muita paz. O senador Cristovam Buarque fez um requerimento ao Ministério dos Transportes, sobre a BR 020, Brasília a Fortaleza, com 2238 km, dos quais 577 km não concluídos, de Riachão das Neves a divisa do Piauí, São Raimundo Nonato, que passa pelo municipio de Mansidão. Nos, população da região temos que ter a visão de politica de Estado e de Governo, não de politica de favores pessoais, mas de desevolvimento sustentavel, politica de cidadania. Solicitamos do senhor Prefeito esse apoio, a essa iniciativa. Waldimiro de Souza

6 05 2013
Eliecim Souza

É LOUVÁVEL A AÇÃO DO SENADOR CRISTOVAM BUARQUE. A BR 020 É UMA RODOVIA PLANEJADA HÁ VARIAS DÉCADAS.ENTRETANTO, NÃO SABEMOS O MOTIVO PELOS QUAIS OS VÁRIOS GOVERNOS NÃO DÃO A DEVIDA IMPORTÂNCIA A ESTA OBRA DE EXTREMA NECESSIDADE PARA TODO O NORDESTE BRASILEIRO. FICA AQUI REGISTRADO TAMBÉM O MEU EMPENHO DE CIDADÃO DESTE PAÍS, PELA URGENTE CONCLUSÃO DESTA OBRA.

22 10 2014
Waldimiro de Souza

O PSB Nacional, reuniu ontem uma nova executiva nacional elegendo Carlos Siqueira como presidente nacional do partido. No entanto no dia que a Marina Silva foi indicada a candidatura a presidência da republica pelo PSB em substituição ao saudoso estadistas Eduardo Campos, Carlos Siqueira teve um ataque racista contra a candidatura da Marina Silva, que expressava a candidatura negra e indigna do pais. O partido que elege-o Carlos Siqueira, tem que pedir desculpa ao pais pela não observância que um partido politico tem que ter uma visão de estado, de governo, de nação e uma consciência de um estadista. Carlos Siqueira é um homem que sempre tratou da questiuncula pessoal no partido, violando a cidadania e os direitos fundamentas das pessoas humanas, em especial dos negro e da população indigna. Queremos um partido com a visão de Eduardo Campos, Dona Renata, seus cinco filhos e em especial o Miguelzinho que representa a família brasileira.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s




%d blogueiros gostam disto: